keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Ex-vereadores e apadrinhadas são condenados por atos de improbidade na região da Serra

Além da suspensão dos direitos políticos, os ex-parlamentares terão que devolver aos cofres do Executivo e Legislativo R$ 74 mil e pagar multa civil no mesmo valor

X
Divulgação/CNJ/Visor Notícias

O juízo da comarca de Lages condenou por improbidade administrativa dois ex-vereadores, um deles atualmente suplente da Casa Legislativa, e mais duas mulheres nesta semana.  Elas trabalhavam em benefício pessoal de um dos parlamentares, pagas com dinheiro público, com o conhecimento e autorização do outro vereador, que era presidente da Câmara. Além da suspensão dos direitos políticos, os ex-parlamentares terão que devolver aos cofres do Executivo e Legislativo R$ 74 mil e pagar multa civil no mesmo valor, ambos os valores devidamente atualizados. A decisão é do juiz Rafael Steffen da Luz Fontes, titular da Vara da Fazenda da comarca local.

Por indicação do colega vereador, o presidente da Casa nomeou uma mulher como gerente de informática, porém a servidora, além de não possuir qualquer conhecimento na área e não exercer a função, atuava nas demandas particulares do político que sugeriu seu nome. Em atenção a outro pedido do vereador, o presidente solicitou a cessão de uma funcionária do Município para a Câmara.  Concursada como auxiliar de serviços gerais, trabalhava como secretária do vereador, inclusive em escritório particular do político. Os fatos ocorreram em 2015 e todos os envolvidos possuíam plena e prévia ciência de que não prestariam os serviços inerentes aos cargos.

A conduta do grupo resultou em um prejuízo à administração pública no importe de R$ 74.078,02, valores pagos às servidoras durante todo o período em que estiveram vinculadas ao poder Legislativo Municipal. Solidariamente, os ex-vereadores deverão devolver o montante ao Legislativo e Executivo e pagar multa civil no mesmo valor. Ainda foram condenados à suspensão dos direitos políticos por oito anos e proibidos de contratar com o Poder Público ou dele receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de 10 anos. Estas últimas penalidades estendidas para as duas mulheres. Elas também deverão ressarcir solidariamente a quantia que receberam e pagar multa no mesmo valor. Uma delas foi condenada a devolver R$ 59.137,70 à câmara, a outra, R$ 14.940,32 para a prefeitura. Há possibilidade de recurso ao TJSC.

Fonte: Visor Notícias

Geral

VÍDEOS: Agricultor esvazia barragem e encontra peixes de até 58 kg

Mais de seis toneladas de peixes foram encontrados na propriedade

Geral

Corpo do ator Paulo Gustavo será cremado nesta quinta-feira

Cerimônia será reservada para a família e amigos

Geral

Ataque em Saudades: crianças mortas são sepultadas lado a lado; vídeo mostra cortejo fúnebre

Ainda na manhã desta quarta, as vítimas do atentados foram veladas em um ginásio coletivo. Uma missa de corpo presente, com o Bispo Dom Odelir José Magri da Diocese de Chapecó-SC e Pe, será realizada.

Geral

Operação contra fraude milionária em estacionamento rotativo cumpre mandados em Itapema e outras 10 cidades

O Inquérito ainda se encontra sob sigilo e algumas diligências ainda estão em andamento, razão pela qual diversas informações não podem ser divulgadas até o momento

Geral

Motorista é atacado por enxame de abelhas africanas em SC

Ele dirigia um caminhão quando foi atacado dentro da cabine por abelhas da espécie africana

Mais notícias

Política

Paulinho apresenta projetos de mobilidade e turismo de Bombinhas para líder do governo Bolsonaro na Câmara

Uma das regiões beneficiadas é a do Mariscal, uma das praias mais procuradas pelos banhistas que todos os anos visitam a cidade

Segurança

Mãe espanca filha de 7 anos e deixa criança sem comida por dias; caso é investigado

Como forma de castigo menina era deixada de joelhos na cozinha durante toda a madrugada sem poder dormir