keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Obra de ampliação da rede de esgoto conclui implantação de 14km de rede em Balneário Camboriú

Nesta semana, os imóveis já receberam uma correspondência individual, informando que os moradores já podem fazer a ligação de suas residências à rede externa

X
Divulgação

Balneário Camboriú conta com mais 14km de rede coletora de esgoto implantada, totalizando mais de 98% de rede em toda a cidade. Esse percentual foi atingido com a conclusão da obra de ampliação da rede coletora de esgoto, que iniciou em janeiro de 2020 e contemplou 53 ruas e um canal em nove bairros: Nova Esperança:15; São Judas: 06; Barra:12; Praias Agrestes: 01 Laranjeiras e 01 Taquaras; Estados: 02; Nações: 05; Centro: 05; Ariribá: 06; Praia dos Amores: 01.

“Mais um importante passo rumo a universalização do saneamento em Balneário Camboriú com mais esses 14km de rede implantada, faltando apenas os bairros Estaleiro e Estaleirinho para termos a cidade 100% saneada, um compromisso que assumimos com a saúde e qualidade de vida da população”, destacou o prefeito de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira, reforçando que é muito importante agora a conscientização das pessoas em conectarem os imóveis à rede externa, conforme a legislação.

A execução do projeto contratado pela Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMASA), além da implantação de rede coletora compreendeu: 15 Estações Elevatórias; linha de recalque; emissário da Barra Sul e as obras da nova Subestação de Energia Elétrica e a Casa de Comando da Estação de Recalque de Esgoto 1 (ER1), e finalizou toda a parte estrutural nesta semana, com a liberação técnica de mais cinco ruas nos bairros São Judas e Barra, aptas a fazerem a ligação de esgoto dos imóveis.

Nesta semana, os imóveis já receberam uma correspondência individual, informando que os moradores já podem fazer a ligação de suas residências à rede externa. “A partir da entrega da notificação, os moradores têm o prazo de 60 dias para procurar a Emasa e solicitar a ligação. Depois, a equipe do Programa Se Liga na Rede inicia as vistorias para verificar se estão de acordo com as orientações repassadas”, explica o diretor-geral da Emasa, Douglas Costa Beber.

Das 53 ruas contempladas, 10 aguardam a liberação técnica para poderem se conectar. Toda a parte estrutural da obra foi concluída e entregue pela empresa executora, faltando a liberação dessas 10 ruas e a operação das bombas e elevatórias.

Ruas liberadas a partir de 20/05/2021 para ligação de esgoto:

São Judas: Rua Eduviges Diogo Ramos; Irineu Jacques; Rua Samuel Rocha (exceto casas na rua sem saída do campo de futebol); Rua Hermógenes Assis Feijó (entre Rua Maria Mansotto e Marginal Leste)

Barra: Rua Helena Maria Candido.

Fonte: Visor Notícias

Geral

Raro bagre amarelo que pode chegar até três metros é capturado por pescador

Peixe capturado seria um Siluro, uma das maiores espécies, que pode chegar a mais de três metros

Geral

Santa Catarina pode ser atingida por tempestade de areia igual a que assolou outros Estados

A situação já ocorreu em São Paulo e Mato Grosso do Sul e assustou moradores no início de outubro

Geral

SC: Mulher reclama de dores abdominais, descobre gravidez e bebê nasce às pressas em Posto de Saúde

Imagine chegar em um posto de saúde com dores abdominais e ter que passar por um trabalho de parto surpresa? Foi o que aconteceu com uma moradora de SC

Geral

Rede de distribuição de gás natural em SC chega a 1,3 mil km

Santa Catarina concentra mais de 130 mil usuários diretos e indiretos do insumo

Geral

Carreta tomba e interdita Serra Dona Francisca

Uma carreta carregando um container tombou na manhã desta sexta-feira (22) na Serra Dona Francisca em Joinville, interditando parcialmente a pista da via. Segundo informações da Polícia Militar Rodoviária (PMRv), a carreta tombou no quilômetro […]

Mais notícias

Cidades

Obras devem restringir o trânsito em via marginal da BR-101 em São José

Atividades, com duração de 15 dias, são executadas por empreendimentos locais e ocorrem para implantar faixa adicional em segmento de 500 metros

