keyboard_backspace

Página Inicial

Brasil

Morte de adolescente em SP não tem relação com vacina, diz Anvisa

O óbito foi atribuído pela pasta a uma doença autoimune chamada púrpura trombótica trombocitopênica (PTT)

X
Marcelo Camargo / Agência Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou nesta segunda-feira (20) que recebeu informações “consistentes e bem documentadas” do Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo que comprovam que não há relação entre a morte de uma adolescente e a vacina contra a Covid-19 recebida por ela. O caso foi usado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na semana passada para atacar os estados que haviam iniciado a imunização deste público. 

Segundo a Secretaria de Saúde de São Paulo, a jovem morreu sete dias após ter recebido uma dose da Pfizer, que está autorizada pela Anvisa para aplicação em adolescentes de 12 a 17 anos. O óbito foi atribuído pela pasta a uma doença autoimune chamada púrpura trombótica trombocitopênica (PTT).

“O relatório de investigação elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo foi recebido pela Agência na noite deste domingo, 19 de setembro, contendo detalhes de todo o processo de avaliação que concluiu não ser possível atribuir diretamente o óbito à vacinação”, informou a Anvisa em nota.

A agência notificará a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as investigações para avaliação quanto a qualquer possível sinal de segurança. Por fim, a Anvisa afirmou manter sua posição acerca dos benefícios das vacinas e de sua importância no combate à pandemia.

“O relatório de investigação elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo foi recebido pela agência na noite deste domingo, 19 de setembro, contendo detalhes de todo o processo de avaliação que concluiu não ser possível atribuir diretamente o óbito à vacinação”, informou a Anvisa em nota.

O caso virou polêmica após a fala do ministro. Além do óbito, Queiroga também falou sobre adolescentes que receberam vacinas não autorizadas e acusou estados e municípios. As manifestações repercutiram de maneira negativa em Santa Catarina.  

Fonte: Rede Catarinense de Notícias

Fonte: Visor Notícias

Brasil

Boneca da Xuxa possuída pelo demônio? 32 anos da ‘fakenews’ que assustou o Brasil

Distante da história, já no século XXI, até a própria Xuxa já brincou com o caso

Brasil

Veja como se inscrever no Cadastro Único para receber o Auxílio Brasil

Na semana passada o governo anunciou que pretende substituir o programa Bolsa Família pelo Auxílio Brasil, que promete pagar até R$ 400 a famílias em situação de pobreza e extrema pobreza. Segundo anúncio do Ministro […]

Brasil

Alerta para temporais, queda de granizo e ventos de até 100km/h em Santa Catarina

No mapa de risco, aparecem quatro Estados Brasileiros: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul

