keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Vigilância alerta sobre os riscos da Leishmaniose

Um caso de leishmaniose canina foi apontado recentemente por uma clínica veterinária de Navegantes. Diante da informação, a Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária alertam a população e as clínicas veterinárias para que tenham atenção e cuidados redobrados, afinal o protozoário da leishmaniose pode ser transmitido aos cães e humanos.

A leishmaniose visceral canina é uma enfermidade causada por um protozoário transmitido por meio de picada da fêmea do mosquito-palha infectado – Lutzomyia longipalpis. A espécie também ataca humanos e a doença pode levar à morte em 90% dos casos, quando não há tratamento.

De acordo com a veterinária da Vigilância Sanitária, Danyelle Pantaleão Martins, essa zoonose está entre as seis mais relevantes enfermidades infecto-parasitárias do mundo, sendo a segunda protozoose mais importante da atualidade, perdendo apenas para a malária. “No momento, não temos mais casos suspeitos, mas precisamos sensibilizar a rede de saúde para que os profissionais saibam identificar e tratar de maneira adequada. Ao suspeitar de um cão com leishmaniose o médico veterinário deve notificar oficialmente a Vigilância Epidemiológica do município,” destacou a veterinária.

Sintomas

Os principais sintomas provocados pela doença em cães são: perda de peso, queda de pelos, lesão nos olhos, crescimento e deformação das unhas, além de paralisia das pernas e desnutrição.

Já em humanos estão febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso e fraqueza.

Orientação

Os médicos veterinários que suspeitarem de leishmaniose visceral canina deverão realizar a coleta de 5 ml de sangue, em tubete sem anticoagulante e procurar a Vigilância Epidemiológica, encaminhando a amostra. A análise desta amostra será realizada no LACEN/SC, sem nenhum custo ao proprietário ou médico veterinário.

Tratamento

Conforme o CRMV – Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina – recentemente foi aprovado no MAPA um medicamento à base de miltefosina para o tratamento de cães. No entanto, não há cura parasitária, apenas cura clínica e haverá necessidade de acompanhamento veterinário para o resto da vida do animal porque o tratamento não impede que o cão seja fonte de infecção para flebótomos livres do protozoário. Desse modo, a possibilidade de eutanásia deve ser considerada e ainda é recomendação do Ministério da Saúde.

Cidades

Vaquinha arrecada dinheiro para criança atropelada por moto em Camboriú

A família pede ajuda financeira e de materiais para o uso da menina

Cidades

VÍDEO: Caminhão carregado de cerveja perde o freio e tomba na descida do morro de Bombas

Fotos e vídeos mostram a carga de cerveja despejada na pista e muitos curiosos em volta

Cidades

Trabalhadores ficam feridos após caírem de aproximadamente 8 metros em Tijucas

Testemunhas afirmam que os trabalhadores estava com equipamentos de proteção individuais (EPIs)

Cidades

Pedágios caros inviabilizam concessão das rodovias federais catarinenses, diz governo federal

Planos de concessão para as rodovias BR 153, 470, 282 e 280 foram revogados, segundo o secretário Nacional de Transportes Terrestres do Ministério da Infraestrutura, Marcello da Costa Vieira

Cidades

Pesquisa aponta Santa Catarina como destino seguro mesmo durante a pandemia

Entre os que avaliaram o Estado como totalmente seguro, 41% pretendem viajar ainda no segundo semestre de 2020

Mais notícias