keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Médico é condenado a pagar indenização após amputar dedo de paciente em SC

Para o magistrado, o médico agiu com negligência ao não dar a devida atenção às queixas da paciente

Um médico da Serra catarinense foi condenado ao pagamento de R$ 25 mil, acrescido de juros e correção monetária, a título de indenização por danos morais em favor de uma paciente que, por erro médico, teve o dedo amputado. A decisão é da 3ª Vara Cível da comarca de Lages, ainda passível de recurso.

A mulher lesionou o dedo da mão em um acidente de trabalho e passou por dois procedimentos cirúrgicos realizados pelo mesmo médico. A paciente começou a queixar-se de dor severa. Nos autos, alega que procurou o médico várias vezes para dizer que as dores não eram normais. Em resposta, ouvia do profissional que tudo estava dentro do padrão. Ela procurou outro profissional para avaliação. A essa altura, o dedo já estava em estágio de necrose, com células e tecidos mortos. Para combater a infecção e evitar maiores danos à saúde, a única opção foi amputar o membro.

Na decisão, o juiz Francisco Mambrini destaca que ficou comprovada a falha no controle e no acompanhamento da recuperação do pós-operatório da paciente, embora a técnica operatória tenha sido corretamente empregada pelo médico. “O demandado não tomou nenhuma providência útil/urgente nem adotou conduta médica eficiente para conter o quadro clínico que claramente se agravava”, aponta na sentença. Pelos prontuários médicos, a mulher recebeu alta hospitalar com prescrição apenas de um medicamento anticoagulante. Se o tratamento tivesse ocorrido com antibiótico curativo, poderia ter evitado o lastimável resultado final observado, como afirmado em laudo pericial.

Para o magistrado, o médico agiu com negligência ao não dar a devida atenção às queixas da paciente, não diagnosticar a tempo e modo o agravamento do quadro clínico dela e não encaminhar o caso a algum especialista de forma rápida/precoce. “E, pior ainda, por não ter acompanhado o pós-operatório da autora de forma individualizada, ativa e séria, como recomendam os postulados médicos, máxime porque ele tinha o dever jurídico de agir para reverter o quadro ou ao menos minimizar os seus efeitos e porque reunia as condições técnicas e os mecanismos adequados para fazê-lo com êxito”, concluiu o magistrado. 

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Geral

Ventos da tempestade Yakecan fazem atividades serem interrompidas nas torres gêmeas de BC

Yachthouse também possui um sistema de contraventamento Outrigger, que foi instalado nos pavimentos 30 e 53 das duas torres

Geral

Piloto desiste de pousar avião em cidade catarinense por conta de vendaval

O avião chegou a fazer algumas voltas na região, mas acabou voltando ao aeroporto de Viracopos

Geral

Intercom Sul será realizado na Univali de Balneário Camboriú

Evento este ano tem como tema as Ciências da Comunicação contra a desinformação

Geral

Câmera flagra meteoro cruzando o céu de Itapema; veja o vídeo

Os lugares onde o meteoro foi registrado foi Jandira (SP), Curitiba (PR), São José dos Pinhais (PR), Itapema (SC) e Monte Castelo (SC)

Geral

Bispo-emérito de Blumenau irá celebrar o casamento de Lula

Em 2018, o bispo rezou uma missa para o ex-presidente pouco antes de ele ser preso em Curitiba

Mais notícias

Geral

Ventos da tempestade Yakecan fazem atividades serem interrompidas nas torres gêmeas de BC

Yachthouse também possui um sistema de contraventamento Outrigger, que foi instalado nos pavimentos 30 e 53 das duas torres

Segurança

Polícia Civil faz operação contra tráfico de drogas em Porto Belo

Investigações tiveram início em 2020 após Guarda Municipal apreender R$ 8 mil em posse de dois suspeitos