keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Sistema de transplantes de órgãos transforma Santa Catarina em referência internacional

Líder entre os estados brasileiros na doação de órgãos, Santa Catarina consolidou um sistema de transplantes que é referência também internacional. Dados deste ano, consolidados até julho, revelam que o índice catarinense de doadores de […]

X

Líder entre os estados brasileiros na doação de órgãos, Santa Catarina consolidou um sistema de transplantes que é referência também internacional. Dados deste ano, consolidados até julho, revelam que o índice catarinense de doadores de múltiplos órgãos por milhão de população (pmp) é de 36,8, mais do que o dobro da média nacional, que é de 14,6.

O bom desempenho catarinense supera até mesmo o modelo espanhol, que serviu de inspiração para o sistema implantado em Santa Catarina. Na Espanha, as doações envolvem casos de mortes encefálicas e de mortes ocorridas a partir de paradas cardiorrespiratórias. Em SC, são abordados exclusivamente casos de mortes encefálicas.

“Em 2016, Santa Catarina superou inclusive o desempenho da própria Espanha, quando comparadas apenas as doações efetivadas a partir de mortes encefálicas. Se fosse um país, Santa Catarina estaria entre os maiores do mundo”, avalia o coordenador da SC Transplantes, Joel de Andrade. 

Em agosto e setembro, os resultados de captação continuam em crescimento. No período de 11 a 15 de setembro, a SC Transplantes obteve a captação de 45 órgãos no território catarinense. Nos cinco dias, foram registradas 19 notificações de óbito, resultando em 15 doadores. O coordenador Andrade considera o resultado inédito no estado. “Em menos de uma semana conseguimos captar 27 rins, 12 fígados, três corações, dois pâncreas e um pulmão”, destaca.

A SC Transplantes, vinculada à Secretaria de Estado da Saúde, é quem administra o sistema catarinense. A equipe fixa é enxuta, composta por 24 profissionais, entre médicos, enfermeiros e administradores, além de 11 estudantes, sendo nove de Medicina e dois de Administração. Mas Andrade explica que um dos principais motivos do sucesso do sistema foi justamente a organização de uma rede de colaboradores dentro de todos os hospitais catarinenses, ampliando o alcance. “Adotamos algumas medidas inspiradas na Espanha a partir de 2008. Entre as novas ações, passamos a contar com um coordenador de transplante em cada hospital do estado. Trata-se de uma pessoa que concilia a função executada dentro do hospital com o trabalho de captação junto às famílias”, explica.

Ao mesmo tempo, o Governo do Estado passou a oferecer um programa educacional para diferentes profissionais dos hospitais, que consiste em treinamento para identificação de potenciais doadores e abordagem junto às famílias. Hoje, são cerca de 800 profissionais atuando em todos os hospitais do estado, públicos e particulares, que já receberam esse tipo de treinamento. “São enfermeiros ou atendentes de UTI, por exemplo. E os resultados do respeito, da educação e de todo o cuidado no relacionamento com as famílias refletiram-se em um aumento expressivo das doações”, destaca. Em 2007, a média era de 70% de negativas nas entrevistas para doação. Em 2017, está em 30%;

A rede catarinense atualmente trabalha com transplantes de órgãos como coração, fígado, rim, córneas e medula óssea, além de fazer transplante de pele e enxerto ósseo.

Para atendimento no tempo necessário nas diferentes regiões do estado, o coordenador Andrade destaca a importância da parceria com corporações como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, que oferecem apoio com suas aeronaves.

Andrade ressalta também a importância solidariedade das famílias ao transformarem um momento de perda em uma oportunidade para salvar vidas. E reforça a orientação para quem deseja ser doador: “A única forma legal de ser doador de órgãos é conversar com a sua família e manifestar esse desejo. Quando essa vontade fica clara, a família respeita e acata a decisão caso a pessoa venha a ser um potencial doador”.

O coordenador lembra que anualmente, sempre em setembro, o Ministério da Saúde realiza a Campanha Nacional de Doação de Órgãos, com base na Lei Federal 15.463, que criou o “Setembro Verde”, fazendo referência à cor do laço que é símbolo mundial da doação de órgãos e tecidos para transplantes.

Números da SC Transplantes

Total de pacientes em lista de espera
Dez/2012 – 1.401
Dez/2013 – 1.206
Dez/2014 – 850
Dez/2015 – 637
Dez/2016 – 535

Doadores efetivos de múltiplos órgãos (morte encefálica)

2012 – 165
2013 – 170
2014 – 202
2015 – 203
2016 – 251

Geral

Matrículas online para Ensino Fundamental da Rede Municipal iniciam dia 18

Na próxima segunda-feira (18) iniciarão as inscrições para matrículas de novos alunos do 1° ao 9° ano do Ensino Fundamental da rede municipal. Para garantir a segurança dos pais e responsáveis em tempos de pandemia, […]

Geral

Mulher que difamou ONG de proteção aos animais em rede social pagará danos morais

No dia 31 de agosto de 2019, a mulher adotou um filhote de cachorro e, na ocasião, assinou um termo de responsabilidade pelo animal. Consta nos autos que o documento informava que o filhote ainda […]

Geral

MPSC recebe as informações sobre fiscalizações de festas e eventos de final de ano

Registros serão enviados às Comarcas para a análise das Promotorias de Justiça e avaliação sobre a necessidade de instauração de procedimentos para apurar os casos

Geral

Unidades Escolares e CMEIs passam por reformas e ampliações em Itapema

Durante o período em que as aulas presenciais estavam suspensas e agora nas férias dos estudantes da Rede Municipal de Ensino, a Secretaria de Educação segue com as obras de reforma, ampliação e finalização de […]

Geral

INSS: o que muda para quem quer se aposentar em 2021

Com a Reforma da Previdência aprovada em novembro do ano retrasado, as regras de aposentadoria do INSS tiveram algumas mudanças. Porém, quem está próximo de se aposentar pode entrar em uma regra de transição, ou […]

Mais notícias