keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Secretaria da Agricultura atualiza situação de cultivos de molusco no litoral catarinense

X
Eduarda Demeneck

A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural comunica a interdição de cultivos de ostras e mexilhões das localidades de Barro Vermelho, em Florianópolis, e de Praia Alegre e Armação do Itapocorói, em Penha, devido à presença de ficotoxina Ácido Okadaico – também conhecida como toxina diarreica – acima dos limites permitidos. A partir desta quarta-feira, 19, está proibido retirar e comercializar ostras, mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia dessas áreas.

Além disso, as áreas de Barra do Aririú, em Palhoça; Ponta de Baixo, em São José e Fazenda da Armação, no município de Governador Celso Ramos permanecem interditadas.

Liberação Parcial

A Secretaria anuncia ainda a liberação parcial das localidades de Freguesia do Ribeirão e Costeira do Ribeirão, em Florianópolis. Nessas áreas estão permitidos o comércio e a retirada apenas de ostras. As outras espécies de moluscos cultivadas ainda não podem ser consumidas.

As ostras foram liberadas a partir de dois resultados negativos consecutivos para presença de toxina diarréica. O gerente de Pesca e Aquicultura da Secretaria da Agricultura, Sérgio Winckler, explica que ostras e mexilhões se comportam de forma diferente diante da concentrações de algas tóxicas, por isso a desinterdição é parcial. “Existem diferenças nos sistemas de filtração dos moluscos. A ostra concentra menos toxinas, por isso foi possível a sua liberação antes dos mexilhões”.

Interdição de áreas de cultivo de moluscos

Desde o dia 6 de agosto, algumas áreas de cultivos de moluscos bivalves vêm sendo interditadas devido à presença de ficotoxina acima dos limites permitidos. Quando consumida por seres humanos, essa substância pode ocasionar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia.

Monitoramento constante

A Cidasc intensificou as coletas para monitoramento das áreas de produção de moluscos interditadas e arredores. Os resultados dessas análises definirão a liberação ou a manutenção da interdição. Os locais de produção interditados serão liberados após dois resultados consecutivos demonstrando que os moluscos estão aptos para o consumo.

Santa Catarina é o único do país que faz o monitoramento permanente das áreas de cultivo. O Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, permitindo maior segurança para os produtores e consumidores.

Maricultura em Santa Catarina

Santa Catarina é o maior produtor nacional de moluscos, com 39 áreas de produção distribuídas em 11 municípios do Litoral. O setor gera mais de 1.900 empregos diretos e a produção gira em torno de 13 mil toneladas de mexilhões, ostras e vieiras.

Cidades

Trabalhador fica soterrado em deslizamento de terra

Uma ambulância do Samu conduziu o trabalhador até o hospital.

Cidades

Leilão de bens móveis do governo de Santa Catarina inclui aeronave

Vendas de bens inservíveis e economia com manutenção superam R$ 8 milhões

Cidades

Veja vídeos da retirada das gruas no topo do maior edifício residencial da América Latina

Com 30 toneladas, as gruas instaladas no topo do edifício foram essenciais para auxiliar na construção do empreendimento

Cidades

Sine em Santa Catarina tem mais de 4 mil vagas disponíveis

As ofertas da semana englobam as mais variadas funções

Cidades

Faculdade de Itapema se torna campus da UniAvan

Instituição na cidade ganha mais autonomia e passa a se chamar UniAvan - Campus Itapema

Mais notícias