keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Réu que teria matado transgênero em motel de Florianópolis irá a júri popular por feminicídio

As investigações policiais do crime apontaram que o réu mantinha um relacionamento amoroso com a vítima, mas nutria menosprezo e discriminação por ela devido a sua transgenia.

X
Divulgação/CNJ/Visor Notícias

Um homem denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pela morte de uma transgênero em um motel de Florianópolis irá a Júri popular por feminicídio. As investigações policiais do crime apontaram que o réu mantinha um relacionamento amoroso com a vítima, mas nutria menosprezo e discriminação por ela devido a sua transgenia.

A ação penal apresentada pela 36ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital relata o crime, que ocorreu em fevereiro de 2020 em um motel no bairro Campeche. Na ocasião, o réu teria levado a vítima ao motel com o pretexto de manterem um encontro íntimo. Lá, supostamente ele a asfixiou até a morte.

Na sequência, o réu teria tentado ocultar o cadáver da vítima, colocando-o no porta-malas do automóvel, que estava estacionado na vaga de garagem da suíte que ocupavam, de forma a possibilitar a saída do estabelecimento e a retirada do corpo do local sem levantar suspeita. A ocultação do cadáver somente não aconteceu porque o réu foi surpreendido com a chegada da Polícia Civil.

Para o Promotor de Justiça André Otávio Vieira de Mello, o homicídio teria sido qualificado por ter sido cometido por meio cruel e sem possibilidade de defesa pela vítima. Além disso, pesa a qualificadora de se tratar de um feminicídio, pois o suposto autor teria mantido relacionamento amoroso com a vítima, mas apresentava menosprezo e discriminação em relação à condição dela de mulher transgênero e à atividade de prostituição que ela exercia.

Ao proferir a sentença de pronúncia, peça judicial que reconhece a existência de indícios suficientes da ocorrência de crime contra a vida para levar o julgamento a júri popular, o Juízo da Vara do Tribunal do Júri descartou a tese da defesa do réu, que requeria a desqualificação do feminicídio por a vítima ser do sexo masculino.

De acordo com a decisão, a vítima era reconhecida socialmente como mulher e sentia-se como tal, ainda que não tenha realizado cirurgia de redesignação sexual, tendo a jurisprudência de julgados anteriores já reconhecido a ocorrência de feminicídio em casos similares. Foi mantida, ainda, a prisão preventiva do acusado. A decisão é passível de recurso.

Fonte: Visor Notícias

Segurança

Polícia encontra mais de R$4 milhões na casa de homem morto depois de perseguição em Porto Belo

O motorista, que foi baleado na tarde desta sexta-feira (16), após uma perseguição pela cidade de Porto Belo, não resistiu aos ferimentos e morreu antes de dar entrada no hospital

Segurança

Vídeo: Caminhão pega fogo na BR-101 em Joinville

Um caminhão apresentou pane mecânica e pegou fogo na BR-101, em Joinville, na noite desta sexta-feira (16). Ninguém ficou ferido com o incidente. O incêndio foi registrado pouco depois de outro acidente no mesmo trecho, […]

Segurança

Vídeo: Motorista embriagado causa engavetamento na BR-101

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Corpo de Bombeiros Voluntários atenderam a ocorrência

Segurança

Identificado motorista que foi morto a tiros durante perseguição em Porto Belo

Carlos Cezar Favero da Silva, conduzia um Renault/Sandero que foi alvejado com mais de 15 tiros

Mais notícias

Segurança

Polícia encontra mais de R$4 milhões na casa de homem morto depois de perseguição em Porto Belo

O motorista, que foi baleado na tarde desta sexta-feira (16), após uma perseguição pela cidade de Porto Belo, não resistiu aos ferimentos e morreu antes de dar entrada no hospital

Turismo

Itapema 59 anos: Visor Notícias produz série de reportagens sobre o município

Seja você morador ou turista, tem cantinhos especiais e históricos que você vai amar descobrir