keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Restos mortais de adolescente foram escondidos em tocas de tatu de chácara de SC

Para esconder os vestígios do crime, os suspeitos desmembraram o corpo de Kauã

Foto: Divulgação

Após serem presos, os suspeitos de assassinar brutalmente Kauã João de Freitas, de 17 anos, em Xavantina, no Oeste do Estado, confessaram detalhes do crime para a Polícia Civil. O primeiro a ser detido, foi um jovem de 18 anos, que participou do assassinato junto com um homem de 37 anos.

A operação na quarta-feira começou em Xaxim. Os policiais foram até a casa do suspeito de 18 anos. Segundo o delegado Vagner Papini, foi ele que confessou o crime. Depois de prendê-lo, a equipe seguiu até um sítio em Xavantina, cujo dono é o suspeito de 37 anos.

O inquérito apontou que os dois teriam convencido o adolescente a ir com eles para o mato, e lá, o amarrado pelas mãos em uma árvore próxima a um riacho. Eles teriam falado para Kauã que o matariam. A vítima teve dois cortes feitos em formato de cruz no abdômen — os suspeitos confessaram que foi esse o ferimento que levou a morte do adolescente.

Para esconder os vestígios do crime, os suspeitos desmembraram o corpo de Kauã. Em depoimento, um dos suspeitos teria afirmado que, primeiro, cortaram a cabeça, depois, os membros superiores e inferiores. Os restos mortais, como os braços, foram escondidos em tocas de tatu espalhadas pela chácara. Já o tronco teria sido levado para outro lado do riacho. 

Conforme as investigações, o que teria motivado o crime é ciúmes. O suspeito do assassinato, de 37 anos, acreditava que Kauã fazia insinuações para sua esposa. A vítima morava em Chapecó, quando, em 14 de abril, foi para o município vizinho Xaxim, para trabalhar. Lá, ele foi surpreendido pelos dois homens, que o levaram para uma chácara em Xavantina, cidade ao lado.

 Na operação de quarta, policiais civis e militares e cães farejadores encontraram também pedaço da corda utilizada para amarrar Kauã e um tênis que o adolescente usava no dia em que desapareceu. De acordo com o delegado, o inquérito será enviado para a Justiça.

 “As buscas duraram oito horas e ainda continuam. Entretanto pelo terreno ser íngreme e pelas fortes chuvas, nós acreditamos que as partes do corpo foram levadas pelo rio”, explicou.  Apesar de não terem encontrado o corpo de Kauã, os policiais já possuem provas suficientes para o crime. Os dois suspeitos tinham antecedentes criminais e foram presos temporariamente no presídio de Chapecó.

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Segurança

Homem é preso por descumprir medida protetiva contra a ex-mulher em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado

Segurança

Operação conjunta apreende 400 mil maços de cigarros contrabandeados em Chapecó

Veículo, a mercadoria e o condutor foram entregues na Polícia Federal

Segurança

Operação desmantela quadrilha de traficantes que abastecia o Oeste de SC

Foi constatada a existência de um grupo formado por pelo menos seis pessoas associadas para a traficância de drogas ilícitas entre Maravilha e Chapecó

Segurança

Trânsito de Balneário Camboriú sofrerá alterações devido à Marcha para Jesus

Agentes de trânsito estarão no local, monitorando o fluxo de veículos durante a intervenção

Segurança

Menino que sonhava em ser policial morre após ser brutalmente espancado na saída de escola

Adolescente chegou a ser encaminhado em estado grave, mas não resistiu aos ferimentos

Mais notícias

Geral

Vídeo: Âncora da CNN comete gafe e fala palavrão ao vivo

Internautas não perdoaram e vídeo viralizou na web

Segurança

Homem é preso por descumprir medida protetiva contra a ex-mulher em Gaspar

Ela possuía medida protetiva de afastamento e proibição de manter contato desde o ano passado