keyboard_backspace

Página Inicial

Cultura e Lazer

Festival de Guloseimas movimenta lojas do Fort Atacadista em SC

Chocolates, biscoitos, balas e muitos outros itens estão com preços especiais por tempo limitado nas lojas da rede

X
Agência Brasil

Para aliviar o estresse, aumentar a energia e dar uma breve pausa na rotina, que tal saborear um docinho? O Fort Atacadista dá início ao Festival de Guloseimas nesta segunda-feira, 3 de agosto. São diversos itens com preços ainda mais especiais em todas as unidades do atacarejo em Santa Catarina. As promoções são válidas até dia 16 de agosto. Os consumidores também podem aproveitar os benefícios do Vuon Card, cartão exclusivo da rede, que oferta descontos especiais em muitos itens.

Fazem parte do Festival de Guloseimas uma grande variedade de chocolates, marshmallows, biscoitos, suspiros, gominhas, paçocas, bolachas, confetes, balas de gelatina, pirulitos e chicletes; um vasto mix de produtos para agradar o paladar e proporcionar momentos de descontração e diversão durante o distanciamento social. “Além dos produtos prontos, muitos ingredientes para criar as suas receitas, seja em casa ou no comércio, também estão com descontos especiais. Ideal para usar a criatividade e promover atividades recreativas, fazendo as crianças colocarem a mão na massa para preparar receitas”, destaca o gerente regional de marketing do Fort Atacadista, Leandro Hommerding.

As ofertas no setor de guloseimas também fomentam a economia. Empreendedores na área alimentícia podem abastecer os estoques por um preço acessível e impulsionar as vendas. “Com produtos de qualidade a baixo custo contribuímos com inúmeros comerciantes e transformadores, como as padarias, restaurantes, cafés, confeitarias e mercados, tão importantes para a retomada da economia no estado”, completa Leandro.

Para saber onde fica a loja mais próxima do Fort Atacadista em Santa Catarina, onde a rede possui 28 unidades, confira os endereços no site: https://www.fortatacadista.com.br/nossas-lojas/

Medidas preventivas

O Fort Atacadista reitera que desde o início da pandemia vem tomando todos os cuidados necessários, em medidas de higiene e segurança, para prevenir a proliferação do novo coronavírus. Carrinhos, cestas, assentos, máquinas de cartão, telas, balcões de atendimento e todos os pontos de contato são constantemente desinfetados. Na entrada das lojas, álcool em gel para higienização das mãos e aferição de temperatura de clientes e colaboradores, seguindo à risca todas as determinações dos decretos municipais e estadual. É obrigatório o uso de máscara de tecido no interior das lojas, sendo que os operadores de caixa também utilizam Face Shield (protetor acrílico facial) para reforçar a proteção. Demarcação do distanciamento mínimo entre clientes em pontos de maior aglomeração, como nas filas dos caixas, bem como a redução na capacidade de atendimento no interior das lojas.

Cultura e Lazer

Atriz filma jararaca no teto invadindo quarto do hotel; veja o vídeo

Monique Alfradique que está no Ceará a trabalho, teve o quarto de hotel invadido por uma serpente

Cultura e Lazer

Vídeo emocionante mostra Zezé di Camargo cantando no velório do pai

O seu Franciso José de Camargo, pai da dupla Zezé di Camargo e Luciano, morreu no fim da tarde da última segunda-feira (23), aos 83 anos

