keyboard_backspace

Página Inicial

Economia

Pesquisadores da Udesc relatam doença inédita no cultivo de lúpulo no Brasil

O principal prejuízo do patógeno é o dano causado ao cone, a parte da planta que é comercializada.

X
Foto: Divulgação Udesc

Pesquisadores do Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Lages, realizaram um relato inédito sobre a presença de um patógeno no cultivo do lúpulo no Brasil.

O grupo, do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal, identificou pela primeira vez de forma oficial a presença de oídio (Podosphaera macularis) na cultivar Chinook. Os primeiros sintomas foram observados em 2019, na área experimental, em Lages.

Desde então, os pesquisadores integraram três laboratórios da Udesc Lages (Fruticultura, Fitopatologia e Virologia) para implementar medidas para diminuir a incidência do oídio e buscar validação fitopatológica. O estudo inédito foi publicado na revista científica Plant Disease, periódico internacional da Sociedade Americana de Fitopatologia.

A descoberta auxiliará produtores na tomada de medidas assertivas para o controle e o sucesso na produção. “O oídio é um patógeno específico do lúpulo e não infecta outras culturas, como morango, amora ou framboesa, por exemplo”, explica a pesquisadora Mariana Mendes Fagherazzi, uma das autoras da publicação.

O principal prejuízo do patógeno é o dano causado ao cone, a parte da planta que é comercializada. “Novos estudos devem ser conduzidos a fim de esclarecer o impacto da severidade da doença na qualidade final do cone”, afirma Mayra Juline Gonçalves, que também trabalhou na pesquisa.

Segundo ela, o oídio está disseminado em todas as regiões produtoras e, de acordo com a literatura internacional, são necessárias várias aplicações de fungicidas para o controle efetivo. “A presença e a identificação de P. macularis é um novo desafio para os produtores no Brasil. Pesquisas relacionadas ao conhecimento do ciclo da doença, epidemiologia e estratégias de controle para o manejo integrado devem ser realizadas, visto que não há fungicidas registrados no Brasil para este patossistema”, conclui da pesquisadora.

O trabalho também tem como autores Fernando Sartori Pereira, Francinie Regianini Nerbass, Evandro Ferreira Zacca, Vinícius Bizolo Sommer, Leo Rufato, Ricardo Trezi Casa, Fabio Nascimento da Silva e Amauri Bogo.

Fonte: Visor Notícias

Economia

Atividade econômica de SC cresce 0,56% em abril

O resultado foi o terceiro melhor do país, atrás apenas do Amazonas e do Rio Grande do Sul.

Economia

Consórcio BC Eventos vence concessão do Centro de Eventos de Balneário Camboriú

O consórcio BC Events é formado pelas empresas Insight Gestão e Consultoria Ltda e Quality Empresarial Ltda.

Economia

Comércio catarinense tem alta de 2,8% nas vendas para o Dia dos Namorados

As vendas para o Dia dos Namorados deste ano no comércio catarinense registraram um aumento de 2,8% em relação ao mesmo período do ano passado. O cálculo da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina (FCDL/SC) foi […]

Economia

Novo perfil de consumidor frente ao mercado imobiliário

Pesquisa publicada recentemente aponta que as famílias passaram a buscar empreendimentos com áreas verdes e espaços compartilhados

Economia

Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial

Novo calendário começa nesta sexta-feira, para nascidos em janeiro

Mais notícias

Coronavírus

“Arraiá da Vacinação” atrai moradores para imunização contra a Covid-19 em Itapema

Para se vacinar é necessário ter feito o pré-cadastro no site da Prefeitura de Itapema (www.itapema.sc.gov.br) e estar com documento de identificação e cartão SUS

Geral

Dez dias após enxurrada, Camboriú volta a registrar alagamentos

Dez dias depois da enxurrada que castigou a cidade de Camboriú, o município voltou a registrar alagamentos por conta das chuvas neste sábado (19). A Secretaria de Proteção e Defesa Civil de Camboriú e o […]