keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Funcionário que recusar vacina contra o coronavírus pode ser demitido por justa causa, diz especialista

Num cenário em que o Poder Público imponha medidas restritivas para incentivar a vacinação contra a Covid-19, caso uma empresa adquira doses para proteger a equipe e um funcionário recuse a imunização, a situação pode […]

X

Num cenário em que o Poder Público imponha medidas restritivas para incentivar a vacinação contra a Covid-19, caso uma empresa adquira doses para proteger a equipe e um funcionário recuse a imunização, a situação pode ser considerada ato de insubordinação. Esse é o entendimento do advogado especialista em Direito Empresarial e do Trabalho, Maikon Rafael Matoso, um dos sócios da Matoso e Novaes Advogados Associados, sobre a discussão levantada no meio jurídico após o Supremo Tribunal Federal (STF) permitir que União, Estado ou cidades declarem a obrigatoriedade da imunização por meio de sanções e impedimentos sociais, assim como ocorre com outras doenças.

O advogado especialista em Direito Empresarial e do Trabalho, Maikon Rafael Matoso

Na avaliação do especialista, a recusa de um funcionário pode ser entendida como “ato de indisciplina ou de insubordinação”. O que constitui justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador, conforme previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) – alínea H do artigo nº 482.

“A obrigação é válida caso o empregador forneça a vacinação para todos os funcionários. Em Santa Catarina, mulheres não podem ingressar no ensino superior ou trabalhar em contato com crianças como professoras ou profissionais de saúde, entre outros exemplos, se não forem vacinadas contra Rubéola. Já o certificado internacional de vacinação ou profilaxia, para citar alguns, é um documento que comprova a vacinação contra a febre amarela e é exigido por mais de 120 países para evitar a disseminação da doença. Não vejo a obrigação como forma de descriminação. Se exige para outras doenças, por que não para Covid-19?”, analisa Matoso.

A discussão sobre a obrigatoriedade ou não iniciou em dezembro, após votação dos ministros do STF, que decidiram que o Poder Público pode impor restrições, mas não deve forçar os brasileiros a se vacinarem contra vontade. “As pessoas têm, sim, a liberdade para escolher não tomar a vacina contra a Covid-19, contanto que isso não coloque em risco a sociedade ou, nesse caso, os colegas de trabalho e que estejam dispostas a conviver com as consequências dessa recusa. No caso das empresas, os empregadores possuem a responsabilidade de fornecer um ambiente salubre de trabalho e podem ser cobrados social e juridicamente por isso”, explica.

Apesar do debate, Matoso reforça que muita coisa ainda pode mudar. “Ainda vivemos muitas incertezas quanto à pandemia. Desde a logística e capacidade de operação da vacinação até a questão da obrigatoriedade. Por enquanto, o debate está no campo das ideias. Além disso, o Tribunal Superior do Trabalho pode ter entendimentos diferentes, para ambas as partes, em discussões futuras sobre vacinação de trabalhadores”, completa.

Orientações para o momento – Matoso orienta os empregadores a manterem o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), como máscaras de proteção e álcool em gel, e o trabalho remoto para pessoas que integram os grupos de risco. Outra recomendação é instruir a equipe sobre a importância da vacinação, sem violar a liberdade individual de cada um.

“Já constatamos decisões na Justiça do Trabalho que condenaram empresas por não terem fornecido os materiais de proteção, o que resultou em contaminação no horário de trabalho. Ao mesmo passo, muitos funcionários não conseguiram comprovar o nexo causal entre estar doente e os procedimentos adotados pela empresa, o que não resultou em condenação. O mais importante no momento é ter um bom sistema de compliance e a gestão de riscos dentro das empresas que organize boas práticas de segurança e higiene”, finaliza o especialista.

Fonte: Visor Notícias

Cidades

Família carente de Itajaí pede ajuda para manter as despesas em casa

No momento, a conta de luz está atrasada e a família está precisando de produtos de higiene, alimentos, leite, roupas para as crianças e fraldas tamanho GG e P. São três meninos de 2,4 e 6 anos

Cidades

Rio Iriri é monitorado para evitar alagamentos em Penha

As ações são voltadas para evitar transtornos para a população, facilitar o escoamento das águas proporcionando mais vida ao rio

Cidades

Itajaí registra aumento nos casos de dengue

Cidade chegou a nove pacientes positivos neste mês

Cidades

Porto Belo realiza mutirão de ultrassonografias

Mais de 50 pacientes participaram deste mutirão, que teve como objetivo diminuir a fila de espera para estes tipos de exames

Cidades

Sobem os preços da Cesta Básica em Itajaí

Procon sugere aos consumidores pesquisar os preços antes da compra dos produtos essenciais

Mais notícias

Geral

VÍDEO: Cobra caninana de quase 2 metros é encontrada em quintal de residência em SC

Cobra tenta subir pela parede para fugir, mas é capturada por biólogo

Coronavírus

Roda gigante de BC não funcionará no fim de semana

As atividades retornam na segunda-feira, dia 08 de março, das 9h às 21h.