Brasil

Escola de cães-guia pede ajuda a empresários para se manter durante a pandemia

Desde o início da pandemia a Escola de Cães-guia Helen Keller tempassado por sérias crises financeiras, mas esse ano, a situação seagravou muito. “Vivemos somente de doações e com a COVID, muitasempresas que contribuíam para manter a escola pararam de doar, e issotem agravado cada dia mais nossa situação, precisamos urgentemente deapoiadores e empresas que patrocinem a HKeller”, fala Renato de Paula,que recentemente tomou posse como novo diretor de marketing da HKeller. De acordo com a administração a HKeller tem um custo mensal fixo deaproximadamente R$ 45.000,00, sendo ele a folha de pagamento dosfuncionários, despesas com veterinários, remédios e exames, e demaiscustos como água, luz, combustível etc. Para sanar os problemas financeiros a escola pede o apoio de empresas epessoas físicas que queiram colaborar mensalmente. “Vale lembrar queas doações das empresas de lucro real, podem ser deduzidas do impostode renda. Mas o importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, aautonomia e a inclusão?”, ressalta Renato. A Escola de Cães Guias Helen Keller é a única da América Latinamembro da Federação Internacional de Cães Guias, garantindo que oscães HKELLER sejam graduados por meio de técnicas, que observam acomunhão do bem-estar dos cães, com os da equipe e clientes. A HKeller e o Cão Guia no Brasil A Escola de Cães Guias Helen Keller possui um programa genético quejá está na sua quarta geração de cães, com assertividade de 90%.Este resultado elegeu a instituição para desenvolver tecnicamente oProjeto Cão Guia, do Governo Federal, entregando ao longo de 03 anosde seu trabalho, dentro deste projeto, 16 duplas (pessoa cega/cãoguia). O investimento para um cão HKELLER O investimento na formação de um cão HKELLER atinge cifras que giramem torno de 80 mil reais, durante o período de 2 anos, desde areprodução até a formação da dupla cão/cliente. Mas não se tratade custo e sim de qualidade de vida, autoconfiança e autonomia dapessoa cega, afinal, é impossível medir o valor da visão para o serhumano e os depoimentos deles asseguram que tiveram suas vidasimpactadas positivamente, com a companhia dos cães guias que receberamda escola. Atualmente são mais de 2 mil inscritos para receberem um cão-guiagratuitamente.  Para manter seu funcionamento e ampliar a formação deinstrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Kellerdepende do apoio da população. A Escola de Cães Guias Helen Keller conta apenas com o apoio dasociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursosnecessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamentode seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento,tanto dos cegos como de nossos voluntários socializadores; e tãoimportante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. O planejamento da escola é formar 24 cães HKeller por ano, procurandoassim, atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixavisão de forma gratuita. E ainda elaborar e implementar o planopedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores decães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; ea construção do Centro Veterinário HKeller com ampliação daestrutura física e sustentabilidade financeira. Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia Mesmo com a pandemia que está assolando a todos, e com a redução dosapoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no últimoano, aumentou a entrega de cães, a equipe técnica e pretende expandirainda mais sua atuação. “A HKeller cresceu, esse ano iremos entregar12 cães-guias, antigamente eram 4. Aumentamos nosso número deprofissionais, hoje temos 3 treinadores e mais 5 no suporte técnico eadministrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregandocada vez mais autonomia a pessoa cega ou com baixa visão. A pandemianos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elascaíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda asociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de formagratuita”, esclarece o diretor de marketing. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com cegos oubaixa visão Segundo o IBGE, em 2010, existem 14.727 pessoas cegas totais e 174.550pessoas com baixa visão, no estado de Santa Catarina. A Microrregião da Foz do Rio Itajaí́, que segundo dados daAssociação de Deficientes Visuais de Itajaí́ e Região – ADVIR, emseus registros de 2017, existem 613, pessoas cegas ou com baixa visão.Vale ressaltar que, esses dados referem-se apenas às pessoascadastradas na ADVIR, o que não significa a realidade do número depessoas cegas ou baixa visão, uma vez que nem todas as pessoas com estasituação estão inscritas nesta Associação. Saiba mais pelo Instagram da escola @caoguia.org.br e pelo sitewww.caoguia.org.br. Para quem quiser doar para a escola, atualmente são 4 canaisdisponíveis: QR Code, E-mail: ajude@caoguia.org.br e celular 47 997120986, que é o pix da escola.

Brasil

Hang faz piada com Renan Calheiros após ser indiciado na CPI da Covid-19

O empresário catarinense entra no relatório final da CPI e poderá responder por disseminação de notícias falsas sobre a pandemia da Covid-19 e incitação ao crime

Mais notícias

Segurança

Arteris bloqueia trecho da BR-101 em BC nesta quinta e sexta-feira; veja os locais

A Arteris Litoral Sul comunica a restrição temporária no trânsito da Via Gastronômica (Rua Dom Afonso) ao longo desta quinta-feira (28) e sexta-feira (29). O bloqueio ocorre na passagem sob a BR-101 para o lançamento […]

Política

Deputado Coronel Mocellin cobra demandas da segurança pública junto ao governador Carlos Moisés

O deputado Coronel Mocellin esteve, nesta segunda-feira, com o governador Carlos Moisés e com o comandante-geral do CBMSC, coronel Charles Alexandre Vieira, para cobrar pleitos importantes da segurança pública.Entre os quais, agilidade no encaminhamento do […]