keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Liminar proíbe venda de unidades e publicidade de empreendimento sem registro imobiliário em Porto Belo

Caso a empresa mantenha a publicidade do empreendimento enquanto ele estiver em situação irregular, estarão sujeitos à multa de R$ 50 mil por dia de descumprimento da decisão judicial.

X
Divulgação/CNJ/Visor Notícias

Atendendo ao pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a justiça determinou que a incorporadora Darcy Luiz & Cia de Porto Belo não faça venda e publicidade relacionadas aos imóveis do empreendimento Porto Bello Home Club até comprovar que o condomínio teve aprovação regular do Município e a incorporação foi devidamente registrada no Cartório de Registro de Imóveis.

Segundo a 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Porto Belo, a negociação e promoção das vendas desses imóveis irregulares implica em crime contra a economia popular e as relações de consumo. Caso a empresa e os sócios Darcy Luiz Leal, Darci Zilmar Leal e Elcio Fernando Leal mantenham a publicidade do empreendimento enquanto ele estiver em situação irregular, estarão sujeitos à multa de R$ 50 mil por dia de descumprimento da decisão judicial. A mesma multa será aplicada no caso da venda de qualquer unidade.

A liminar também obriga o CRECI/SC a informar todas as imobiliárias e corretores da região sobre a proibição da venda das unidades e que a incorporadora instale, no prazo de 15 dias, uma placa no local informando que não há registro de incorporação imobiliária, sob pena de multa de R$ 10 mil reais por dia, em caso de descumprimento.

A decisão judicial determina, também, a retirada de todos os anúncios e publicações sobre a venda de unidades do empreendimento, sob pena de multa diária de R$ 10 mil reais. A empresa recebeu o prazo de 180 dias para regularizar o registro de incorporação no cartório de Registro Civil e de Imóveis, e também para obter a liberação do habite-se da obra junto ao Município, sob pena de multa de R$ 50 mil reais por dia, em caso de descumprimento.

A ação foi ajuizada pela 1º Promotoria de Justiça da Comarca de Porto Belo, que sustentou a afronta dos sócios às normas previstas na Lei 4.591/64, que obriga o registro de imóvel, ao Código de Defesa do Consumidor, e a outros dispositivos legais.

A promotoria considerou que a conduta dos sócios ofendeu os direitos individuais homogêneos e direitos difusos. Os anúncios e publicações tinham o objetivo de comercializar as unidades sem informar o número do registro de incorporação, o que configura publicidade enganosa contra o consumidor, por não oferecer informações claras e adequadas. A essa decisão, cabe recurso.

Fonte: Visor Notícias

Geral

Investimentos melhoram abastecimento no bairro São Miguel em Penha

A concessionária Águas de Penha investiu em um projeto de melhorias no abastecimento do bairro São Miguel. Arthur May, coordenador operacional da concessionária, explica que o projeto envolveu um conjunto de ações, sendo que uma […]

Geral

Atriz Tatá Werneck é criticada nas redes sociais por usar três máscaras no velório de Paulo Gustavo

Internautas acharam um “exagero” por parte da artista ir no local com “tanta proteção”

Geral

Município do Sul de SC está em alerta para foco de raiva bovina

A raiva não tem cura e pode matar animais e seres humanos, portanto a vacinação é muito importante para prevenir e proteger os animais.

Geral

Emasa encontra machado no esgoto durante limpeza de tubulação em BC

A manutenção da rede coletora é um trabalho rotineiro, necessário para a prevenção e saúde do sistema de esgotamento sanitário do município

Mais notícias

Segurança

Autor de chacina em Saudades recebe alta da UTI

Informação foi confirmada pela assessoria do Hospital Regional de Chapecó

Segurança

Quatro pessoas da mesma família morrem em incêndio em SC

Quatro pessoas da mesma família morreram carbonizadas em um incêndio na manhã deste sábado (08) na cidade de São Domingos, no Oeste catarinense. A casa da família ficou destruída. Morreram no local um homem de […]