keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

‘Melzinho do amor’, estimulante sexual que virou moda no Brasil, pode ser fatal

"Melzinho do amor" virou moda no Brasil nos últimos meses

X
Foto: Reprodução/RIC Record TV

Ganhando cada vez mais popularidade entre os casais, um estimulante sexual, conhecido como o ‘melzinho do amor’, pode ser muito perigoso para a saúde, principalmente porque pode ter componentes que não estão descritos na embalagem. Febre em São Paulo (SP), o item tem se espalhado pelo país como a nova moda entre os jovens. No rótulo do ‘melzinho do amor’, o produto é descrito como feito de mel, própolis, agrião e guaco, ingredientes comuns para tratamento de doenças relacionadas ao sistema respiratório.

O que não está descrito, porém, é que o ‘melzinho’ contém Sildenafil, componente usado em remédios para disfunção erétil, em uma dose equivalente a mais de dois comprimidos do medicamento, o popular ‘Viagra’ ou ‘azulzinho’. Isso foi comprovado através de análises em laboratório.

O ‘melzinho do amor’ foi encontrado em diversas lojas de Curitiba, com preços em cerca de R$ 20 a R$ 25. O perigo é que a substância Sildenafil pode acarretar em uma “diminuição da pressão arterial que pode ser fatal”, de acordo com a perita farmacêutica Paula Carpes Victório e que pode ser ainda pior quando associada ao consumo de bebidas alcóolicas, que potencializam o efeito do estimulante. Para pessoas com complicações cardíacas, principalmente, o ‘melzinho do amor’ pode trazer diversos problemas.

Um empreendedor de Curitiba, Osvaldo Brasil, contou como foi sua experiência com a substância. “Peguei um dia lá, tomei um sachêzinho, um pacotinho do tal do ‘melzinho’, rapaz, não é que o negócio foi legal?”, afirmou. Depois que analisou o rótulo e percebeu que não havia nenhuma certificação de órgãos reguladores da saúde, Osvaldo contou que não tomou mais o ‘melzinho’, com receio por não saber o que estava ingerindo e quais os seus riscos.

O produto não tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser vendido no Brasil. Seis marcas foram identificadas no Brasil — cinco delas importadas e produzidas em países como Líbano e Malásia. Apenas uma delas é nacional, comercializada por uma empresa sediada em São Paulo.

Fonte: ND+

Geral

Vídeo: Policiais resgatam três cavalos atolados até o pescoço em Florianópolis

Os cavalos estavam localizados próximos a um córrego, na rua Itapiranga

Geral

Árvore cai e bloqueia trecho da BR-101

Uma árvore caiu devida às chuvas deste sábado (19) e bloqueou um trecho da BR-101, na altura do km 234, em Palhoça. O incidente aconteceu durante à noite e ninguém ficou ferido. Equipes da Arteris […]

Geral

Árvore cai em cima de casa de idosa durante chuvas em São José

Em 24 horas, chovem 108mm na cidade de São José, na Grande Florianópolis (a região foi a mais atingida pela chuva que caiu em Santa Catarina neste sábado, dia 19). Em São José, foram registradas […]

Geral

Fortes chuvas deixam 11 pessoas desabrigadas em Florianópolis

Segundo a Defesa Civil municipal, não houve feridos

Geral

Dez dias após enxurrada, Camboriú volta a registrar alagamentos

Dez dias depois da enxurrada que castigou a cidade de Camboriú, o município voltou a registrar alagamentos por conta das chuvas neste sábado (19). A Secretaria de Proteção e Defesa Civil de Camboriú e o […]

Mais notícias

Segurança

Lázaro teria obrigado refém a fazer declaração de amor para a mulher

Depois da declaração, Lázaro foi embora da chácara e, segundo a dona da casa, pediu desculpas para a família

Geral

Vídeo: Policiais resgatam três cavalos atolados até o pescoço em Florianópolis

Os cavalos estavam localizados próximos a um córrego, na rua Itapiranga