keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Cacique, esposa e dois filhos sequestrados em SC são liberados no Paraná

Cacique da TI (Terra Indígena) Toldo Pinhal no interior de Seara, no Oeste catarinense, foi libertado pelos sequestradores

X
Foto: Thiago Gomes/Agência Pará

O cacique da TI (Terra Indígena) Toldo Pinhal no interior de Seara, no Oeste catarinense, foi libertado pelos sequestradores na tarde de sábado (28). Moacir Cavalheiro, de 35 anos, a esposa e os dois filhos do casal foram feitos reféns por índios armados no começo da manhã. As vítimas foram levadas separadas por quatro homens e três mulheres em dois carros. A Coordenadoria Regional da Funai (Fundação Nacional do Índio) foi informada sobre o caso e acionou imediatamente as polícias Militar e Federal, além das equipes de patrulhamento rodoviário da região.

A coordenadora regional da Funai, Azelene Inácio Kaingang, contou ao ND+ que em um dos carros estava a esposa do cacique, de 30 anos, e os dois filhos: uma menina de 11 meses e um menino de 10 anos. O líder da aldeia estava em outro veículo, um Pálio escuro.

“Na fuga, quando estavam passando por Chapecó, o menino começou a vomitar e eles se incomodaram. Então pararam em uma padaria no bairro Passo dos Fortes e um deles desembarcou para comprar água. A mãe das crianças viu dois policiais saindo do local e gritou por socorro. Eles cercaram o carro, prenderam os envolvidos e resgataram as vítimas, perto das 9h de sábado”, detalhou Azelene Inácio, que acompanhou a condução deles para a sede da PF.

A mãe sofreu alguns ferimentos, pois também entrou em luta corporal com os sequestradores ainda na aldeia. Já os filhos não se machucaram.

Cacique refém

Durante a fuga com o cacique, a Funai recebeu informações de que os sequestradores estavam a caminho do estado do Paraná. Na rota, o grupo passou por várias terras indígenas.

Azelene disse que Moacir Cavalheiro foi abandonado amarrado na Terra Indígena Mangueirinha, no Paraná, que pertence à etnia Kaingang. Os sequestradores fugiram e o cacique foi acolhido pelos índios da aldeia. Moacir foi amarrado pelos pés e mãos, além disso, tinha ferimentos e hematomas em várias partes do corpo. “Ele disse que teve muito medo de que matassem ele e estava preocupado, pois não sabia que os filhos dele já tinham sidos resgatados”, comentou Azelene

Investigação

O delegado da PF Misael Flavio Mazzetti Pires afirmou que o cacique deve prestar depoimento nesta segunda-feira (30). No entanto, não detalhou a investigação sobre o caso. Azelene Inácio repudiou a atitude e as agressões. “Não há cultura que se sobreponha sobre qualquer violência”, enfatizou.

Alguns dos envolvidos no sequestro já foram presos. A Funai afirma que familiares das vítimas e lideranças indígenas estariam envolvidos no crime. “Estamos muito chocados e indignados com isso, esperamos que sejam punidos com os rigores da lei”, comentou. A Funai vai enviar um relatório sobre o caso à PF.  A motivação do sequestro ainda é objeto de investigação, mas testemunhas afirmam que o grupo não é de acordo com a gestão de Moacir

Fonte: ND+

Segurança

Câmeras de monitoramento flagram furto de loja em Brusque

Todos foram presos em flagrante pelo crime de furto.

Segurança

Vídeo mostra passageiros se divertindo pouco antes de acidente com ônibus

O vídeo mostra o clima de alegria e descontração dentro do veículo

Segurança

Vídeo: Jovem que morreu em acidente de ônibus pediu para motorista dirigir devagar

No vídeo, o jovem filma a viagem e pede “o motora, vai devagar”. Dois motoristas se revezavam durante a viagem

Mais notícias