keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

Justiça nega pedido de lockdown no município de Joinville por mais 14 dias

O Supremo Tribunal Federal já se manifestou em idêntico sentido, registrando que "vulneraria frontalmente o princípio da separação dos poderes a incursão do Judiciário numa seara de atuação, por todos os títulos, privativa do Executivo, substituindo-o na deliberação de cunho político-administrativo, submetida a critérios de conveniência e oportunidade

A 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca de Joinville, sob a titularidade do juiz Renato Roberge, negou na tarde desta terça-feira (28/7) o pedido formulado pela Defensoria Pública do Estado de Santa Catarina contra o município de Joinville para decretar a imediata suspensão do funcionamento de todas as atividades e serviços não essenciais por pelo menos 14 dias.

Em sua decisão, o magistrado argumenta que cada ator público deve assumir sua parcela de responsabilidade na atuação em prol da contenção da emergência de saúde que se atravessa, sendo recomendável – e necessário – que se respeitem as limitações constitucionais de atuação de cada um dos Poderes constituídos e, internamente, de cada uma das esferas de comando. “A medida postulada não pode ser deferida pelo Poder Judiciário, isso sem mesmo adentrar-se na circunstância de que este processo, iniciado pela Defensoria Pública, não se vê escoltado por um mínimo de elemento científico concreto a propósito da medida que se visa”, argumenta o juiz.

Ainda na decisão, o magistrado descreve que “enquanto não restar omisso (o que não é o caso do réu, que notoriamente vem atuando para a contenção da propagação viral), o Poder Executivo está blindado da intervenção judicial, notadamente no que diz respeito à nomogênese em políticas públicas”.

O Supremo Tribunal Federal já se manifestou em idêntico sentido, registrando que “vulneraria frontalmente o princípio da separação dos poderes a incursão do Judiciário numa seara de atuação, por todos os títulos, privativa do Executivo, substituindo-o na deliberação de cunho político-administrativo, submetida a critérios de conveniência e oportunidade.

A decisão finaliza explicando que o Poder Judiciário, nessa hipótese, é mero espectador, agindo apenas para aparar arestas de medidas que, induvidosamente, ultrapassem os limites constitucionais, como, ad exemplum, vedação ao exercício de um direito fundamental sem embasamento científico.

Geral

Vídeo: Aumenta o risco de alagamentos e deslizamentos em todo o Estado, alerta Defesa Civil de Santa Catarina

Risco é altíssimo para desastres (categoria vermelha) para a região entre a Grande Florianópolis e o Litoral Norte

Geral

Hospital Marieta recebe novo equipamento angiógrafo

Equipamento reforça a vocação do hospital em hemodinâmica, atendendo pacientes de alta complexidade

Geral

VÍDEO: Avião que transportava vacinas entre em rota de colisão com Boeing em Curitiba

De imediato, os pilotos da GOL fizeram uma curva para evitar a colisão

Geral

Polícia Civil prende suspeito de roubar e amarrar mulher em Laguna

Segundo o Delegado de Polícia William Testoni Batisti, o roubo aconteceu na madrugada de 13 de janeiro

Geral

Foragido da Justiça em Minas Gerais por feminicídio é preso em Santa Catarina

Homem de 41 anos, é suspeito de matar a companheira, de 36 anos

Mais notícias