keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Justiça mantém pena para motociclista que pilotava bêbado, sem habilitação nem capacete

O fato aconteceu numa rodovia no Oeste do Estado em setembro de 2018

X
Foto: Divulgação

Um homem que pilotava motocicleta não licenciada, em péssimo estado de conservação, sem capacete nem habilitação, e ainda por cima embriagado, foi condenado a seis meses de detenção, em regime semiaberto, assim como ficou proibido de obter a permissão ou habilitação para dirigir veículo automotor pelo período de dois meses.

O fato aconteceu numa rodovia no Oeste do Estado em setembro de 2018. Ao ser parado pelo policias, constatou-se que ele estava com os olhos vermelhos, falava enrolado, tinha hálito de bebida e 20 decigramas de álcool por litro de sangue, conforme o teste do bafômetro. Conforme os autos, ele é reincidente.

Inconformado com a sentença, a defesa do réu recorreu ao TJ e, entre outras coisas, alegou a “ausência de elementos suficientes a demonstrar a gravidade da conduta perpetrada pelo apelante, visto que não houve vítimas prejudicadas”.

O autor, conforme a defesa, apenas tomou “um pouquinho de bebida alcoólica” e “precisou ir para casa, ali perto, portanto teria dirigido por um pequeno trecho. A defesa pleiteou ainda a conversão da pena privativa de liberdade em restritiva de direitos e disse: “o recolhimento em sistema carcerário não seria o mais adequado nesse momento de pandemia, tendo em vista que o apelante conta com mais de 50 anos de idade.”

O relator da apelação, desembargador Carlos Alberto Civinski, explicou em seu voto não ser necessário, para a caracterização deste crime, a individualização de vítimas. “Ou seja, é dispensável a identificação de quem, efetivamente, correu o risco de ser atingido, sofrendo lesão, em virtude do comportamento do agente”. O magistrado esclareceu ainda que seria inviável que a pena privativa de liberdade se inicie no regime aberto, visto que o Código Penal veda a aplicação de regime mais brando em caso de réu reincidente.

Civinski disse que o delito previsto no art. 306 do Código de Trânsito Brasileiro é de perigo abstrato, e que basta para a sua caracterização que o condutor do veículo esteja com a capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou outra substância entorpecente, dispensada a demonstração da potencialidade lesiva da conduta. 

Noutra ponta, prosseguiu o desembargador, não prospera a assertiva de que a prisão não seria a medida mais adequada diante do fato do apelante ter mais de 50  anos, escorada no receio dos riscos a sua saúde em razão da pandemia.

“A crise do novo coronavírus  não é um passe livre para a liberação de todos, pois ainda persiste o direito da coletividade em ver preservada a paz social”, escreveu. Além disso, segundo o relator, “os protocolos de higienização recomendados pela Organização Mundial da Saúde vêm sendo estritamente observados nas unidades prisionais, tal como prevê o inciso III do art. 9º da Recomendação 62 do CNJ”.

Com isso, ele manteve intacta a sentença e seu voto foi seguido de forma unânime pelos demais integrantes da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina.

Fonte: Visor Notícias

Segurança

Polícia Civil prende jovens que arrancam coração de homem ainda vivo e gravam vídeos

Jovens arrancaram o coração da vítima e ainda filmaram toda a ação

Segurança

Acidente entre moto e carro em Porto Belo mata morador de Itapema

Motociclista retornava do trabalho quando se envolveu no acidente

Segurança

Homem é encontrado morto dentro de bueiro em SC

Vítima tem 22 anos e tinha marcas de facadas no pescoço e tórax

Mais notícias

Segurança

Polícia Civil prende jovens que arrancam coração de homem ainda vivo e gravam vídeos

Jovens arrancaram o coração da vítima e ainda filmaram toda a ação

Esportes

Presidente Bolsonaro assiste jogo do Brasil usando camiseta do Brusque

Foto foi publicada por ele nas redes sociais. Internautas repercutiram a imagem no Twitter