keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Viúva condenada por morte de ganhador da Mega-Sena perde herança

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) decidiu que Adriana Ferreira Almeida, condenada como mandante do assassinato de seu ex-marido, não tem direito à herança deixada por ele. O crime aconteceu […]

Divulgação

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) decidiu que Adriana Ferreira Almeida, condenada como mandante do assassinato de seu ex-marido, não tem direito à herança deixada por ele. O crime aconteceu em 2007, dois anos depois de o ex-lavrador Renê Senna ter ganhado na Mega-Sena.

A vítima, que havia amputado as duas pernas em consequência do diabetes, acertou sozinha as seis dezenas do sorteio em 2005 e recebeu o prêmio de R$ 52 milhões em valores da época. Renê foi assassinado com quatro tiros quando conversava com amigos na porta de um bar em Rio Bonito, cidade em que nasceu e decidiu permanecer, no interior do Rio de Janeiro.

Segundo as investigações, a mentora do crime e a vítima haviam começado a se aproximar em uma festa de Natal realizada em uma casa comprada com o prêmio no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste da capital. Os dois começaram a namorar e se casaram nos meses seguintes.

O juiz titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Rio Bonito, Pedro Amorim Gotlib Pilderwasser, acolheu o pedido da filha de Renê, Renata Senna, para que a viúva fosse excluída da herança. De acordo com a sentença do magistrado, “o direito sucessório se fundamenta na relação de solidariedade e nos vínculos de sangue e de afeto existentes entre o autor da herança e seus sucessores, razão pela qual, por absoluta incompatibilidade com o primado da Justiça e com o princípio da solidariedade, paradigmas ínsitos à ordem constitucional, a lei impede que aquele que atenta contra a vida do titular da herança venha a beneficiar-se com o recebimento do acervo hereditário”.

A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro apontaram que Adriana foi a mandante do crime, e dois ex-seguranças foram os autores. Adriana foi condenada a 20 anos de reclusão e teve sua prisão determinada em 2018. Os dois ex-seguranças já haviam sido condenados a 18 anos de prisão em 2009.

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Segurança

Polícia Civil faz operação contra tráfico de drogas em Porto Belo

Investigações tiveram início em 2020 após Guarda Municipal apreender R$ 8 mil em posse de dois suspeitos

Segurança

Jovem de 24 anos morre após sair da pista e bater em árvore na BR-282

O acidente ocorreu na BR-282, próximo a Nova Erechim, no Oeste de Santa Catarina, por volta das 22h

Segurança

Assassino mata mulher e dirige até Santa Catarina oferecendo carona com o corpo no carro

Ele disse que a vítima era sua esposa e estava dormindo sob efeito de medicamentos, a fim de não levantar suspeitas

Segurança

Acidente com caminhão bloqueia a BR-101 em Palhoça

A faixas da direita e esquerda no sentido Porto Alegre ficaram interditadas

Mais notícias

Geral

Ventos da tempestade Yakecan fazem atividades serem interrompidas nas torres gêmeas de BC

Yachthouse também possui um sistema de contraventamento Outrigger, que foi instalado nos pavimentos 30 e 53 das duas torres