keyboard_backspace

Página Inicial

Economia

PIB de 2020 fecha com queda de 4,1%, revela pesquisa do IBGE

Os serviços recuaram 4,5% e a indústria, 3,5%. Segundo o IBGE, esses dois setores somados representam 95% da economia nacional.

X
Foto: José Paulo Lacerda – CNI

O Produto Interno Bruto (PIB) do país caiu 4,1% em 2020, totalizando R$ 7,4 trilhões. Essa é a maior queda anual da série iniciada em 1996 e interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB (a soma de todas as riquezas produzidas no país) acumulou alta de 4,6%.

O PIB per capita alcançou R$ 35.172 no ano passado, recuo recorde de 4,8%. No quarto trimestre, que fechou o resultado de 2020, o PIB cresceu 3,2%. Os dados são do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais, divulgado nesta quarta-feira (3), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, o resultado é efeito da pandemia de covid-19, quando diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas para controle da disseminação do vírus. “Mesmo quando começou a flexibilização do distanciamento social, muitas pessoas permaneceram receosas de consumir, principalmente os serviços que podem provocar aglomeração”, disse.

Retração nos serviços
Os serviços recuaram 4,5% e a indústria, 3,5%. Segundo o IBGE, esses dois setores somados representam 95% da economia nacional. Já a agropecuária teve alta de 2,0%.

O menor desempenho dentro dos serviços foi o de outras atividades de serviços com retração de 12,1%. Nelas, estão incluídos os restaurantes, academias e hotéis. De acordo com Rebeca Palis, os serviços prestados às famílias foram os mais afetados negativamente pelas restrições de funcionamento.

“A segunda maior queda ocorreu nos transportes, armazenagem e correio (-9,2%), principalmente o transporte de passageiros, atividade econômica também muito afetada pela pandemia”, explicou.

Ainda no setor de serviços, as atividades de administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social registraram recuo de 4,7%, o comércio de 3,1%, informação e comunicação de 0,2%. As atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados tiveram movimento diferente em 2020 e subiram 4,0%, como também as atividades imobiliárias com alta de 2,5%.

Na indústria, o destaque negativo da queda de 3,5% foi o desempenho da construção (-7,0%), que voltou a cair depois da alta de 1,5% em 2019. Outro dado negativo observou-se nas indústrias de transformação (-4,3%), influenciadas pela queda na fabricação de veículos automotores, outros equipamentos de transporte, confecção de vestuário e metalurgia. Eletricidade e gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos tiveram retração de 0,4%. Já as indústrias extrativas subiram 1,3%. A explicação é a alta na produção de petróleo e gás, o que compensou a queda da extração de minério de ferro.

Os aumentos da soja (7,1%) e do café (24,4%) ajudaram a agropecuária a crescer 2,0%. Os dois produtos tiveram produções recordes na série histórica. Mas algumas lavouras observaram variação negativa na estimativa de produção anual, como a laranja (-10,6%) e o fumo (-8,4%). “Isso decorreu do crescimento da produção e do ganho de produtividade da agricultura, que suplantou o fraco desempenho da pecuária e da pesca”, observou a coordenadora.

Famílias
Na comparação com o ano anterior, todos os componentes relativos à demanda caíram em 2020. O consumo das famílias teve o menor resultado da série histórica (-5,5%). Conforme a coordenadora de Contas Nacionais, isso pode ser explicado, principalmente pela piora no mercado de trabalho e a necessidade de distanciamento social.

O consumo do governo recuou 4,7% e também foi recorde. O motivo é o fechamento de escolas, universidades, museus e parques ao longo do ano. Depois de uma sequência positiva de dois anos, os investimentos – a Formação Bruta de Capital Fixo – caíram 0,8%. A balança de bens e serviços registrou queda de 10% nas importações e 1,8% nas exportações.

Fonte: Agência Brasil

Economia

Santa Catarina tem mais de 4 mil vagas de emprego intermediadas pelo Sine

Os salários variam e as oportunidades são voltadas para pessoas com ou sem experiência, para nível superior, médio e fundamental de escolaridade

Economia

Bananicultores de Santa Catarina investem na diversificação da produção

O Norte é a principal região produtora de banana do estado, responsável por mais da metade da produção catarinense.

Economia

Consumo de gás natural em Santa Catarina cresceu 8,5% em março

Entre os setores que utilizam gás natural, o destaque no consumo foi a indústria

Economia

Gasolina na Região Sul tem alta de 12,56% e ultrapassa R$ 5,00

Mesmo com o aumento, o litro do combustível foi comercializado a R$ 5,528, o preço mais barato do País no fechamento de março

Economia

Prazo de entrega prorrogado: veja dicas para fazer sua Declaração de Imposto de Renda de maneira tranquila

O prazo para fazer a declaração do Imposto de Renda em 2021 iniciou em 1º de março e vai até 31 de maio, data que foi prorrogada pelo Legislativo.

Mais notícias

Segurança

Ator Felipe Titto é detido após abordar homem que abandonou cachorro em rodovia no RS

Felipe disse que que ficou alterado por causa da cena que tinha presenciado

Geral

Governadora de SC determina força máxima para buscar e devolver os R$ 33 milhões aos cofres públicos

Daniela pediu força máxima no caso e acionou a Procuradoria-Geral do Estado para avançar nas buscas pelos valores