Cultura e Lazer

Vai começar o 11º Balneário Saboroso

Valorização da gastronomia regional com pratos exclusivos até 20 de dezembro

Cultura e Lazer

Black Friday do Parque Unipraias terá menor preço do ano

Tarifas promocionais estarão disponíveis somente pela Loja Virtual do parque

Cultura e Lazer

Conheça o cantor Matheus Cuelba, jovem autista que viralizou nas redes sociais

Além de tomografias e outros exames, os médicos também constaram, na época, sintomas de depressão. Junto ao resultado clínico, ele iniciou o tratamento com especialistas e as aulas de violão. “Quando saí da escola que estive por nove anos da minha vida, mudei minha terapia convencional para a terapia ABA. Muitos tópicos que trabalhei no tratamento são os pilares da carreira musical que estou desenvolvendo, como não querer fazer tudo sozinho, ouvir instruções de profissionais e não criar expectativas muito altas. Acredito que o emocional e o profissional são pontos que devem estar em equilíbrio”, diz Matheus. Os desafios do convívio social Ao assistir a desenvoltura do jovem músico nos vídeos publicados nas redes sociais, não se imagina os desafios que existiam no início do tratamento. De acordo com a mãe de Matheus, Cláudia Cuelbas, as sessões de terapia e as aulas de música auxiliaram no enfrentamento dos medos, que, hoje, permitem que ela comemore pequenos momentos em família. “Quando ele começou a terapia, foi muito difícil, pois ele não queria de forma alguma, ficava emburrado e nervoso. Quem vê o Matheus agora nem acredita. A intervenção em ABA foi o que aconteceu de melhor na nossa vida porque os terapeutas são ótimos e têm muita paciência”. Cláudia lembra que as aulas de violão, realizadas em uma escola perto de casa, eram a forma encontrada pelo jovem de expressar seus sentimentos. No quesito profissional, o professor Fabiano aponta a timidez e a falta de confiança como as principais barreiras nas primeiras aulas. Com o tempo, as conversas entre professor e aluno foram além do âmbito musical, possibilitando o crescimento e os resultados, como o vídeo viralizado. Os sintomas no começo do tratamento foram os mesmos constatados pela psicóloga e analista comportamental do Grupo Conduzir, Larissa Aguirre. “Matheus chegou até nós por indicação de sua fonoaudióloga, que conhecia sobre a terapia ABA e sua eficácia. No início da terapia, as principais dificuldades eram de relacionamento social, de lidar com um grande sofrimento emocional e de realizar tarefas do dia a dia com independência”. Modelo de tratamento - ABA Há três anos, o tratamento do Matheus segue o modelo da Análise Comportamental Aplicada, conhecido pela sigla ABA - Applied Behavior Analysis. Trata-se de uma ciência usada para a compreensão do comportamento que vem sendo amplamente utilizada no atendimento a pessoas com desenvolvimento atípico, como o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). A ABA deriva do behaviorismo, que tem como finalidade o estudo do comportamento por meio científico. De acordo com a terapeuta, as principais funções e atividades desenvolvidas pelo músico ao longo dos anos envolvem habilidades de controle financeiro, repertório de autocuidado e autonomia, tolerância em aceitar opiniões divergentes, empatia, aquisição de repertório para conversar sobre temas variados (capacidade antes exclusiva no campo da música), identificação das situações e suas consequências, autoestima, autoconfiança e atenção compartilhada. A psicóloga que acompanha o caso de Matheus comemora: “Foi incrível ver o reconhecimento das habilidades do Matheus. É emocionante acompanhá-lo conseguindo generalizar e utilizar as habilidades aprendidas em contexto natural de maneira adequada. Nós sempre acreditamos no desenvolvimento dele, até mesmo quando para ele era difícil acreditar. E vê-lo recebendo esse carinho e reconhecimento das pessoas é muito emocionante.” Para Matheus, a rede de apoio formada por familiares, amigos e os professores de música é o que o ajuda a realizar os sonhos e insistir em projetos profissionais. “Acho que eles foram as lanternas que iluminaram minha mente escura para novos horizontes e também aqueles que tiraram um momento da aula para ouvir meus lamentos pessoais. Tive sorte de ter uma família fantástica e de ter achado as pessoas certas para construir uma amizade verdadeira”. Autismo de Alto Funcionamento O Transtorno do Espectro Autista (TEA), conhecido como autismo, engloba diferentes condições e graus de dificuldade no desenvolvimento neurológico. De acordo com os dados do Center of Deseases Control and Prevention, CDC, o autismo afeta 1 a cada 54 pessoas no mundo. Assim, a estimativa é que no Brasil existam cerca de 2 milhões de autistas. Os graus de autismo são classificados do mais leve ao mais severo. O diagnóstico proferido ao Matheus em 2014 determinou uma disfunção de Nível 1, a Síndrome de Asperger, também chamada de “autismo de alto funcionamento”, caracterizada pelo atraso na comunicação e na interação social, além do interesse restrito por temas do cotidiano, como a obsessão pela música, que o impedia de conversar e conhecer outros assuntos. “Para dar um exemplo, seria o caso da criança que apresentou pouco ou nenhum atraso da fala em si, mas que possui dificuldade em comunicar seus sentimentos, emoções e fazer ou manter relacionamentos de amizade com seus pares”, exemplifica a mestre e doutoranda em Análise de Comportamento, coordenadora do Instituto de Pesquisa Conduzir, Renata Michel. A especialista ainda explica que, se um indivíduo tem déficits e/ou excessos comportamentais típicos do diagnóstico, a abordagem em ABA, aplicada por um profissional capacitado, pode reverter o quadro por meio de tratamentos corretos que irão aumentar ou diminuir os sintomas, a depender do objetivo, para que sejam apresentados comportamentos mais próximos aos esperados para pessoas da mesma faixa etária. Apesar de ainda ser tema de estudos neurológicos, já é possível afirmar que o funcionamento do cérebro dos autistas é diferente e, por isso, tem uma compreensão distinta de atividades, o que poderia explicar melhores habilidades de foco e memória visual, entre outras características: “Não podemos afirmar que os autistas de alto funcionamento são mais propícios ao desenvolvimento de habilidades focadas, mas sim que o autista de alto funcionamento que possui QI (Quociente de Inteligência) normal ou acima da média pode desenvolver habilidades muito significativas. Apenas 1% da população total de indivíduos com TEA possui o chamado “savantismo”, que considera o desenvolvimento de habilidades extraordinárias”, explica a especialista Renata Michel.

Mais notícias