keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Mesmo após lei da Alesc proibir pedágios, MP diz Bombinhas pode cobrar TPA

TPA de Bombinhas já foi considerada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), constitucional

X
Prefeitura de Bombinhas

Após a aprovação de um projeto de lei na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), que proíbe a cobrança de pedágios urbanos, a 2ª Promotoria de Justiça de Porto Belo, arquivou uma notícia de fato sobre a continuidade da cobrança da Taxa de Preservação Ambiental (TPA) em Bombinhas. De acordo com a nota publicada pela colunista da NSC, Dagmara Spautz, o entendimento foi de que o caso de Bombinhas já está pacificado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou a taxa constitucional. A TPA voltou a ser cobrada no dia 15 de novembro.

O STF julgou o caso no ano passado, em resposta a uma ação direta de inconstitucionalidade movida pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). A Suprema Corte concluiu que a cobrança, em Bombinhas, não viola o direito de ir e vir e tem respaldo na preservação ambiental.

Os efeitos da aprovação da emenda constitucional na Alesc, em outubro, foram avaliados pelo Centro de Apoio Operacional do Controle da Constitucionalidade (Ceccon) do MPSC. A conclusão foi que, no caso de Bombinhas, não cabem mais questionamentos constitucionais à taxa, e por isso a manutenção da cobrança não expõe o prefeito Paulo Dallago Muller a ação por improbidade.

Um dos questionamentos feitos à continuidade da cobrança ao Ministério Público partiu do deputado estadual Ivan Naatz (PL), autor da PEC dos pedágios urbanos, que enviou em 17 de novembro ao Procurador Geral do Estado, Fernando Comin, um ofício em que questionou a retomada da cobrança.

O parecer do MPSC diz respeito apenas a Bombinhas. Santa Catarina também tem pedágio instituído em Governador Celso Ramos, onde a cobrança foi suspensa pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) antes da aprovação da PEC.

Fiscalização

A TPA de Bombinhas é alvo de um procedimento de acompanhamento e fiscalização por parte do Ministério Público, na 1ª Promotoria de Justiça. Neste momento, estão sob análise as contas desde o início da cobrança, na temporada 2014-2015. A perícia é feita pelo Centro de Apoio Técnico do MPSC e o resultado deve sair em abril do ano que vem.

Fonte: Dagmara Spautz/NSC

Geral

Matrículas online para Ensino Fundamental da Rede Municipal iniciam dia 18

Na próxima segunda-feira (18) iniciarão as inscrições para matrículas de novos alunos do 1° ao 9° ano do Ensino Fundamental da rede municipal. Para garantir a segurança dos pais e responsáveis em tempos de pandemia, […]

Geral

Mulher que difamou ONG de proteção aos animais em rede social pagará danos morais

No dia 31 de agosto de 2019, a mulher adotou um filhote de cachorro e, na ocasião, assinou um termo de responsabilidade pelo animal. Consta nos autos que o documento informava que o filhote ainda […]

Geral

MPSC recebe as informações sobre fiscalizações de festas e eventos de final de ano

Registros serão enviados às Comarcas para a análise das Promotorias de Justiça e avaliação sobre a necessidade de instauração de procedimentos para apurar os casos

Geral

Unidades Escolares e CMEIs passam por reformas e ampliações em Itapema

Durante o período em que as aulas presenciais estavam suspensas e agora nas férias dos estudantes da Rede Municipal de Ensino, a Secretaria de Educação segue com as obras de reforma, ampliação e finalização de […]

Geral

INSS: o que muda para quem quer se aposentar em 2021

Com a Reforma da Previdência aprovada em novembro do ano retrasado, as regras de aposentadoria do INSS tiveram algumas mudanças. Porém, quem está próximo de se aposentar pode entrar em uma regra de transição, ou […]

Mais notícias