keyboard_backspace

Página Inicial

Economia

Beneficiário pode contestar suspensão de auxílio emergencial de R$ 300

Termina nesta segunda-feira (2) o prazo para quem teve a extensão do auxílio emergencial cancelada contestar o motivo da suspensão do benefício.   O interessado deve pedir a revisão da decisão exclusivamente pelo site da Dataprev (Empresa de […]

X
Marcelo Camargo/Agência Brasil Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal.

Termina nesta segunda-feira (2) o prazo para quem teve a extensão do auxílio emergencial cancelada contestar o motivo da suspensão do benefício. 

 O interessado deve pedir a revisão da decisão exclusivamente pelo site da Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência). Neste primeiro momento, não é necessário se dirigir a nenhuma agência da Caixa, lotérica ou posto de atendimento do Cadastro Único. 

 A possibilidade de contestação está em vigor desde o último dia 24, para trabalhadores prejudicados pela pandemia da covid-19 que não são beneficiados pelo Bolsa Família – os critérios para as famílias atendidas pelo programa reclamarem a extensão do auxílio emergencial ainda serão divulgados. 

Segundo o Ministério da Cidadania, os requerimentos de extensão do benefício serão acatados sempre que os reclamantes cumpram todos os requisitos para recebimento do auxílio. 

A Medida Provisória que instituiu o pagamento, até 31 de dezembro deste ano, de até quatro parcelas mensais de R$ 300 a título de auxílio emergencial para enfrentamento da situação de emergência pública estabeleceu que a situação dos beneficiários deve ser reavaliada mensalmente.  

Duas cotas 

Cada família poderá receber no máximo duas cotas do benefício. Naquelas em que a mulher for a única responsável, serão pagos dois benefícios mensais (totalizando R$ 600), mesmo que outra pessoa tenha recebido o auxílio emergencial. 

 Não tem direito ao auxílio residual quem está trabalhando com vínculo empregatício formal; recebe algum benefício previdenciário ou assistencial, incluindo o seguro-desemprego – com exceção do Bolsa Família ou cuja renda familiar mensal por pessoa supere meio salário-mínimo (R$ 522,50) ou cuja renda familiar mensal total supere valor equivalente a três salários mínimos (R$ 3.135). 

Também não faz jus ao benefício quem, em 2019, recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559 ou cujos bens, em 31 de dezembro de 2019, superavam R$ 300 mil, entre outras situações previstas na Medida Provisória de 2 de setembro. 

Fonte: Agência Brasil

Economia

Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV

Índice cresceu 1,9 ponto de outubro para novembro deste ano

Economia

Santa Catarina gera mais de 32 mil empregos no melhor outubro da história

Santa Catarina apresenta novamente números expressivos na geração de empregos formais. O Estado teve um saldo positivo de 32.911 vagas em outubro, o melhor desempenho para o mês desde 2004, início da série histórica. Além […]

Economia

Santa Catarina disponibiliza R$ 21 milhões para minimizar os efeitos da estiagem

Os produtores rurais de Santa Catarina contam com programas especiais para o enfrentamento da estiagem. A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural disponibiliza R$ 21 milhões para essas novas linhas […]

Economia

Depois de não ter nenhum interessado, governo do anuncia mudanças na concessão do centreventos de BC

Apesar do resultado, o presidente da Santur, Leandro Mané Ferrari, ressalta que, desde que foi reaberto, em 14 de setembro deste ano, houve uma grande procura pelo edital

Mais notícias