keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Mais dois casos suspeitos de fungo negro são investigados em Santa Catarina

Em casos graves, infecção causada por fungo negro pode evoluir para coma e óbito

X
Foto: Portal R7/Divulgação/Zygoli Research Constortium

Santa Catarina tem dois casos suspeitos do chamado fungo negro que estão sendo investigados. O termo é popularmente utilizado para se referir à mucormicose. Nesta terça-feira (8), a Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina) informou que os casos foram notificados nos municípios de Chapecó e Jaraguá do Sul.

Há ainda um caso suspeito em acompanhamento na cidade Joinville. O caso é de um homem, de 52 anos, que teve diagnóstico confirmado de Covid-19 e possui histórico de comorbidades (diabetes mellitus e artrite reumatoide)

Segundo a Dive/SC, todos os três casos estão aguardando a confirmação feita em laboratório, que pode demorar mais de 25 dias. O órgão estadual não repassou informações sobre sexo, idade ou histórico de comorbidades das duas investigações recentes.

O médico infectologista da Dive/SC, Fábio Gaudenzi, explicou que a mucormicose é uma infecção fúngica invasiva grave e que pode acometer as pessoas que já estão com a imunidade reduzida. Indivíduos diabéticos, com doenças onco-hematológicas ou que utilizam medicamentos imunossupressores são mais suscetíveis à contaminação.

Mucormicose

A mucormicose é uma infecção causada por um fungo da classe Zygomycetes e ordem Mucorales. A contaminação ocorre por meio da inalação de mofo mucoso, normalmente encontrado em esterco, plantas, frutas e vegetais em decomposição.

A doença não é contagiosa, o que significa que não pode se espalhar pelo contato entre humanos ou animais. Mas ela se espalha a partir de esporos de fungos que estão presentes no ar ou no ambiente, que são quase impossíveis de evitar.

Os sintomas iniciais da mucormicose são dores de cabeça, inchaço do rosto e febre. A infecção, que geralmente se manifesta na pele, pode espalhar-se para outras partes do corpo. Em casos graves, pode evoluir para coma e óbito.

O tratamento costuma ser realizado com intervenção cirúrgica para remover os tecidos infectados ou mortos. Em alguns pacientes, a evolução da doença pode resultar na retirada de parte da mandíbula ou do olho.

Também há tratamento medicamentoso, que pode envolver um período de quatro a seis semanas de terapia antifúngica intravenosa, dependendo do quadro clínico do paciente.

Diversos estudos estão sendo realizados no mundo para verificar possíveis relações entre a mucormicose e pacientes com Covid-19, especialmente os que apresentam comorbidades e quadros imunodeprimidos.

Fonte: Com informações do ND+

Geral

Professores de ciências participam de encontro para troca de experiências

Uso de experimentos nas aulas de ciências constitui uma relevante ferramenta no processo de aprendizagem

Geral

Vetter inicia construção de novo empreendimento em Penha

Com arquitetura contemporânea, o Coral Gables insere a cidade no rol do mercado imobiliário de luxo com aposta em soluções inéditas

Geral

Vídeo: Motorista perde controle em rotatória e quase vai para dentro de lagoa

O acidente foi registrado por volta das 3h50min em uma rotatória da cidade de Penha

Geral

“Considero ele um monstro”, pai de serial killer se desculpa por mortes

Durante uma semana de fuga, o homem matou pelo menos quatro pessoas e baleou outras três, além de fazer reféns em chácaras

Mais notícias

Segurança

Assaltante morre em confronto com a PM e dois são presos em Bombinhas

Dois criminosos foram mortos no final da tarde desta quinta-feira (17), no bairro José Amândio, em Bombinhas. Segundo informações preliminares eles haviam praticado assaltos na região da Grande Florianópoli

Cidades

Violência contra o idoso dobra durante pandemia e continua crescendo

Alerta foi feito nesta quinta-feira (17) durante Roda de Conversa entre os vereadores de São José , representantes de entidades e do município