keyboard_backspace

Página Inicial

Política

Pedido de impeachment de Moisés é uma agressão às eleições de 2018, diz procurador-geral

O procurador-geral do Estado, Alisson de Bom de Souza, subiu o tom em defesa da legalidade da equiparação salarial dos procuradores do Estado com os procuradores da Assembleia Legislativa (Alesc) e da fragilidade jurídica do pedido de impeachment que tramita no Parlamento. Segundo ele, “não há sustentação jurídica mínima para a abertura do processo” e o autor do pedido, defensor público Ralf Zimmer Junior, agiu “claramente com intenções políticas”. Souza diz que o processo é uma agressão às eleições de 2018, ao voto popular, e inaceitável do ponto de vista jurídico e político.

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) é peça central no impasse político entre governo e Alesc. Os procuradores foram os beneficiados com a chamada verba de equivalência que visa igualar os subsídios dos profissionais do Executivo com os do Legislativo. O pagamento foi suspenso em maio por decisão do pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE), mas sua autorização e realização são a base do pedido de impedimento contra o governador Carlos Moisés da Silva, a vice Daniela Reinehr, e o secretário de Administração, Jorge Eduardo Tasca.

“Essa questão da paridade remuneratória dos procuradores do Estado com os procuradores da Alesc é uma questão eminentemente jurídica e judiciária, tem sido discutida no âmbito de órgãos de controle e do Poder Judiciário. Trazer isso como um eventual crime de responsabilidade é algo que não ajuda porque não há sustentação jurídica mínima para a abertura do processo”, afirmou.

Na argumentação, Souza cita três fatores fundamentais para atestar a legalidade. Um deles é de que o artigo 196 da Constituição Estadual garante a paridade remuneratória, inclusive aos profissionais da Assembleia, o que sustentaria a legalidade do reajuste. Outro ponto é que a Procuradoria da Alesc rejeitou o primeiro pedido de impeachment, apresentado em janeiro, por falta de indícios sólidos de irregularidade. Uma terceira razão aponta para a inexistência de fatos novos do primeiro para o segundo pedido.

Na representação contra Moisés, Daniela e Tasca, Zimmer Junior reafirma a crença de que a equiparação é ilegal, entre outros motivos, porque na defesa ao primeiro pedido os acusados alegaram o cumprimento de decisão da Justiça. Segundo o autor da denúncia, essa ação seria ilegal. Ele cita ainda a decisão do TCE de suspender o pagamento e outra do TJSC, que barra a quitação dos valores atrasados.

“As alegações são de que houve uma decisão cautelar do TCE e um despacho do TJ, mas esses não são fatos novos a respeito da paridade. Não houve novidade fática. O mesmo ato ocorrido em outubro de 2019 [quando iniciou o pagamento] continuou exatamente igual, só que agora o parecer da Alesc trouxe essa questão de fatos novos que não existe”, diz o procurador.

Política

STF não aceita defesa de Moisés e impeachment segue em Santa Catarina

O processo de impeachment segue o trâmite no tribunal de julgamento em Santa Catarina

Política

Os bastidores da privatização da Companhia Energética de Brasília

Leia na Coluna esplanada de hoje direto de Brasília

Política

Instalação do tribunal especial de julgamento do impeachment ocorre nesta sexta (25)

Caberá ao relator sorteado apresentar um parecer quanto à admissibilidade ou não da denúncia

Política

Sorteio de desembargadores para o tribunal de impeachment será quarta-feira

Após a homologação do sorteio, o presidente Ricardo Roesler comunicará imediatamente os sorteados, caso não estejam presentes na sessão, e a presidência da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc)

Mais notícias