keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Ministério Público Federal vai investigar queda de linha de transmissão de energia elétrica causada por tornado em Santa Catarina

Pode ter havido omissão no reparo de linha alternativa, que poderia ter evitado que milhares de residências ficassem sem energia depois da passagem do tornado

X

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou procedimento para adotar medidas de responsabilização pela suspensão do fornecimento de energia elétrica a vários municípios da região meio oeste de Santa Catarina. Os municípios da região ficaram com fornecimento de energia elétrica total ou parcialmente suspenso desde a madrugada do último dia 28 de maio até a noite de ontem (1). Nessa noite, fortes ventos de um tornado assolaram a região, causando a queda de quatro torres de transmissão de alta tensão, que abasteciam vários municípios do meio oeste, especialmente Caçador, Fraiburgo e Videira.
A região de Caçador e outros municípios menores continuam totalmente sem o serviço público de energia elétrica, situação que perdura por mais de quatro dias. A ausência desse serviço público essencial tem causado elevados prejuízos à população, seja de ordem material, seja de ordem imaterial, como falta de água para atendimento das necessidades primárias, perda de aulas, dificuldades para atendimentos de saúde, fechamento de comércio, indisponibilidade de bens essenciais, ausência de segurança, deterioração de alimentos mantidos em refrigeradores, impossibilidade de acesso a apartamentos sem elevadores, hospitais, escolas, comércio e indústria da região, que não têm outra forma de funcionamento ou de preservação de alimentos.
Inicialmente, o procurador da República em Caçador (SC) Anderson Lodetti de Oliveira determinou que a Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) informe, no prazo de 24 horas, a atual situação do retorno da energia em cada uma das cidades atingidas, especialmente na região de Caçador. Apesar das notícias vindas de autoridades públicas municipais e estaduais no sentido de que os trabalhos de recuperação são intensos e ininterruptos, o Ministério Público Federal busca mais informações.
O MPF determinou ainda que a Celesc apresente informações completas, no prazo de 10 dias, sobre os municípios afetados, as medidas adotadas para regularizar o serviço de energia elétrica, tanto de forma paliativa como definitiva, os planos de atuação emergencial que foram acionados e suas respectivas eficácias.
A preocupação do MPF também é a indenização de todos os prejuízos sofridos pelos consumidores em razão da suspensão do serviço. A responsabilidade da Celesc e dos prestadores de serviço público é objetiva, como reconheceu o Tribunal Regional Federal da 4ª Região em caso semelhante do apagão de Florianópolis em 2003, e somente em casos excepcionais é excluída por fatos de força maior. Necessárias as apurações dos fatos para identificar os responsáveis, para posteriormente analisar a responsabilidade por danos causados aos consumidores e terceiros.
Na linha da obrigação de indenizar, o Ministério Público Federal questionou a Celesc sobre os canais e procedimentos que serão disponibilizados aos consumidores para soluções extrajudiciais de demandas indenizatórias e outras medidas que serão propostas para mitigar os danos causados pela suspensão do serviço público essencial.

Fonte: Visor Notícias

Cidades

Obras devem restringir o trânsito em via marginal da BR-101 em São José

Atividades, com duração de 15 dias, são executadas por empreendimentos locais e ocorrem para implantar faixa adicional em segmento de 500 metros

Cidades

Porto Belo inaugura nova praça de frente para o mar

Porto Belo agora conta com um novo espaço para integração da comunidade e visitação dos turistas. O Governo Municipal através da Fundação de Turismo realizou nesta sexta-feira (22) a entrega da nova Praça da Santa […]

Cidades

Abelhas furiosas matam agricultor e impedem bombeiros de sair de ambulância no interior de Santa Catarina

Senhor de 84 anos cuidava das abelhas no terreno de um vizinho. Os Bombeiros não foram informados sobre as abelhas e tiveram que se proteger na ambulância antes de partirem para o resgate

Cidades

ACITA inaugura nova sede no Espaço Cultural de Itapema

Nesta quarta feira (20/10) a Associação Empresarial de Itapema e Porto Belo – ACITA esteve reunida com seus Diretores, Coordenadores e Vice Coordenadores para a inauguração da nova sede, localizada no Espaço Cultural (antigo Mercado […]

Cidades

Pesquisa avalia hipótese de que sombra de prédios em BC traz mais conforto do que desconforto

O objetivo é apurar o modo como as pessoas reagem às condições microclimáticas

Mais notícias

Cidades

Obras devem restringir o trânsito em via marginal da BR-101 em São José

Atividades, com duração de 15 dias, são executadas por empreendimentos locais e ocorrem para implantar faixa adicional em segmento de 500 metros

