keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Univali lança cartilha sobre realidade dos haitianos na AMFRI

A Universidade do Vale do Itajaí (Univali) lança, no dia 25 de agosto (sexta-feira), a cartilha “Realidade Socioeconômica dos Haitianos na AMFRI”, desenvolvida por um grupo dos cursos de Relações Internacionais e Direito. O evento será no auditório do bloco 4 do Campus Balneário Camboriú, e contará com a palestra “Migrações Transnacionais”, ministrada pelo professor Rafael Padilha dos Santos, coordenador do Mestrado Profissional Internacional em Direito das Migrações Transnacionais, curso em fase de implantação na Univali, em parceria com a Faculdade de Jurisprudência da Universidade de Perúgia, na Itália.

 

A cartilha é resultado do projeto de pesquisa “Imigrante Haitiano na Região da AMFRI: aspectos socioeconômicos, indicadores de vulnerabilidade social e políticas públicas”, realizado pela Univali, com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). O material surgiu da necessidade de se compreender a vinda dos imigrantes haitianos para a região da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (AMFRI) e será disponibilizado aos municípios e instituições que atuam no atendimento a estes imigrantes.

Na investigação, a metodologia utilizada foi a técnica “Bola de Neve”, por meio da aplicação de questionários em créole (língua nativa haitiana) para um universo de 600 haitianos. O grupo contatou Associações de Haitianos e buscou locais de concentração desses habitantes, como: habitações coletivas, salões de beleza, bicicletarias, igrejas, lan houses, entre outros. A pesquisa de campo ocorreu entre os anos de 2015 e 2016.

O professor Jorge Hector Morella Junior, coordenador do curso de Relações Internacionais da Univali e coordenador geral do projeto, alerta que o período de realização desta pesquisa contemplou momentos em que o Brasil era um destino promissor aos estrangeiros. “Algumas coisas mudaram. Em contrapartida, muitos resultados se mantêm e podem auxiliar o poder público e privado no atendimento a estes imigrantes, além de estimularem a elaboração de políticas públicas”, pondera.

Resultados obtidos na pesquisa

A pesquisa sobre o imigrante haitiano levantou questões que cabem destaque. Entre os resultados obtidos os estudiosos apontam que cabe à sociedade ajudar com ações mais efetivas aos haitianos no processo de integração social. Os participantes do questionário reclamaram da inoperância de algumas autoridades brasileiras.

Além disso, o estudo revelou que são poucas as instituições ou entidades que desenvolvem ações frente às demandas dos haitianos, e que nem sempre há sintonia entre as autoridades neste sentido. Concluiu-se, ainda que é necessário possibilitar o ingresso dos haitianos nos diferentes níveis de escolarização.

O aspecto mais negativo relatado pelos haitianos pesquisados foi o atendimento de saúde. Eles pontuaram os seguintes fatores críticos: demora, incompreensão das instruções técnicas pelas equipes brasileiras, e pouco esforço demonstrado para entendê-los.

Cidades

Mãe e filho morrem com Covid-19 em Xanxerê

Ademar Júnior Isotton, de 32 anos, morreu na madrugada de domingo (20). Já a mãe, de 60 anos, morreu oito horas antes

Cidades

Morador de Camboriú desaparecido é encontrado morto

Geisel desapareceu na cidade de Camboriú quando saiu de casa na manhã de sexta

Cidades

Avenida Panorâmica de Balneário Camboriú será entregue neste domingo (20)

Uma solenidade de liberação da nova Avenida Panorâmica para o trânsito será realizada no domingo (20), por volta das 10h30

Mais notícias