keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Pandemia reflete no aumento da demanda por reforma de barcos

Com o crescimento acelerado na compra de barcos durante a pandemia, reparos e manutenções preventivas entram na lista de prioridades dos brasileiros que possuem embarcações

X

A pandemia estimulou a venda de barcos no último ano pelas restrições de viagens, câmbio e pela segurança proporcionada pelo lazer náutico. De acordo com estimativas da ACOBAR – Associação Brasileira de Barcos e Seus Implementos, o crescimento em 2020 foi de 20% em vendas e atualmente mais de 900 mil embarcações navegam no Brasil. Com o aumento de vendas e a necessidade de reformas e manutenções preventivas em barcos, especialmente em meses de baixa temporada de navegação, uma das maiores revendedoras e distribuidoras de suprimentos náuticos brasileira, a Catarina Náutica, registrou crescimento de 28% em vendas de produtos para manutenção em junho de 2021, comparado com o mesmo período do ano anterior.

De acordo com o diretor da Catarina Náutica Roberto Deschamps, os reparos náuticos e serviços de pintura do barco costumam ocorrer todos os anos. “Os meses de julho até setembro são chamados de alta temporada de reformas, isso porque antecedem o verão e são indicados para que os clientes possam realizar os reparos necessários nas embarcações. Nessa hora, também recomendamos que as pessoas antecipem as reservas de vagas em marinas para retirar as embarcações da água e poderem fazer as pinturas de fundo, reparos de motores, sistemas elétricos e hidráulicos”, explica o diretor.

Com uma nova sede inaugurada em maio, a Catarina Náutica está presente em Itajaí, onde possui um shopping náutico com mais de 400 metros quadrados e estoque superior a quatro mil itens. Também atua por meio de quatro revendas parceiras no litoral catarinense e com e-commerce com entregas para todo Brasil.

É representante em Santa Catarina da multinacional Sika, marca de produtos químicos criada na Suíça e com 300 fábricas e subsidiárias em 101 países. “Anualmente precisamos aumentar a programação de fabricação de selantes náuticos para atender a temporada de manutenções. Nossa projeção para 2021 é de um crescimento de 30% em vendas de selantes no Brasil em relação à 2020”, afirma Thiago Vasques, responsável pelo mercado da Sika Marine no país.

Apesar da pandemia contínua de COVID-19, a Sika registrou crescimento de 12,6% no primeiro trimestre, um novo recorde de vendas de CHF 1.998,6 milhões (franco suíços), o equivalente quase R$11 milhões. “Nossa campeã de vendas entre os selantes da Sikaflex no Brasil é a 295 UV, indicada para áreas externas do barco, para a colagem e vedação externa de barcos, fibra, madeira, aço, alumínio, policarbonatos e vidros”, explica Deschamps. O tubo de 300ml Sikaflex é a 295 UV e é comercializado pela Catarina Náutica a partir de R$109,12, dependendo da quantidade.

Fonte: Visor Notícias

Geral

Lago seca na Bolívia e cientistas temem que nunca mais volte a encher

O Lago Poopó, na Bolívia, já foi fonte de vida para os habitantes locais que pescavam em suas águas abundantes e cultivavam ao longo de suas margens. Agora, é um deserto. Cientistas dizem que o […]

Geral

Cesta básica tem segunda queda de preços do ano em Itajaí

A pesquisa anotou os valores de 40 itens em 16 estabelecimentos da cidade na primeira semana do mês de agosto.

Geral

Três homens são presos por tráfico de drogas em SC e no Paraná em ação conjunta da Polícia Civil

Em maio, a investigação identificou um paraguaio que foi a Chapecó para promover o repasse de um carregamento de cocaína.

Geral

Caso da fazendeira desaparecida encontrada dentro de cobra píton volta à tona e assusta moradores

Moradores mataram a cobra e ao abri-la, se depararam com o corpo da fazendeira

Geral

Cachorro gordinho tenta fugir de casa e fica preso entre as grades do portão

Bombeiros conseguiram retirar o animal das grades; apesar do susto, ele não se feriu

Mais notícias

Geral

Lago seca na Bolívia e cientistas temem que nunca mais volte a encher

O Lago Poopó, na Bolívia, já foi fonte de vida para os habitantes locais que pescavam em suas águas abundantes e cultivavam ao longo de suas margens. Agora, é um deserto. Cientistas dizem que o […]

Geral

Cesta básica tem segunda queda de preços do ano em Itajaí

A pesquisa anotou os valores de 40 itens em 16 estabelecimentos da cidade na primeira semana do mês de agosto.