keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Vigilância alerta sobre os riscos da Leishmaniose

Um caso de leishmaniose canina foi apontado recentemente por uma clínica veterinária de Navegantes. Diante da informação, a Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária alertam a população e as clínicas veterinárias para que tenham atenção e […]

Um caso de leishmaniose canina foi apontado recentemente por uma clínica veterinária de Navegantes. Diante da informação, a Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária alertam a população e as clínicas veterinárias para que tenham atenção e cuidados redobrados, afinal o protozoário da leishmaniose pode ser transmitido aos cães e humanos.

A leishmaniose visceral canina é uma enfermidade causada por um protozoário transmitido por meio de picada da fêmea do mosquito-palha infectado – Lutzomyia longipalpis. A espécie também ataca humanos e a doença pode levar à morte em 90% dos casos, quando não há tratamento.

De acordo com a veterinária da Vigilância Sanitária, Danyelle Pantaleão Martins, essa zoonose está entre as seis mais relevantes enfermidades infecto-parasitárias do mundo, sendo a segunda protozoose mais importante da atualidade, perdendo apenas para a malária. “No momento, não temos mais casos suspeitos, mas precisamos sensibilizar a rede de saúde para que os profissionais saibam identificar e tratar de maneira adequada. Ao suspeitar de um cão com leishmaniose o médico veterinário deve notificar oficialmente a Vigilância Epidemiológica do município,” destacou a veterinária.

Sintomas

Os principais sintomas provocados pela doença em cães são: perda de peso, queda de pelos, lesão nos olhos, crescimento e deformação das unhas, além de paralisia das pernas e desnutrição.

Já em humanos estão febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso e fraqueza.

Orientação

Os médicos veterinários que suspeitarem de leishmaniose visceral canina deverão realizar a coleta de 5 ml de sangue, em tubete sem anticoagulante e procurar a Vigilância Epidemiológica, encaminhando a amostra. A análise desta amostra será realizada no LACEN/SC, sem nenhum custo ao proprietário ou médico veterinário.

Tratamento

Conforme o CRMV – Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina – recentemente foi aprovado no MAPA um medicamento à base de miltefosina para o tratamento de cães. No entanto, não há cura parasitária, apenas cura clínica e haverá necessidade de acompanhamento veterinário para o resto da vida do animal porque o tratamento não impede que o cão seja fonte de infecção para flebótomos livres do protozoário. Desse modo, a possibilidade de eutanásia deve ser considerada e ainda é recomendação do Ministério da Saúde.

Cidades

Porto Belo decide proibir festa em escuna, no Caixa D’aço, que era anunciada nas redes sociais

A prefeitura de Porto Belo anunciou que proibiu a Seaparty 2ª Edição, que estava prevista para o próximo dia 23, em uma escuna na praia do Caixa D’aço. Os ingressos estavam sendo vendidos a R$ […]

Cidades

Polícia Civil desvenda homicídio em São José

Após investigações, a Polícia Civil desvendou o crime de homicídio praticado na direção de veículo automotor ocorrido na noite do dia 13/12/2020, em São José, na Grande Florianópolis. A ação é da Divisão de Investigação […]

Cidades

Apresentador Ratinho passa final de semana em Itapema, visita a prefeitura e compra sapatos em São João Batista

O empresário e apresentador de televisão Carlos Massa, o Ratinho, passa o final de semana em sua casa em Itapema. Ele é mais uma das celebridades que escolheu Itapema e o litoral de Norte de […]

Cidades

Caminhão tomba na BR-101 e deixa criança em estado grave

Menino foi encaminhado ao Pronto Atendimento de Garuva

Cidades

Vídeo: Jacaré ataca cachorro e acaba morto por moradores no litoral catarinense

Um Jacaré foi morto por moradores da Localidade de Barra do Saí, em Itapoá, depois que ele atacou o cachorro de uma moradora. Com mais de dois metros de comprimento o animal largou o cão, […]

Mais notícias