keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

STJ autoriza mulher arrependida a retomar nome de solteira

A adoção do nome do marido ao se casar é facultativa no Brasil desde os anos 1960.

X
Foto: Marcello Casal – Agência Brasil

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou uma mulher, que alegou abalo emocional e psicológico, a voltar a usar o nome de solteira por não ter se adaptado ao nome de casada.

Embora não haja previsão legal para o procedimento, a relatora ministra Nancy Andrighi, destacou que, nesse tipo de caso, “deve sobressair, a toda evidência, o direito ao nome enquanto atributo dos direitos da personalidade”.

A relatora destacou que a mudança de nome não necessariamente prejudica a identificação da pessoa, que pode ser feita pelos números de documentos como CPF e RG, por exemplo.

À Justiça, a mulher alegou que a adoção do nome do marido lhe gerou desconforto por ter ocorrido em detrimento ao sobrenome do pai, que se encontra em vias de sumir, pois os últimos familiares que o carregam estão em grave situação de saúde. Por esse motivo, ela desejava retomar o uso do nome de solteira, para que ele não deixe de existir.

A mulher conseguiu uma primeira decisão favorável, mas que depois foi revertida em segunda instância, motivo pelo ela qual recorreu ao STJ.

Conforme o voto da relatora, o STJ reconheceu que as justificativas para a mudança de nome não eram frívolas e que o tribunal tem cada vez mais flexibilizado as regras que disciplinam as trocas de nome, de modo a amoldá-las a uma nova realidade social.

A ministra Nancy Andrighi reconheceu que ainda é comum as mulheres abdicarem de parte significativa de seus direitos de personalidade para incorporar o sobrenome do marido, devido a motivos diversos, entre os quais a histórica dominação patriarcal e o desejo de usufruir do prestígio social do nome. A evolução da sociedade, contudo, tem reduzido a fenômeno, acrescentou ela.

A adoção do nome do marido ao se casar é facultativa no Brasil desde os anos 1960. A partir do Código Civil de 2002, o marido também pode acrescentar o sobrenome da mulher ao seu. A legislação prevê que o nome de solteira pode voltar a ser adotado em alguns casos específicos, entre os quais o divórcio e a condenação do cônjuge na esfera criminal.

Fonte: Agência Brasil

Geral

Santa Catarina registra segunda morte por febre amarela

Diagnóstico foi confirmado pelo Lacen/SC (Laboratório Central de Saúde Pública)

Geral

Oceanic Atrativos parabeniza Grupo CCR pela concessão do Aeroporto Internacional de Navegantes

Grupo Oceanic possui hoje em Balneário Camboriú três atrativos: o Oceanic Aquarium, Classic Car Show e a Pizza do Pirata

Geral

Ministério Público Federal dá prazo para Casan solucionar novo vazamento de efluentes na Lagoa da Conceição

Após denúncia recebida pelo MPF, a procuradora da República em Santa Catarina Analúcia Hartmann oficiou a companhia, requisitando vistoria e providências imediatas para solução de um extravasamento em tubulação localizada abaixo do trapiche da Cooperbarco.

Geral

Liminar proíbe venda de unidades e publicidade de empreendimento sem registro imobiliário em Porto Belo

Caso a empresa mantenha a publicidade do empreendimento enquanto ele estiver em situação irregular, estarão sujeitos à multa de R$ 50 mil por dia de descumprimento da decisão judicial.

Geral

Preparem os casacos! Frio intenso é previsto para os próximos 15 dias em SC

Termômetros poderão registrar mínimas de até 3°C nas áreas mais altas do Estado

Mais notícias

Segurança

Homens são vistos fugindo após incendiar quiosque em Porto Belo

A dona do quiosque disse para os oficiais que atenderam a ocorrência que já vinha recebendo ameaças.

Esportes

Porto Belo adapta Serviço de Proteção Social a adolescentes em medidas socioeducativas

Os encontros têm acontecido em grupos, mas sem contato físico entre os adolescentes e com o devido distanciamento entre eles.