keyboard_backspace

Página Inicial

Mercado Imobiliário

Polícia confirma morte do CEO de empresa de SC suspeita de golpe bilionário em quase 3 mil pessoas

As informações minuciosas, relacionados ao fato, foram detalhadas em um relatório da Polícia Civil

CEO
Foto: Reprodução

O caso, do suposto golpe da VR Brasil Investimento Patrimonial, empresa do setor imobiliário, de São José, na Grande Florianópolis, que prometia rendimentos de até 4% ao mês para cotistas, e que causou prejuízos para quase 3 mil pessoas, a maioria delas do Sul do país, será direcionada para a Justiça Federal, que deve encaminhar a situação para a Polícia Federal. As informações minuciosas, relacionados ao fato, foram detalhadas em um relatório da Polícia Civil.  

Esse levantamento foi feito pela Delegacia de Defraudações, unidade especializada da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DD/DEIC), que concluiu as investigações e representou ao Poder Judiciário de Florianópolis, solicitando diversas medidas cautelares, principalmente no intuito de angariar maiores elementos que comprovassem o crime praticado, de pirâmide financeira.

Segundo a DEIC, o titular da Delegacia de Defraudações também pediu outras medidas cautelares com o intuito de preservar o maior número possível de patrimônio da empresa a fim de garantir a reparação patrimonial das vítimas.  A Promotoria da Capital entendeu não ser de sua competência a apuração dos fatos, sendo assim o procedimento foi encaminhado à Comarca de São José.

Após o parecer favorável da Promotoria de São José a todas as cautelares representadas pelo titular da Delegacia de Defraudações, o Juiz da 2ª Vara Criminal de São José declinou a competência da presente investigação à Justiça Federal, entendendo que os fatos investigados estariam previstos na Lei 7.492/86, que disciplina os crimes contra o Sistema Financeiro Nacional.

Polícia confirma morte do proprietário da VR

A morte de Márcio Ramos, proprietário da VR Brasil, foi bastante questionada pelas vítimas do suposto golpe. Muitas alegaram teorias de que ele poderia ter forjado o acidente, por conta do horário rápido da cremação e pelo velória ter sido apenas para familiares.

Porém, o advogado da empresa VR Brasil, Ângelo Coelho, responsável pelo processo de inventário e pela recuperação judicial, conversou com o Visor Notícias e alegou que esse assunto era bastante delicado, principalmente para a família. “Tive acesso a certidão de óbito, laudos e todas as documentações necessárias para entrar com o processo de inventário. Esse fato, de que Márcio não morreu, é totalmente desrespeitoso com os familiares”, diz.

Conforme a Polícia Civil, essa hipótese, de Márcio Ramos ter fraudado a sua morte, foi descartada. O empresário morreu dia 16 de maio após bater a moto em um muro na área continental de Florianópolis, onde foi a óbito, informação confirmada pelo Instituto Médico Legal (IML), órgão da Polícia Científica, o qual emitiu laudo com fotos da vítima, segundo nota enviada pela polícia.

O suposto golpe imobiliário

Cerca de 2.240 pessoas alegam serem vítimas do suposto golpe da VR Brasil. O valor do prejuízo pode chegar a R$ 1 bilhão para empresários de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. Outros estados do país também contabilizam vítimas. Essa empresa, localizada em São José, na Grande Florianópolis, prometia rendimento de 4% ao mês, e atraiu essas pessoas em busca de terem ganhos maiores com a aquisição de cotas imobiliárias.

Por conta desse valor, oferecido pela VR, os cotistas depositavam na conta da empresa entre R$ 10 mil até R$ 30 mil todo mês. Entre às vítimas, está um empresário de Itapema, que prefere não ser identificado. Ele repassou um total de R$ 400 mil. Mas, há valores ainda maiores como R$ 900 mil, R$ 675 mil de outros empresários. 

O empresário Inácio Pereira de Lima foi uma das vítimas. Ele contabilizou um prejuízo de R$100 mil. Morador de São Paulo ele possui investimentos em imóveis em Itapema e Balneário Camboriú.

“Conheci a VR através do meu network e um amigo me indicou o representante. Essa pessoa nos explicou sobre os investimentos e acabei fazendo a adesão com R$ 100 mil. Depois, recebi a notícia, que o proprietário da empresa havia falecido, e começou a desencadear todas essas histórias da VR. Analisando friamente, foi um golpe isso que aconteceu com nós cotistas. Na minha opnião essa empresa tem característica de pirâmide financeira, onde a parte maior da pirâmide, que são os primeiros investidores, receberam rendimentos maiores. Já os mais novos, como eu, penso que nossos valores serviram para custear os pagamentos desses cotistas”, comenta.

Advogado de Itapema representa grupo de empresários

Representando um grupo de vítimas, incluindo Inácio Pereira, o advogado Dr. Célio Nery, de Itapema, explica que a VR oferecia a opção dos cotistas sacarem o valor de rendimento todo mês. Porém, no início de 2024, os clientes perceberam que não conseguiam mais ter acesso aos valores, e desde então, não obtiveram mais retorno sobre a situação.

“Fiquei assustado quando chegaram alguns clientes falando o que aconteceu. Márcio Ramos, tinha uma boa aparência e se apresentava de uma forma séria. Foi assim que ele conseguiu iludir essas pessoas. Tudo seguia tranquilamente até que neste ano, a empresa parou de pagar os rendimentos. O problema é que muitas pessoas aportaram os recursos de uma vida inteira e estão desesperadas com a situação”, diz.

Essa história, do suposto golpe, já está sendo acompanhada até mesmo pelo Ministério Público de Santa Catarina. Além disso, há suspeitas de que diversos imóveis em Itapema e região, adquiridos pela empresa VR, foram transferidos para outros nomes de forma suspeita.

