keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

RS: Padrasto e mãe de menino de 3 anos espancado até a morte por urinar no colchão são indiciados

Menino nunca queria permanecer na companhia do padrasto; Nessas ocasiões, se urinava, tremia muito e não se alimentava

O Delegado de Polícia, Dinarte Marshall Junior remeteu ao judiciário na quinta-feira (10), os autos do inquérito policial instaurado para apurar as circunstâncias em que ocorreu a morte de um menino com 3 anos de idade por espancamento, no dia 3 de fevereiro, em Taquari (RS).

Naquele dia, o padrasto do menino foi preso e confessou o crime, e segundo a investigação relatou,  teria o “agredido no rosto com tapas, em seguida jogado o menino ao solo e ato contínuo lhe aplicado um chute, tudo isso em razão de choro excessivo e pelo fato do menino estar em processo de desfralde e não ter conseguido regular as necessidades fisiológicas urinando em um colchão da família”.

Após a prisão em flagrante o autor teve a prisão preventiva decretada pelo juiz da comarca de Taquari e foi encaminhado para a penitenciaria de Sapucaia. Os elementos de prova carreados no curso do Inquérito Policial revelaram que a criança era castigada fisicamente pelo padrasto com frequência quando apresentava comportamento anormal. Havia na casa uma “vara” usada pelo algoz para castigá-lo e que ficava exposta para impor temor ao menor.

A mãe também relatou que estava investigando a possibilidade de que a criança fosse portadora do Transtorno do Espectro Autista e que em virtude dessa condição o menino chorava muito, vomitava, era impertinente, não comia. Segundo ela, ele apresentava comportamentos repetitivos, hiperatividade, seletividade alimentar, incontinência das necessidades fisiológicas entre outros comportamentos atípicos.

Asseverou a mãe que tal condição era do conhecimento do padrasto que contestava a previsão desse diagnóstico estimado pela mãe e que seria objeto de investigação médica. De acordo com as informações colhidas na oitiva, o padrasto não concordava com a mãe e dizia que era “birra” e malcriação do menino e por isso o castigava. A vítima ainda não falava, mas se comunicava e nunca queria permanecer na companhia exclusiva do padrasto, o que era do conhecimento da mãe. Nessas ocasiões, se urinava, tremia muito e não se alimentava.

As lesões encontradas no corpo do menino e que são anteriores àquelas causadas pelo agressor no dia do fato, são a comprovação de que a mãe compactuava com os castigos físicos imoderados aplicados pelo padrasto, ou quiçá, por ela mesma. Sendo assim, na condição de garantidora da segurança do filho, a mãe poderia e deveria agir, deveria ter afastado o agressor do convívio com o filho, e jamais relegando os cuidados do pequeno ao seu algoz.

Por tais razões, a conclusão do Inquérito foi de que a mãe, na condição de obrigatoriedade de ser a garantidora da segurança do filho, responderá pelo mesmo crime cometido pelo padrasto, homicídio doloso qualificado pelo motivo fútil e qualificado pelo recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Nesse caso a mãe cometeu, na linguagem jurídica, um crime “comissivo por omissão”.

DEFESA DA MÃE

A advogada de defesa da mãe da criança, Juliana de Paula, encaminhou nota oficial com posicionamento. “Recebo o indiciamento da minha cliente, por homicídio, com surpresa. No que pertine aos próximos passos processuais, na ocasião oportuna iremos nos manifestar. A mãe está enlutada e não possui condições de falar nesse momento. Peço respeito e tolerância com sua dor, eis que as mãos que seifaram a vida de seu filho, não foram as suas!”

Fonte: Agora no Vale/Grupo APNI RS

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Segurança

Empresário de Jurerê suspeito de dopar e estuprar mulher tem prisão mantida pela Justiça

Audiência de custódia ocorreu na tarde desta sexta-feira. Estupro aconteceu em 2019, segundo MPSC.

Segurança

Homem é preso por descumprir medida protetiva contra a ex-mulher em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado

Segurança

Operação conjunta apreende 400 mil maços de cigarros contrabandeados em Chapecó

Veículo, a mercadoria e o condutor foram entregues na Polícia Federal

Segurança

Operação desmantela quadrilha de traficantes que abastecia o Oeste de SC

Foi constatada a existência de um grupo formado por pelo menos seis pessoas associadas para a traficância de drogas ilícitas entre Maravilha e Chapecó

Segurança

Trânsito de Balneário Camboriú sofrerá alterações devido à Marcha para Jesus

Agentes de trânsito estarão no local, monitorando o fluxo de veículos durante a intervenção

Mais notícias

Cidades

Termina greve dos servidores de Florianópolis, após mais de uma semana

Trabalhadores voltam aos postos imediatamente. Greve começou em 15 de junho.

Segurança

Empresário de Jurerê suspeito de dopar e estuprar mulher tem prisão mantida pela Justiça

Audiência de custódia ocorreu na tarde desta sexta-feira. Estupro aconteceu em 2019, segundo MPSC.