Brasil

Escola de cães-guia pede ajuda a empresários para se manter durante a pandemia

Desde o início da pandemia a Escola de Cães-guia Helen Keller tempassado por sérias crises financeiras, mas esse ano, a situação seagravou muito. “Vivemos somente de doações e com a COVID, muitasempresas que contribuíam para manter a escola pararam de doar, e issotem agravado cada dia mais nossa situação, precisamos urgentemente deapoiadores e empresas que patrocinem a HKeller”, fala Renato de Paula,que recentemente tomou posse como novo diretor de marketing da HKeller. De acordo com a administração a HKeller tem um custo mensal fixo deaproximadamente R$ 45.000,00, sendo ele a folha de pagamento dosfuncionários, despesas com veterinários, remédios e exames, e demaiscustos como água, luz, combustível etc. Para sanar os problemas financeiros a escola pede o apoio de empresas epessoas físicas que queiram colaborar mensalmente. “Vale lembrar queas doações das empresas de lucro real, podem ser deduzidas do impostode renda. Mas o importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, aautonomia e a inclusão?”, ressalta Renato. A Escola de Cães Guias Helen Keller é a única da América Latinamembro da Federação Internacional de Cães Guias, garantindo que oscães HKELLER sejam graduados por meio de técnicas, que observam acomunhão do bem-estar dos cães, com os da equipe e clientes. A HKeller e o Cão Guia no Brasil A Escola de Cães Guias Helen Keller possui um programa genético quejá está na sua quarta geração de cães, com assertividade de 90%.Este resultado elegeu a instituição para desenvolver tecnicamente oProjeto Cão Guia, do Governo Federal, entregando ao longo de 03 anosde seu trabalho, dentro deste projeto, 16 duplas (pessoa cega/cãoguia). O investimento para um cão HKELLER O investimento na formação de um cão HKELLER atinge cifras que giramem torno de 80 mil reais, durante o período de 2 anos, desde areprodução até a formação da dupla cão/cliente. Mas não se tratade custo e sim de qualidade de vida, autoconfiança e autonomia dapessoa cega, afinal, é impossível medir o valor da visão para o serhumano e os depoimentos deles asseguram que tiveram suas vidasimpactadas positivamente, com a companhia dos cães guias que receberamda escola. Atualmente são mais de 2 mil inscritos para receberem um cão-guiagratuitamente.  Para manter seu funcionamento e ampliar a formação deinstrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Kellerdepende do apoio da população. A Escola de Cães Guias Helen Keller conta apenas com o apoio dasociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursosnecessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamentode seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento,tanto dos cegos como de nossos voluntários socializadores; e tãoimportante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. O planejamento da escola é formar 24 cães HKeller por ano, procurandoassim, atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixavisão de forma gratuita. E ainda elaborar e implementar o planopedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores decães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; ea construção do Centro Veterinário HKeller com ampliação daestrutura física e sustentabilidade financeira. Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia Mesmo com a pandemia que está assolando a todos, e com a redução dosapoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no últimoano, aumentou a entrega de cães, a equipe técnica e pretende expandirainda mais sua atuação. “A HKeller cresceu, esse ano iremos entregar12 cães-guias, antigamente eram 4. Aumentamos nosso número deprofissionais, hoje temos 3 treinadores e mais 5 no suporte técnico eadministrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregandocada vez mais autonomia a pessoa cega ou com baixa visão. A pandemianos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elascaíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda asociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de formagratuita”, esclarece o diretor de marketing. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com cegos oubaixa visão Segundo o IBGE, em 2010, existem 14.727 pessoas cegas totais e 174.550pessoas com baixa visão, no estado de Santa Catarina. A Microrregião da Foz do Rio Itajaí́, que segundo dados daAssociação de Deficientes Visuais de Itajaí́ e Região – ADVIR, emseus registros de 2017, existem 613, pessoas cegas ou com baixa visão.Vale ressaltar que, esses dados referem-se apenas às pessoascadastradas na ADVIR, o que não significa a realidade do número depessoas cegas ou baixa visão, uma vez que nem todas as pessoas com estasituação estão inscritas nesta Associação. Saiba mais pelo Instagram da escola @caoguia.org.br e pelo sitewww.caoguia.org.br. Para quem quiser doar para a escola, atualmente são 4 canaisdisponíveis: QR Code, E-mail: ajude@caoguia.org.br e celular 47 997120986, que é o pix da escola.