keyboard_backspace

Página Inicial

Mundo

Presidente dos Estados Unidos anuncia sanções contra a Rússia

Biden afirmou que punições serão mais duras que as de 2014

REUTERS/Jonathan Ernst/Direitos Reservados

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou em declaração nesta terça-feira (22) que a Rússia iniciou a invasão da Ucrânia e anunciou sanções econômicas contra o país voltadas a dificultar o financiamentos e a atuação internacional de instituições financeiras russas

Biden divulgou sanções à dívida soberana da Rússia e medidas para que o país não consiga mais buscar recursos no Ocidente, proibindo também que a Rússia compre títulos no mercado ocidental.

O governante declarou restrições para dois bancos russos, embora não de perfis comerciais. Ele acrescentou que dialogou com o governo da Alemanha para que o gasoduto ligando o país e a Rússia “não avance”.

“Vou começar a impor sanções muito mais duras do que as que implementamos em 2014 [ano do conflito anterior entre Rússia e Ucrânia]. E iremos avançar ainda mais se Rússia continuar a invasão”, disse.

O presidente dos EUA criticou a Rússia pelo reconhecimento da independência de duas províncias separatistas localizadas na Ucrânia (Donetsk e Luhansk) e pelo envio de tropas a esses territórios, adentrando a fronteira ucraniana.

Hoje, Vladimir Putin, presidente da Rússia, pediu e obteve a autorização do Parlamento do país para o emprego de Forças Armadas no exterior.

“Putin conseguiu o apoio do Congresso. Isso significa que ele pode agir de forma mais violenta. Nós ainda achamos que Putin vai avançar ainda mais e atacar a Ucrânia. Espero que esteja errado, mas só fazem escalar as agressões”, comentou.

Embora tenha dito que não pretende lutar contra a Rússia, Biden afirmou que irá defender os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e apoiar a Ucrânia.

“Vamos julgar a Rússia por ações e não por palavras. O que a Rússia fizer estaremos prontos para reagir. A Rússia vai pagar um preço ainda mais alto se continuar essas agressões. Os Estados Unidos vão dar assistência militar para a Ucrânia. Autorizei novas tropas na medida em que soubemos que tropas russas não vão sair de Belarus”, pontuou.

Biden assinalou que está discutindo alternativas para os impactos econômicos aos cidadãos dos Estados Unidos. A Rússia é um dos maiores fornecedores de petróleo e gás do mundo, o que pode afetar o mercado norte-Brasíliamericano.

Agência Brasil

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Mundo

Noivo se empolga, atira para cima durante casamento e mata convidado

Manish Madheshia, que é do Exército indiado, disparou para o alto para comemorar o casamento

Mundo

Homem fica com as pernas presas para fora de elevador

Segundo informações divulgadas pelo Malaysia Gazette, o acidente está sendo investigado

Mundo

Suprema Corte dos EUA aumenta acesso a porte de armas e derruba lei estadual

Direito estabelecido pela segunda emenda poderá reverberar nos estados

Mundo

Idoso solitário pede pizza para que entregador o ajude a se deitar

Ao longo do vídeo, o idoso parece dar as instruções ao entregador sobre como ajudá-lo o máximo possível até chegar à cama

Mundo

Mãe descobre que filho praticava bullying com colega e obriga jovem a se desculpa

Samm Jane ficou “furiosa” depois que professores ligaram para ela, dizendo que seu filho estava enviando mensagens cruéis para uma colega

Mais notícias

Segurança

Trio é preso com mais de 20 carteiras de cigarros contrabandeados

O inquérito policial deve ser concluído e encaminhado ao Ministério Público nos próximos dias. Os presos se encontram à disposição da Justiça

Economia

Itapema é a 7ª cidade que mais gerou empregos em SC até maio

Segundo o governador Carlos Moisés, o resultado confirma o momento de crescimento econômico acelerado vivenciado pelo estado com a melhora do cenário epidemiológico no enfrentamento da pandemia de Covid-19