keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Pinguins retornam ao mar em Florianópolis

Eles estavam sob os cuidados da Associação R3 Animal, através do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS)

Mais 18 pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) voltaram para o habitat natural, na manhã desta quarta-feira, 7, na Praia do Moçambique, em Florianópolis. Eles estavam sob os cuidados da Associação R3 Animal, através do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), no Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM). Esta é a terceira soltura de pinguins-de-magalhães nesta temporada, totalizando 56 animais. Mas esse número vai aumentar, pois 11 animais vão continuar em reabilitação até que tenham condições de voltarem para casa.

Todos os anos, desde o início do inverno, os pinguins-de-magalhães saem de colônias na Patagônia, na Argentina, em busca de alimento. Eles acompanham as correntes marítimas de água fria e acabam chegando em nossas praias. Infelizmente, alguns não conseguem retornar às colônias de origem e são encontrados mortos em nosso litoral. Outros chegam às praias cansados, debilitados, desidratados, muitos com quadro de pneumonia, e necessitam de cuidados. A maioria dessas aves são juvenis, estão em seu primeiro ano de vida, e encaram a primeira viagem.

Os animais resgatados vivos pelas instituições que executam o PMP-BS são levados para Unidades de Estabilização, para depois serem transferidos para Centros de Reabilitação de Animais Marinhos, como é o caso do CePRAM.
Desses 19 pinguins, 13 foram resgatados pelas seguintes instituições parceiras em Santa Catarina: cinco vieram da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), cinco da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC/Laguna), dois foram resgatados pela equipe da Universidade da Região de Joinville (Univille) e um pelo Instituto Australis/Projeto Baleia Franca. Os outros cinco, foram resgatados em praias de Florianópolis pela R3 Animal, sendo um deles entregue no Projeto Tamar com um anzol preso ao bico.

O Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM) fica localizado dentro do Parque Estadual do Rio Vermelho, unidade de conservação sob responsabilidade do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA-SC) em parceria com a Polícia Militar Ambiental.

Caso encontre um mamífero, tartaruga ou ave marinha morta ou debilitada, ligue 0800 642 3341.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama. Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Geral

Familiares se despedem do jornalista Dom Phillips em Niterói

Família disse que seguirá atenta aos desdobramentos das investigações

Geral

Quina de São João: Moradores de Bombinhas, Itajaí, BC e Camboriú ganham prêmios

Cerca de 32 apostas de SC acertaram na Quina de São João

Geral

Mega-Sena: Quatro apostas de SC ganham mais de R$ 30 mil

Apenas um jogo, do Estado de São Paulo, acertou seis números e vai receber o prêmio de R$ 78 milhões

Geral

VÍDEO: Presidente Jair Bolsonaro manda abraço para Itapema

Bolsonaro esteve no evento acompanhado da primeira-dama Michelle Bolsonaro

Mais notícias

Segurança

Polícia Civil investiga morte de bebê de cinco meses em Criciúma

Óbito ocorreu dentro de casa na noite de sexta-feira (24)

Geral

Familiares se despedem do jornalista Dom Phillips em Niterói

Família disse que seguirá atenta aos desdobramentos das investigações