keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Novas interdições em cultivos de moluscos de Santa Catarina são anunciadas

Nesta quinta-feira, 22, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural anuncia a interdição das localidades de Perequê, Ilha João da Cunha e Araçá, no município de Porto Belo; Fazenda da […]

Nesta quinta-feira, 22, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural anuncia a interdição das localidades de Perequê, Ilha João da Cunha e Araçá, no município de Porto Belo; Fazenda da Armação, em Governador Celso Ramos; Praia do Pontal e Praia do Cedro, em Palhoça. Nessas áreas está proibida a retirada e comercialização de ostras e mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia.

A interdição é necessária quando é detectada uma concentração de ficotoxina Ácido Okadaico acima dos limites permitidos nos cultivos de moluscos bivalves. Quando consumida por seres humanos, essa substância pode ocasionar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia.

A Cidasc intensificou as coletas para monitoramento das áreas de produção de moluscos interditadas e arredores. Os resultados dessas análises definirão a liberação ou a manutenção da interdição. Os locais de produção interditados serão liberados após dois resultados consecutivos demonstrando que os moluscos estão aptos para o consumo.

Liberação parcial

Ainda permanecem parcialmente interditadas as áreas de Sambaqui, Cacupé, Barro Vermelho, Costeira do Ribeirão, Freguesia do Ribeirão e Santo Antônio de Lisboa, no município de Florianópolis. Nessas localidades está autorizada a retirada e comercialização apenas de ostras.

As ostras foram liberadas a partir de dois resultados negativos consecutivos para presença de toxina diarréica. O gerente de Pesca e Aquicultura da Secretaria da Agricultura, Sérgio Winckler, explica que ostras e mexilhões se comportam de formas diferentes diante da concentrações de algas tóxicas, por isso, a desinterdição é parcial. “Existem diferenças nos sistemas de filtração dos moluscos. A ostra concentra menos toxinas, por isso, foi possível a sua liberação antes dos mexilhões”.

Ainda permanece proibida a retirada e comercialização de mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia dessas áreas.

Monitoramento constante

Santa Catarina é o único estado do país que realiza o monitoramento permanente das áreas de cultivo. O Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, permitindo maior segurança para os produtores e consumidores.

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Geral

Primeiro clube flutuante de SC naufraga na Ilha das Cabras em Balneário Camboriú

Não havia ninguém no local quando a estrutura se desprendeu. A estrutura ficava atracada na margem direita do Rio Camboriú

Geral

Telhado é arrancado, atinge duas casas e derruba poste de energia em Porto Belo

Duas famílias ficaram desabrigadas após telhado danificar as residências

Geral

Empresas da construção civil de Itapema e Porto Belo foram alertadas sobre o ciclone pelo Sinduscon

Comunicado foi feito ainda na segunda-feira, a partir de um encontro com representantes da Defesa Civil de Itapema.

Geral

Ciclone deixa desabrigados e cenário de destruição no Litoral de SC

Com ventos de mais de 110 km/h, ciclone provocou diversos estragos no Litoral

Geral

Bombeiros são acionados para possível desabamento de casa em Porto Belo

Informação foi divulgada em relatório do Corpo de Bombeiros na tarde desta quarta

Mais notícias

Geral

Primeiro clube flutuante de SC naufraga na Ilha das Cabras em Balneário Camboriú

Não havia ninguém no local quando a estrutura se desprendeu. A estrutura ficava atracada na margem direita do Rio Camboriú

Cidades

Força-tarefa de Itapema atuou durante toda a madrugada para diminuir estragos do ciclone

Foram registrados em média 150mm de chuva nas últimas 24h e cerca de 26 mil unidades ficaram sem energia elétrica