keyboard_backspace

Página Inicial

Brasil

São Paulo volta a fechar bares, shopping e restaurantes aos finais de semana

Volta às aulas também será adiada

X

O governo de São Paulo decidiu restringir a abertura do comércio em várias regiões do estado para frear o avanço da nova onda de covid-19. A estratégia é diferente do que já foi feito até agora. Durante a semana, das 20 horas até as 6 horas somente serviços essenciais podem funcionar, como mercados, farmácias e postos de gasolina. Aos finais de semana, shoppings, bares e restaurantes precisam ficar fechados, assim como os parques.

Durante o horário comercial, ficam em vigor as regras locais, por região. A Grande São Paulo, por exemplo, está na fase 2 laranja, em que o comércio pode funcionar com capacidade reduzida, de 40% (veja as regras abaixo). As novas regras têm validade a partir da segunda-feira, 25, e vão até o dia 8 de fevereiro. A volta às aulas, que estava prevista para fevereiro, foi adiada.

Apesar do feriado municipal na capital paulista nesta segunda-feira, 25, os parques ficam abertos e valem as regras de dia útil, ou seja, o comércio pode abrir, com capacidade de 40%.

A reclassificação, feita de forma extraordinária, era tida como certa, por causa do aumento de internações em hospitais em todo o estado e foi confirmada pelo Centro de Contingência da Covid-19 em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (22).

“Temos alta transmissão em todas as regiões, com maior ou menor intensidade. A única maneira é diminuir a circulação das pessoas. Não há outra alterativa, precisamos reduzir a circulação para salvar vidas”, disse Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

Na fase 2 laranja – onde a Grande São Paulo está -, bares e restaurantes seguem impedidos de oferecer atendimento presencial, funcionando apenas por delivery. Shoppings, academias e salões de beleza podem funcionar durante 8h por dia, com 40% da capacidade, e os parques ficam abertos somente durante a semana.

Leitos de UTI

O que motivou essas mudanças foi a alta na ocupação de leitos de UTI. A taxa de ocupação em todo estado está em 71%. Entretanto, cidades do interior e da região metropolitana já não têm mais leitos de UTI disponíveis – é o caso de Américo Brasiliense, Artur Nogueira, Fernandópolis, Itatiba, Itaquaquecetuba, Pirassununga, Porto Feliz, Promissão e Socorro. Outros 58 municípios já superaram os 80% de ocupação, a maioria deles nas regiões de Marília, Sorocaba e Campinas.

Na Região Metropolitana de São Paulo, 71,6% dos leitos de UTI estão ocupados – chegando a 100% em alguns hospitais, como a Santa Casa.

Fonte: Exame

Brasil

Covid-19: TRE suspende eleições suplementares em 9 cidades paulistas

Entrada do estado na Fase Vermelha levou à suspensão do pleito

Brasil

Senado aprova em segundo turno PEC Emergencial

Texto que garante parcelas do auxílio emergencial segue para Câmara

Brasil

Vídeo misterioso mostra mulher desaparecendo em noite chuvosa

Câmeras de segurança mostram uma mulher desaparecendo enquanto atravessava uma das principais avenidas da cidade

Brasil

Avião que transportava vacinas bate contra jumento na Bahia

A aeronave transportava quatro caixas com vacinas, por sorte os imunizante não forma danificados

Mais notícias

Segurança

Traficantes responsáveis por aliciamento de adolescentes são presos em Porto Belo

Um dos presos é integrante da facção catarinense PGC (Primeiro Grupo da Capital)

Geral

Desenvolvimento Social entrega seis câmaras frias para agricultura familiar no Oeste

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social entregou seis câmaras frias para a agricultura familiar para Chapecó, Pinhalzinho, Bom Retiro, Lages, Canelinha e Xanxerê – uma para cada município. Os equipamentos são para modernizar as […]