keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Médico e hospital de SC são condenados por esquecer gaze dentro de mulher durante o parto

Submetida a uma cesariana, a paciente passou a sofrer com fortes dores, o que a levou a procurar atendimento

O juiz Edson Luiz de Oliveira, titular da 5ª Vara Cível da comarca de Joinville, condenou um médico e um hospital da cidade ao pagamento de R$ 20 mil, a título de indenização por danos morais, em favor de uma mulher que buscou atendimento naquela unidade e teve problemas de saúde.

Submetida a uma cesariana, a paciente passou a sofrer com fortes dores, o que a levou a procurar atendimento. Inicialmente atendida pelo réu, foi informada da possibilidade de estar acometida por uma grave doença. Ela então foi submetida a uma bateria de exames exploratórios, quando se verificou a presença de um “corpo estranho” e a necessidade de intervenção cirúrgica para retirá-lo. Somente ao final do procedimento foi identificado o causador do mal-estar – uma gaze cirúrgica que foi “esquecida” na região pélvica durante o parto, cinco meses antes. A mulher então buscou reparação pelos transtornos a que foi submetida.

Em sua defesa, o hospital disse que não tinha gerência pela atividade individualmente prestada, no exercício da medicina, por seus cooperados. Já o médico afirmou que  o parto por cesariana foi realizado sem qualquer intercorrência; a queixa da paciente ao procurar o pronto-atendimento era de dor epigástrica, não tendo, pois, qualquer relação com o achado radiológico; que a autora foi encaminhada ao seu consultório, sendo informada da necessidade de procedimento cirúrgico para retirada do corpo estranho e, caso não fosse uma compressa, como sugerido, o material seria encaminhado para biópsia; que a cirurgia foi realizada com sucesso e a gaze, descartada.

Na decisão, o magistrado salientou que o procedimento foi realizado nas dependências do hospital condenado, e o corpo clínico – outros profissionais como enfermeiros, instrumentadores etc. – que ali se encontrava em apoio e auxílio ao médico que comandava o procedimento cirúrgico é de sua responsabilidade. Logo, houve falha igual.

“Em decorrência, exclusivamente, dessa nefasta ocorrência, a autora, então com um bebê de cinco meses, foi obrigada a se render a outra intervenção hospitalar para correção do primeiro ato médico, que não foi executado da forma esperada ou, pelo menos, foi conduzido negligentemente, com erro grosseiro”, concluiu o magistrado.

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Geral

Catarinense ganha mais R$223 mil na Mega-Sena em aposta feita pela internet

A aposta foi feita pela internet e os números sorteados foram 20-34-38-40-49-54

Geral

BR-101 deve ganhar nova ponte entre as cidades de Itajaí e Navegantes

A proposta consta nos planos da concessionária e a construção deve ser feita paralela à duas pontos já existentes

Geral

Companhias áreas começam retomada do serviço de bordo em voos nacionais

Liberação foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Geral

Fotos: Geada transforma as paisagens da Serra Catarinense

Fotos do fotógrafo Wagner Urbano mostra como a geada afetou as paisagens das cidades da Serra

Mais notícias

Política

Lula deve chegar em Santa Catarina para campanha no começo de junho

A viagem de Lula para o Sul do Brasil estava prevista para maio, mas o casamento do ex-presidente modificou a agenda

Geral

Catarinense ganha mais R$223 mil na Mega-Sena em aposta feita pela internet

A aposta foi feita pela internet e os números sorteados foram 20-34-38-40-49-54