keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Padrasto condenado pelo estupro de enteadas de 12 e 10 anos

A Justiça da Comarca de Ascurra condenou V.R.C.S (o nome não é divulgado para proteger a identidade das vítimas) a 46 anos e oito meses de reclusão em regime inicial fechado pelo crime de estupro […]

Imagem Ilustrativa/Visor Notícias

A Justiça da Comarca de Ascurra condenou V.R.C.S (o nome não é divulgado para proteger a identidade das vítimas) a 46 anos e oito meses de reclusão em regime inicial fechado pelo crime de estupro de vulnerável cometido contra as suas enteadas, durante aproximadamente dois anos. O Promotor de Justiça de Ascurra, Victor Abras Siqueira, já recorreu da sentença pedindo uma condenação maior.

Segundo a denúncia, V. teria praticado o crime de estupro de vulnerável contra a sua enteada mais velha desde que ela tinha a idade de 10 anos, no ano de 2018 até dezembro de 2019, quando a menina estava com 12 anos de idade. Foi também a partir de 2019, conforme as investigações, que ele começou a praticar o mesmo crime contra a menina mais nova, que, à época, estava com 10 anos de idade.

Para garantir o silêncio das vítimas, V. as ameaçava de morte e também afirmava que mataria a mãe das duas crianças.

Apesar das ameaças, a menina mais velha, não suportando mais a situação, começou a se recusar a continuar morando com sua mãe e insistiu para morar com a família de um tio, em outra cidade. Foi então que ela contou ao tio o que estava ocorrendo, o que levou à prisão preventiva do padrasto.

No período em que ocorreram os estupros, a família morou em cinco cidades:  Capão Alto, Caçador, Lontras, Lages e Ascurra.

O réu foi condenado por estupro de vulnerável, crime previsto no artigo 217 ¿ A do Código Penal, quando a vítima é menor de 14 anos de idade. Para chegar ao tempo total de pena, o Juiz de Direito Josmael Rodrigo Camargo levou em consideração o fato de o crime ter sido cometido repetidamente e de o autor ter se utilizado de sua condição de padrasto das crianças para consumar os estupros, além de ter feito graves ameaças às vítimas. Pelos crimes cometidos contra a irmã mais velha, o Juiz fixou a pena de 29 anos e dois meses de reclusão e pelos crimes contra a outra irmã, 17 anos e seis meses. Todas as penas devem ser somadas e cumpridas inicialmente em regime fechado.

O Promotor de Justiça  Vitor Abras Siqueira impetrou recurso junto ao Tribunal de Justiça no dia 6 de outubro, requerendo a revisão da dosimetria da pena para que os cálculos do tempo de reclusão seja maior.

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Segurança

Criança autista de 3 anos morre após amamentação em Penha

Segundo informações, a mãe da criança amamentou a pequena e em seguida colocou ela para dormir no quarto

Segurança

Criminosos furtam a placenta de catarinense acreditando ser carne

A vítima contou que guardou o órgão há 3 anos, quando teve sua filha, esperando mostrar para ela no futuro

Segurança

Motociclista morre em acidente com carro em SC

Quando os socorristas chegaram, já não havia ninguém no local do acidente

Segurança

PM de Itapema faz operação em áreas de invasão

Operação foi no bairro Alto São Bento

Mais notícias

Segurança

Criança autista de 3 anos morre após amamentação em Penha

Segundo informações, a mãe da criança amamentou a pequena e em seguida colocou ela para dormir no quarto

Segurança

Criminosos furtam a placenta de catarinense acreditando ser carne

A vítima contou que guardou o órgão há 3 anos, quando teve sua filha, esperando mostrar para ela no futuro