keyboard_backspace

Página Inicial

Brasil

Pandemia mudou consumo de café, dizem especialistas do setor

O isolamento social durante a pandemia de covid-19 fez apreciadores de café aprenderem diferentes formas de reproduzir em casa a experiência de consumir cafés especiais em uma cafeteria, e esse é um hábito que veio […]

X
Ministério das Relações Exteriores comemora o Dia Internacional do Café com a entrega do prêmio “Melhores cafés do Brasil”. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O isolamento social durante a pandemia de covid-19 fez apreciadores de café aprenderem diferentes formas de reproduzir em casa a experiência de consumir cafés especiais em uma cafeteria, e esse é um hábito que veio para ficar. A previsão é de James T. McLaughlin Jr, presidente da companhia Intelligentsia Coffee, uma empresa americana focada na inovação em cafeterias e cafés especiais. O empresário participou hoje (10) da Semana Internacional do Café, em Belo Horizonte, e apresentou sua visão sobre os rumos do mercado cafeeiro americano e mundial.

Para McLaughlin Jr., a pandemia acelerou mudanças que eram inevitáveis, como o aumento da venda de café pela internet, e obrigou as marcas a se mexerem para criar formas de se conectar com um público que parou de ir no balcão da cafeteria, mas mergulhou nas técnicas de preparo da bebida.

“Essa é uma grande oportunidade. Consumidores bem educados, que sabem preparar o café, que são curiosos sobre cada café diferente que temos, são os mais leais consumidores que poderíamos ter”, disse James.

Com a flexibilização do isolamento social e a manutenção de um grande número de trabalhadores em home office, as cafeterias em áreas residenciais passaram a ter uma grande procura e essa é outra tendência que James acredita ser permanente. Uma terceira aposta do empresário é nos formatos de café mais convenientes e fáceis de preparar, desde que se preserve a qualidade de grãos especiais.

“Não devemos temer a mudança, é preciso abraçá-la”, disse ele, que vê nas vendas pelas internet e plataformas digitais uma grande oportunidade de contar a história dos produtos, de uma forma que um barista não conseguiria fazer no balcão de uma cafeteria com uma fila de clientes.

Mercado brasileiro
No mercado brasileiro, o especialista em bebidas Rodrigo Mattos, do Instituto de pesquisa Euromonitor, avalia que a queda no consumo de café aqui foi menor que em outros países porque o Brasil já tinha uma tradição forte de consumo de café em casa.

Mattos vê um maior ganho de espaço para os grãos de cafés especiais no médio e longo prazo e acrescenta que cafés solúveis de melhor qualidade vivem uma expansão.

“Apesar de a gente ter um mercado super dinâmico e maduro de café, ele ainda tem espaço de crescimento, tem espaço de inovação”.

Em um cenário de inflação e perda de poder de compra do consumidor, ele destaca que o consumo de grãos diferenciados sofreu um forte impacto em 2020 e 2021, e deve levar anos para se recuperar, enquanto o tradicional café torrado e moído teve seu espaço na cesta básica preservado em muitos lares.

“Isso prejudica um pouco o mercado de café, que estava se movimentando na onda de cafés especiais e de melhor qualidade”, avalia.

Maior do mundo
O pesquisador ressaltou que o mercado brasileiro é o maior do mundo, com uma participação de cerca de 14% no consumo mundial de café. “835 xícaras [por ano] é a média do consumo de uma pessoa no Brasil, e faz sentido quando a gente pensa em duas xícaras e um pouquinho por dia. Até 2025 isso deve ir para 1.050 xícaras, mostrando que tem espaço para crescimento”.

A diretora executiva da Associação Brasileira de Cafés Especiais, Vanusia Nogueira, destacou que a pandemia interrompeu a expansão acelerada que o setor vivenciava, mas também trouxe novos pontos de vista sobre a atividade.

“Estávamos todos a mil por hora no início do ano passado, conversando no mundo todo a respeito de um mercado de cafés especiais que estava definitivamente decolando. De repente, para tudo”, disse ela. “Os grandes pontos de convivência para saborear o café especial, que eram as cafeterias, os hotéis, os restaurantes, tudo isso fechado”.

*Repórter viajou a convite da organização da Semana Internacional do Café

Fonte: Agência Brasil

Brasil

Feito com fezes de pássaro, café de Jacu produzido no Brasil é um dos mais caros no mundo

A iguaria pode ainda chegar ao preço do quilograma a custar R$ 900

Brasil

Legista confirma as causas da morte de Marília Mendonça

A morte de Marília e sua equipe podem ter sido instantâneas no momento em que o avião caiu

Brasil

Marcelo Falcão, ex-cantor do O Rappa, tem prisão decretada por falta de pagamento de pensão

Por conta da pandemia, a prisão de Falcão será domiciliar e terá duração de dois meses

Brasil

Golpistas pedem dinheiro para compartilhar fotos falsas do corpo de Marília Mendonça

A assessoria da cantora afirmou, nesta quinta-feira (11), que as fotos não são verdadeiras

Brasil

Preço do etanol na Região Sul é o mais caro em todo território nacional

Postos da região registram alta nas bombas e litro médio do etanol e da gasolina na região avançam 3%; gasolina ultrapassa média de R$ 6,00 em todos os estados

Mais notícias

Segurança

Motorista bêbado invade ponto de ônibus e mata uma pessoa em Penha

O motorista do carro, bêbado, acabou batendo contra um ponto de ônibus onde estavam os três homens

Coronavírus

SC confirma 1.232.109 casos, 1.207.753 recuperados e 19.976 mortes

Em comparação com a última atualização diária, há 3 óbitos a mais

Atendente Virtual Visor

Estou disponível, posso ajudar?

openPopup