Brasil

Escola de cães-guia pede ajuda a empresários para se manter durante a pandemia

Desde o início da pandemia a Escola de Cães-guia Helen Keller tempassado por sérias crises financeiras, mas esse ano, a situação seagravou muito. “Vivemos somente de doações e com a COVID, muitasempresas que contribuíam para manter a escola pararam de doar, e issotem agravado cada dia mais nossa situação, precisamos urgentemente deapoiadores e empresas que patrocinem a HKeller”, fala Renato de Paula,que recentemente tomou posse como novo diretor de marketing da HKeller. De acordo com a administração a HKeller tem um custo mensal fixo deaproximadamente R$ 45.000,00, sendo ele a folha de pagamento dosfuncionários, despesas com veterinários, remédios e exames, e demaiscustos como água, luz, combustível etc. Para sanar os problemas financeiros a escola pede o apoio de empresas epessoas físicas que queiram colaborar mensalmente. “Vale lembrar queas doações das empresas de lucro real, podem ser deduzidas do impostode renda. Mas o importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, aautonomia e a inclusão?”, ressalta Renato. A Escola de Cães Guias Helen Keller é a única da América Latinamembro da Federação Internacional de Cães Guias, garantindo que oscães HKELLER sejam graduados por meio de técnicas, que observam acomunhão do bem-estar dos cães, com os da equipe e clientes. A HKeller e o Cão Guia no Brasil A Escola de Cães Guias Helen Keller possui um programa genético quejá está na sua quarta geração de cães, com assertividade de 90%.Este resultado elegeu a instituição para desenvolver tecnicamente oProjeto Cão Guia, do Governo Federal, entregando ao longo de 03 anosde seu trabalho, dentro deste projeto, 16 duplas (pessoa cega/cãoguia). O investimento para um cão HKELLER O investimento na formação de um cão HKELLER atinge cifras que giramem torno de 80 mil reais, durante o período de 2 anos, desde areprodução até a formação da dupla cão/cliente. Mas não se tratade custo e sim de qualidade de vida, autoconfiança e autonomia dapessoa cega, afinal, é impossível medir o valor da visão para o serhumano e os depoimentos deles asseguram que tiveram suas vidasimpactadas positivamente, com a companhia dos cães guias que receberamda escola. Atualmente são mais de 2 mil inscritos para receberem um cão-guiagratuitamente.  Para manter seu funcionamento e ampliar a formação deinstrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Kellerdepende do apoio da população. A Escola de Cães Guias Helen Keller conta apenas com o apoio dasociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursosnecessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamentode seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento,tanto dos cegos como de nossos voluntários socializadores; e tãoimportante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. O planejamento da escola é formar 24 cães HKeller por ano, procurandoassim, atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixavisão de forma gratuita. E ainda elaborar e implementar o planopedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores decães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; ea construção do Centro Veterinário HKeller com ampliação daestrutura física e sustentabilidade financeira. Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia Mesmo com a pandemia que está assolando a todos, e com a redução dosapoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no últimoano, aumentou a entrega de cães, a equipe técnica e pretende expandirainda mais sua atuação. “A HKeller cresceu, esse ano iremos entregar12 cães-guias, antigamente eram 4. Aumentamos nosso número deprofissionais, hoje temos 3 treinadores e mais 5 no suporte técnico eadministrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregandocada vez mais autonomia a pessoa cega ou com baixa visão. A pandemianos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elascaíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda asociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de formagratuita”, esclarece o diretor de marketing. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com cegos oubaixa visão Segundo o IBGE, em 2010, existem 14.727 pessoas cegas totais e 174.550pessoas com baixa visão, no estado de Santa Catarina. A Microrregião da Foz do Rio Itajaí́, que segundo dados daAssociação de Deficientes Visuais de Itajaí́ e Região – ADVIR, emseus registros de 2017, existem 613, pessoas cegas ou com baixa visão.Vale ressaltar que, esses dados referem-se apenas às pessoascadastradas na ADVIR, o que não significa a realidade do número depessoas cegas ou baixa visão, uma vez que nem todas as pessoas com estasituação estão inscritas nesta Associação. Saiba mais pelo Instagram da escola @caoguia.org.br e pelo sitewww.caoguia.org.br. Para quem quiser doar para a escola, atualmente são 4 canaisdisponíveis: QR Code, E-mail: ajude@caoguia.org.br e celular 47 997120986, que é o pix da escola.