“Estamos fazendo levantamento para ver se nas construtoras da região ele tem algum ativo, patrimônio e apartamento que ele comprou e não foi transferido. Porque checamos e ele transferiu outros imóveis para nomes de terceiros”, destaca.

A história, sobre a VR, também envolve a morte recente do proprietário da VR, Márcio Ramos. No dia 16 de maio, ele morreu após bater a moto em um muro em Florianópolis. A empresa chegou a publicar uma carta aberta aos colaboradores e clientes referente a situação.

A nota lamenta a morte do CEO e também fala que por conta desse ocorrido, a equipe jurídica teve dificuldades de acesso às informações e análise da real situação financeira da empresa.

Advogado da VR se manifesta sobre o caso

Responsável pela defesa da VR, o advogado Ângelo Coelho, explicou a situação para o Visor Notícias. Ele contou que assumiu o caso e iniciou o processo de inventário após a morte do proprietário. O fato, inclusive, chegou a ser questionado por algumas das vítimas, que alegam a possibilidade de ter sido fraude. Porém, o advogado esclareceu que teve acesso até mesmo o laudo da autopsia de Márcio Ramos.

“Todas as medidas que estou tomando em função da VR estão dentro do processo. Sobre a morte do Márcio, eu quero dizer para essas pessoas que fiz o processo de inventariante. E para isso, obrigatoriamente tem que ter certidão de óbito, auto de necropsia e toda documentação de certidões, incluindo o laudo da necropsia. Tudo isso foi colocado nesse processo de inventário e também no processo de recuperação. Despois dessa medida, tinha que saber quais eram os reais negócios do Márcio, qual era a atividade operacional. Constatei investidores nas cotas de participações, recebendo remuneração do capital. Inclusive, já tinha uma auditoria que havia apontado para o Márcio que o negócio dele não conseguia mais girar na proporção do pagamento de juros aos cotistas e que o valor era incompatível com mercado”, destaca.

Processo de recuperação judicial foi aberto

Especialista na área de recuperação judicial, Ângelo Coelho, do escritório de advocacia de Porto Alegre (RS), Mazzardo & Coelho, explica que abriu processo de recuperação judicial. Esse procedimento, inclusive, é previsto em lei e tem como principal objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira. Outra ação foi montar um canal no Telegram para facilitar o contato com os cotistas e informar a situação mais rápido sobre o caso.

Sobre bens da VR, Coelho localizou dois empreendimentos, um deles está em Bombinhas, com 70% de obra concluída e outro é um hotel que começou a ser construído em Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis. Segundo informou o advogado, juntos os dois empreendimentos equivalem a um VGV (Valor Geral de Venda) de R$ 900 milhões, que será usado pela VR para quitar as 2.440 vítimas.

“Obtive informações de dois empreendimentos e são negócios adquiridos por ele via contratado. Eu coloquei isso como patrimônio e blindei essas operações. A Lei de Recuperação protege esses empreendimentos e beneficiam os credores porque ela não comunica a situação com passivos trabalhistas. Pelo que observei a VR não tem passivos trabalhistas e nem tributários. Esses projetos, segundo os especialistas, na recuperação judicial, que vão escrever o projeto, dizem que atingem o VGV que seria suficiente pra quitar os credores”, finaliza.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Em nota, enviada ao Visor Notícias, a Polícia Civil disse que a delegacia de São José encaminhou todos os Boletins de Ocorrência registrados sobre a VR para o Departamento Estadual de Investigação Criminal (DEIC), que ficará responsável pelo andamento da investigação.

Quer receber as notícias em tempo real?

Clique aqui para entrar no nosso grupo do WhatsApp e fique sempre bem informado.

⚠ ATENÇÃO: Caso não esteja conseguindo clicar no link das notícias, basta adicionar um administrador do grupo em sua lista de contatos.

Fonte: Visor Notícias

Sobre o autor:
Brunela
Brunela Maria
Brunela Maria é jornalista desde 2011 e formada pelo Centro Universitário IESB, em Brasília. Trabalhou no Notícias do Dia, em Florianópolis e na Record TV Brasília. Atua como repórter no portal Visor Notícias e também na WebTV desde 2019.

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Mercado Imobiliário

Construtora inaugura nova sede em Porto Belo e marca expansão no mercado imobiliário

A empresa está consolidada nos ramos dos empreendimentos de médio padrão e planeja ingressar nos nichos mercadológicos do alto e altíssimo padrões

Mercado Imobiliário

Cauã Reymond anuncia projeto imobiliário em Santa Catarina

O objetivo é criar empreendimentos que promovam uma conexão profunda com a natureza

Mercado Imobiliário

VÍDEO: RDO apresenta apartamento decorado do Boulevard Royal Residence

A atmosfera litorânea e a qualidade RDO compõem um convite à visitação

Mercado Imobiliário

Empresa de Porto Belo desenvolve janelas termoacústicas que reduz barulho e 90% do calor

Além do conforto acústico, essas esquadrias oferecem uma excelente eficiência térmica

Mercado Imobiliário

Itajaí tem uma demanda de 4,3 mil unidades habitacionais por ano, aponta pesquisa

Construção civil em Itajaí se destaca com crescimento populacional e alta demanda por moradias

Mais notícias

Tempo

Quarta-feira terá predominância de sol e tempo firme em SC

Temperaturas podem chegar a 26°C em algumas regiões

Trânsito

BR-101 terá pontos de bloqueio nas próximas madrugadas, informa a PRF

Confira os dias, horários e pontos de fechamento da rodovia