keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Aumenta número de casos de febre de chikungunya em Santa Catarina

O número de focos do mosquito Aedes aegypti vem crescendo em Santa Catarina. Em apenas 15 dias, 121 novos focos foram identificados no estado, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira, 15, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SES), em comparação com o boletim anterior.

No total, 8.147 focos foram identificados em 137 municípios neste ano, o que significa um volume 25% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. “Desses, 60 municípios são considerados infestados, o que aumenta o risco de transmissão, tanto nesses quanto nos demais, em função do trânsito de pessoas e da dispersão do mosquito transmissor”, alerta João Fuck, coordenador do Programa de Controle da Dengue em Santa Catarina.

Das três doenças transmitidas pelo mosquito – dengue, febre do zika vírus e febre de chikungunya – essa última é a que vem apresentando o maior número de casos. De 1 de janeiro a 29 de julho, conforme o boletim epidemiológico, 27 casos de febre de chikungunya foram confirmados, sendo 25 importados, com local de infecção nos estados da Bahia, Ceará, Espirito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará e Roraima. Outros dois casos confirmados estão em investigação de local provável de infecção. Trinta e um casos permanecem como suspeitos, aguardando resultado laboratorial.

Em relação às demais doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, foram confirmados dez casos de dengue, sendo seis importados, um autóctone, um indeterminado e dois em investigação de local provável de infecção; e um caso de febre de zika vírus, importado. Na comparação com o boletim epidemiológico anterior, foram três novos casos de febre de chikungunya e um de dengue.

Febre de chikungunya

Os primeiros casos de febre de chikungunya foram detectados no Brasil em 2014. Desde então, até a Semana Epidemiológica (SE) 19 (01/01/2017 – 13/05/2017), foram confirmados 28.225 casos da doença, com maior concentração na região Nordeste do país. Entre os estados, destacam-se Ceará, Roraima e Tocantins.

Nesse mesmo período, foram confirmados, laboratorialmente, 13 óbitos por febre de chikungunya, ocorridos nos estados do Pará, Ceará, Tocantins, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e em São Paulo. Em Santa Catarina, o primeiro caso autóctone da doença foi registrado no ano de 2015, no município de Itajaí.  

A febre de chikungunya pode se apresentar sob a forma aguda (com sintomas abruptos de febre alta, dor articular intensa, dor de cabeça e dor muscular, podendo ocorrer erupções cutâneas) e evoluir a uma doença crônica, caracterizada pela persistência dos sintomas, principalmente dor articular, musculoesquelética e neuropática, sendo essa última muito frequente nessa fase. A prevalência da fase crônica é bastante variável, podendo atingir mais da metade dos pacientes.

Pessoas com febre de início súbito, maior que 38,5°C, e artralgia ou artrite intensa de início agudo, não explicado por outras condições, devem tomar muita água, não se automedicar e procurar uma Unidade de Saúde.

 

Geral

Crianças acham que os pais estão dormindo e ficam três dias em casa, com eles mortos na cama

Caso só foi descoberto porque o casal faltou a uma reunião de família

Geral

Centro de Eventos de BC, governador confirma concessão do empreendimento

Até o momento, foram investidos aproximadamente R$ 139 milhões na construção do espaço

Geral

Área recuperada pelo Estado após atuação da PGE vira farmácia no Hospital Infantil

Mudança para o novo espaço facilitou a distribuição e abastecimentos de insumos

Geral

MPSC condena integrantes de facção criminosa por homicídio e ocultação de cadáver

Homicídio triplamente qualificado foi praticado contra integrante de uma facção rival

Mais notícias