keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Profissionais de cuidados paliativos buscam amenizar dor física e emocional de pacientes e familiares

Essa técnica já é bastante antiga, mas a partir da década de 60 ganhou mais evidência, após uma enfermeira sentir a necessidade de cuidar de um amigo que sofria com dores, não só físicas, mas emocionais, psicológicas e existenciais.

 “Para nós da família, isso foi muito confortante e importante, pois tenho a certeza que é feito tudo para que o paciente fique o melhor possível diante de todas as dificuldades que vem enfrentando devido ao tratamento, e eu sabendo disso tudo que era feito, me sentia bem por ela. O mais importante dos cuidados paliativos é o Amor e carinho que os Enfermeiros, Médicos sentem ao cuidar dos pacientes, essa sem dúvidas é a parte mais importante nesse tipo de cuidado”. Essas palavras são do Rafael Oliveira, de 31 anos, morador de Itajaí – SC, que em 2016 conheceu os cuidados paliativos e a médica Mavilde dos Santos Gomes. Foi durante o tratamento da esposa dele, Aline, que lutou contra um câncer de mama por um ano e faleceu no ano passado.

O casal tem um filho de 5 anos, que acompanhou esse processo. Para o pai, esse tratamento humanizado, foi essencial. “ Hoje eu e o Rafinha estamos bem, devido a todos esses cuidados paliativo que tanto a Aline quanto nós recebemos, isso nos ajuda diariamente a superar tudo’.

Essa técnica já é bastante antiga, mas a partir da década de 60 ganhou mais evidência, após uma enfermeira sentir a necessidade de cuidar de um amigo que sofria com dores, não só físicas, mas emocionais, psicológicas e existenciais. A partir daí é que começou a compreensão do termo dor mais amplo. Mas o que é cuidado paliativo? A médica Mavilde é especialista nesta área e explica que é “ um cuidado que se presta ao paciente e familiares num ponto de vista físico, espiritual e emocional, desde que ele apresente uma doença grave, sem cura, evolutiva e com risco de morte. Esse trabalho é feito com uma equipe multidisciplinar, com o olhar do enfermeiro, do psicólogo, do médico, do técnico de enfermagem, enfim, de um grupo”.

Assim como na maioria dos países do mundo, no Brasil essa prática ainda não é tão comum, porém, essencial para a qualidade de vida dos atendidos. Uma pesquisa feita pelo “ The Economist” em 2015 analisou 80 países e colocou o Brasil na 42ª colocação no Índice de Qualidade de Morte. Esses dados constam no documento publicado pela revista Brasileira de Cancerologia em 2016, e afirma que “anualmente, mais de 100 milhões de pessoas, entre familiares, cuidadores e pacientes, necessitarão de cuidados paliativos, entretanto menos de 8% terão acesso a esses serviços, segundo Palliaitive Care Alliance World. E a explicação está aqui: em pouco tempo o número de pessoas com mais de 65 anos será maior do que o número de crianças menores de 5 anos. A expectativa para 2030 é de mais de 1 bilhão de idosos, com aumento mais acentuado nos países em desenvolvimento.

A médica de Itajaí comenta ainda que a morte faz parte do ciclo natural de viver. Ela lembra que “antigamente a morte acontecia em casa, com os familiares, no seu habitat.  Hoje tem o hospital e muitas vezes o que vemos é a busca para prolongar uma vida sem qualidade. E do lado, muitas vezes tem um paciente que quer morrer em casa. Dai pergunto – Qual é a morte digna? É morrer sem sofrimento, sem dor física e emocional”.

Mas não só os familiares e pacientes recebem esse cuidado em uma clínica. A médica explica que os profissionais que prestam os atendimentos diários se envolvem com as histórias de vida e necessitam de atenção. “ Porque só pode cuidar bem, quem está bem cuidado”, completa Mavilde.

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Cidades

Governo repassa R$ 7,7 bilhões do pré-sal para estados e municípios

Valor será pago de hoje até a próxima terça-feira

Cidades

Vigilantes de trânsito e PM realizam operação contra transporte clandestino em Navegantes

O secretário da pasta, Joziel José Pereira, explica que constantemente, chegam denúncias no setor, relatando esse tipo de situação e que por isso, a Navetran e Polícia Militar trabalham para combater o problema

Cidades

Navegantes lança revista anual de transparência dos atos públicos

O periódico será lançado uma vez ao ano, sempre com dados do ano anterior

Cidades

Itajaí se mobiliza para enfrentar semana de frio intenso

Ativação de abrigo de inverno nesta terça-feira (17) e intensificação de abordagens sociais são algumas das ações planejadas para acolher população vulnerável

Cidades

Balneário Piçarras ativa abrigo de inverno para moradores em situação de rua

Secretaria de Assistência Social realizará trabalho de campo para localizar os moradores de rua

Mais notícias

Segurança

Jovem de 19 anos morre após capotar o carro e cair em córrego

A vítima teve o corpo parcialmente lançado para fora do carro

Segurança

Jovem é encontrado morto em calçada com a boca cheia de terra

Segundo informações, o jovem foi encontrado em uma calçada, inconsciente e com sinais de espancamento na cabeça