keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Técnicos da CASAN conhecem processos de combate a perdas de água no Japão

Os brasileiros visitaram também a cidade de Kobe, onde conheceram o sistema de mapeamento de rede da Kobe City Waterworks Bureau, com um cadastro que inclui até as instalações hidráulicas de edifícios e residências.

X

Dentro da política de qualificação de seu quadro técnico e na busca de aperfeiçoamentos dos serviços oferecidos aos usuários, a CASAN enviou para uma missão de aprendizado no Japão os engenheiros Felipe Gustavo Trennepohl e Paulo Elias de Souza. O aprendizado será compartilhado durante o Congresso Catarinense de Saneamento/Encontro Técnico da CASAN, nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, em Florianópolis.

Durante 35 dias, entre julho e agosto, o engenheiro sanitarista e ambiental  Trennepohl (do Serviço de Água da Gerência de Operações) e o engenheiro sanitarista e ambiental Paulo Elias (da Divisão de Projetos de Água da Gerência de Projetos) mergulharam naquele que é considerado um dos mais bem gerenciados sistemas de abastecimento de água do mundo, modelo universal em controle de perdas de água. No Japão, a média de perda física é inferior a 7%, e em Osaka, cidade sede do curso, os percentuais não ultrapassam 3%.

Acompanhados de 23 profissionais de outros 15 países em desenvolvimento – Nigéria, Quênia, Zâmbia, Etiópia, Sudão, Sudão do Sul, Camboja, Azerbaijão, Egito, Jordânia, Myanmar, Nepal, Timor Leste, Paquistão e Bangladesh -, os brasileiros visitaram também a cidade de Kobe, onde conheceram o sistema de mapeamento de rede da Kobe City Waterworks Bureau, com um cadastro que inclui até as instalações hidráulicas de edifícios e residências.

O curso “Operation and Maintenance of Urban Water Supply” (Operação e Manutenção de Sistemas Urbanos de Abastecimento de Água) foi organizado e financiado pela JICA (Agência Internacional de Cooperação do Japão), em parceria com a Osaka Municipal Waterworks Boureau, empresa que trata e distribui água na cidade de Osaka, a terceira maior do Japão. O objetivo da JICA e da Osaka Waterworks Bureau foi apresentar técnicas utilizadas no Japão que possam auxiliar países em desenvolvimento a reduzir perdas físicas de água, aumentar o faturamento das empresas e possibilitar assim novos investimentos no próprio sistema.

“Mesmo que nem tudo seja aplicável neste momento, muitas técnicas e procedimentos são adaptáveis a nossa realidade, desde que com disciplina e esforço”, diz Trennepohl . O engenheiro da CASAN acredita que muitos procedimentos de controle dos Sistemas Integrados de Água (SIA) e das estações de tratamento (ETAs), bem como alguns critérios de operação e manutenção de redes de distribuição e eletromecânica, são bem aplicáveis em Santa Catarina.

Chamou a atenção dos brasileiros os materiais empregados no Japão, como o aço inoxidável utilizado em ETAs, que garantem vida mais longa ao sistema apesar do custo inicial bem mais elevado. Também se destaca no Japão – embora não surpreenda – o grau de informatização, com informações disponíveis permanentemente em sistemas remotos sobre os controles de pressão, vazão e da qualidade da água na rede de distribuição. “Os japoneses valorizam muito o gerenciamento das informações”, observa Paulo Elias. “O cadastro da rede de abastecimento de água é constantemente atualizado e as informações sobre manutenção e substituição de tubulações e válvulas, bem como a implantação de novas redes, são enviadas à área de mapeamento para atualização permanente de cadastro”.

No Brasil – também pelas distâncias maiores entre pontos de captação e pontos de distribuição – a tecnologia utilizada nos sistemas de captação, tratamento e distribuição de água ainda está distante desses números do pequeno Japão, sendo que as perdas físicas são de aproximadamente 30% (as perdas comerciais, ou seja, a água não faturada comercialmente, ainda confundem as estatísticas no Brasil). Em Santa Catarina, as perdas físicas estão em um patamar na ordem de 26 a 28% de perdas, números ainda indesejados, mas equivalentes ao de países como México, Rússia, China e Espanha e menores que os do Uruguai e da Noruega.

PALESTRA – CONGRESSO CATARINENSE DE SANEAMENTO / ENCONTRO TÉCNICO

A palestra “Sistemas de Água no Japão – Breve Relato de Experiência Prática” será apresentada às 10h do dia 1º/9 (sexta-feira), na Sala 1 do Centro de Eventos Luiz Henrique da Silveira, Canasvieiras/Florianópolis

Geral

Matrículas online para Ensino Fundamental da Rede Municipal iniciam dia 18

Na próxima segunda-feira (18) iniciarão as inscrições para matrículas de novos alunos do 1° ao 9° ano do Ensino Fundamental da rede municipal. Para garantir a segurança dos pais e responsáveis em tempos de pandemia, […]

Geral

Mulher que difamou ONG de proteção aos animais em rede social pagará danos morais

No dia 31 de agosto de 2019, a mulher adotou um filhote de cachorro e, na ocasião, assinou um termo de responsabilidade pelo animal. Consta nos autos que o documento informava que o filhote ainda […]

Geral

MPSC recebe as informações sobre fiscalizações de festas e eventos de final de ano

Registros serão enviados às Comarcas para a análise das Promotorias de Justiça e avaliação sobre a necessidade de instauração de procedimentos para apurar os casos

Geral

Unidades Escolares e CMEIs passam por reformas e ampliações em Itapema

Durante o período em que as aulas presenciais estavam suspensas e agora nas férias dos estudantes da Rede Municipal de Ensino, a Secretaria de Educação segue com as obras de reforma, ampliação e finalização de […]

Geral

INSS: o que muda para quem quer se aposentar em 2021

Com a Reforma da Previdência aprovada em novembro do ano retrasado, as regras de aposentadoria do INSS tiveram algumas mudanças. Porém, quem está próximo de se aposentar pode entrar em uma regra de transição, ou […]

Mais notícias