keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

São José vai normatizar e organizar o atendimento de andarilhos e pessoas em situação de rua por entidades e grupos de voluntários

Um espaço para isso deve ser delimitado na praça de Campinas

X

A prefeitura de São José pretende organizar e normatizar o trabalho de entidades e grupos que prestam assistência a pessoas em situação de rua. A informação foi repassada pelo vice-prefeito Michel Schlemper durante reunião pública promovida na tarde desta terça-feira (29) na Câmara de Vereadores. Um espaço para isso deve ser delimitado na praça de Campinas. “As pessoas em situação de rua precisam de assistência como alimentação todos os dias. Se organizarmos vai ficar bem mais fácil atender e dar tranquilidade aos moradores da região”, lembrou o vice-prefeito, que coordena em nome do prefeito, Orvino Coelho de Ávila, as ações para a população em situação de rua.

As entidades e grupos de voluntários serão cadastrados e será definido o dia para o atendimento. Depois disso, conforme alertou o vice-prefeito, o município não deve mais permitir atendimentos aleatórios e em pontos distintos da cidade. “Vamos organizar para que possamos dar segurança também a essas pessoas, com a presença da Guarda. Fora daquela área o poder público não vai mais autorizar”, complementou.

O vice-prefeito também garantiu que a prefeitura está mantendo os programas sociais ativos, mesmo com o corte nos recursos oferecidos pelo governo federal. Segundo ele, estão sendo ofertados mais de R$ 3 milhões em recursos próprios do município para atendimentos em programas assistenciais. “Todos os convênios foram cortados pelo governo federal. Se essa parceria tivesse se mantido seria muito mais fácil, mas o prefeito decidiu manter todos os programas com recursos próprios”, garantiu.

O município também agiu fortemente contra os locais que compram cobre e outros recicláveis para punir receptadores que possam estar contribuindo com a depredação de patrimônios para o sustento da compra de drogas. “Alguns ferros velhos que não conseguiram a documentação para voltar a atuar devem permanecer fechados e vamos continuar fiscalizando os que estiverem abertos”, explicou.

Desde janeiro 1160 pessoas já foram atendidas no Centro Pop. Foram oferecidos mais de 9800 serviços para pessoas em situação de rua. Em maio foi feitos 433 atendimentos. E até o dia 25 de junho 323. Um total de 138 pessoas passou pela abordagem social. 64 pessoas foram beneficiadas com passagens para voltarem para suas cidades de origem.

Fonte: Visor Notícias

Cidades

Varejo brasileiro corre risco de desabastecimento para vendas do fim do ano

Segundo Claus Malamud já há falta de containers para trazer produtos vindos do país asiático.

Cidades

Restaurante Thai Garden manterá por mais 15 dias o menu do Balneário Saboroso

Prato é sucesso e procura é tão grande, que o restaurante prorrogou a promoção

Cidades

Conferência Municipal de Assistência Social acontece em Itapema

A Secretaria de Assistência Social, em parceria com o Conselho Municipal de Assistência Social, realiza na próxima sexta-feira (06/08) a 13ª Conferência Municipal de Assistência Social. O evento acontece na na sede da OAB Itapema, […]

Cidades

Nova loja do Komprão Koch é inaugurada em Balneário Camboriú

A partir desta quinta-feira (05), os moradores e turistas poderão contar uma ampla e confortável loja, com uma oferta variada de produtos a preços competitivos. Esta é a 38ª unidade do Grupo Koch em Santa Catarina

Cidades

Itajaí terá sistema de tratamento de lodo que contribuirá para preservação do Rio Itajaí-Mirim

Semasa autorizou nesta semana o início da obra com investimento de R$ 8 milhões

Mais notícias

Segurança

“Eu sou um idiota”, mãe que matou filho e jogou no rio obrigava criança a escrever frases depreciativas em caderno

Além do caderno, a polícia localizou no apartamento onde mãe e filho moravam uma corrente, que era utilizada para manter a criança presa

Coronavírus

Jovem que dizia estar ‘muito ocupada para tomar a vacina’, morre de Covid-19

Ela deixa um filho de 2 anos, que tem autismo, e duas meninas, de 4 e 7 anos