keyboard_backspace

Página Inicial

Saúde

Hospital Marieta realiza cirurgia de hérnia de coluna endoscópica, novidade na região

Paciente tinha uma hérnia na coluna, foi operado e voltou para casa no mesmo dia

X


A tecnologia a favor da saúde fez com que um paciente de 34 anos passasse por um procedimento de retirada de hérnia da coluna e recebesse alta no mesmo dia.  A equipe de trabalho levou uma hora nesta estreia da cirurgia endoscópica de hérnia no Hospital Marieta. Ela foi autorizada pelo Plano de Saúde Bradesco, que liberou o código e a técnica, então, passa a realizada em Itajaí.

“O paciente tinha uma hérnia na coluna, foi operado e voltou para casa no mesmo dia. É a parte mais vantajosa, já que este é um procedimento bem menos invasivo”, declara o médico cirurgião Juliano Eidt, que cuidou deste caso.

A endoscopia para cirurgia da coluna não é apenas um procedimento, mas sim uma técnica cirúrgica que, além das inúmeras vantagens, constitui uma maneira revolucionária de enxergar o problema. Assim como algumas décadas atrás o microscópio cirúrgico trouxe melhoria nos resultados operatórios e o endoscópio revolucionou a gastrocirurgia e neurocirurgia, esta técnica pode fazer o mesmo para a cirurgia de coluna quando bem utilizada. Apesar de já existir há bastante tempo, o seu uso demorou a se estabelecer devido a curva de aprendizado mais longa. Mas já está sendo utilizada em vários hospitais pelo país.

Para ficar mais claro, a cirurgia endoscópica tem como principal diferença o uso de uma câmera acoplada ao sistema para que o médico possa olhar para qualquer direção a partir do canal de trabalho, com toda a nitidez de um monitor Full-HD (alta qualidade) e com a luminosidade ideal controlada através de um foco de luz também acoplado ao sistema.

Segundo o médico Juliano Eidt, se comparada à cirurgia clássica de hérnia de disco, a de maneira endoscópica traz ainda como vantagem o fato de ser realizada com anestesia local e sedação, sem precisar de anestesia geral; o médico pode conversar com o paciente durante a cirurgia; a técnica não tem limite de idade ou de condição física para ser operado (na cirurgia tradicional, por ser necessária a anestesia geral, muitos pacientes com outras doenças não podem ser operados) e a incisão é bem menos invasiva na pele. Além disso, o procedimento é bem mais rápido e com pouco sangramento e é muito menor a dor pós-operatória garantindo uma recuperação mais rápida.

“Essa nova técnica mostra que o Hospital Marieta tem buscado trazer os melhores procedimentos e tratamentos em diferentes especialidades, como na ortopedia que, aliás, é uma das nossas vocações, junto com tantas outras especialidades médicas”, afirma a diretora geral da unidade, Irmã Mercia Lemes. 

Fonte: Visor Notícias

Saúde

Campanha de Multivacinação para crianças e adolescentes inicia nesta sexta-feira (01)

Vacinas do calendário de rotina estarão disponíveis nas 30 unidades de saúde do Município, a partir das 13h

Saúde

Serviço de vacinação domiciliar cresce durante a pandemia

Pessoas buscam maior segurança com o serviço, mantendo em dia a vacinação e evitando exposição externa, especialmente de bebês e idosos

Saúde

Vídeo: Mulher perde ponta do dedo após retocar unha de Acrigel

Drama vivido pela jovem viralizou no Tik Tok nos últimos dias.

Saúde

Conselho de Medicina de SC alerta que cirurgia de aumento do pênis não tem eficácia

Aumento peniano é ineficaz em homens que tem pênis com dimensões consideradas normais

Saúde

Surto da doença da ‘urina preta’, faz estado proibir consumo de peixes

São mais de 50 casos da síndrome de Half, conhecida como doença da urina preta

Mais notícias

Cidades

Obras devem restringir o trânsito em via marginal da BR-101 em São José

Atividades, com duração de 15 dias, são executadas por empreendimentos locais e ocorrem para implantar faixa adicional em segmento de 500 metros

Brasil

Escola de cães-guia pede ajuda a empresários para se manter durante a pandemia

Desde o início da pandemia a Escola de Cães-guia Helen Keller tempassado por sérias crises financeiras, mas esse ano, a situação seagravou muito. “Vivemos somente de doações e com a COVID, muitasempresas que contribuíam para manter a escola pararam de doar, e issotem agravado cada dia mais nossa situação, precisamos urgentemente deapoiadores e empresas que patrocinem a HKeller”, fala Renato de Paula,que recentemente tomou posse como novo diretor de marketing da HKeller. De acordo com a administração a HKeller tem um custo mensal fixo deaproximadamente R$ 45.000,00, sendo ele a folha de pagamento dosfuncionários, despesas com veterinários, remédios e exames, e demaiscustos como água, luz, combustível etc. Para sanar os problemas financeiros a escola pede o apoio de empresas epessoas físicas que queiram colaborar mensalmente. “Vale lembrar queas doações das empresas de lucro real, podem ser deduzidas do impostode renda. Mas o importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, aautonomia e a inclusão?”, ressalta Renato. A Escola de Cães Guias Helen Keller é a única da América Latinamembro da Federação Internacional de Cães Guias, garantindo que oscães HKELLER sejam graduados por meio de técnicas, que observam acomunhão do bem-estar dos cães, com os da equipe e clientes. A HKeller e o Cão Guia no Brasil A Escola de Cães Guias Helen Keller possui um programa genético quejá está na sua quarta geração de cães, com assertividade de 90%.Este resultado elegeu a instituição para desenvolver tecnicamente oProjeto Cão Guia, do Governo Federal, entregando ao longo de 03 anosde seu trabalho, dentro deste projeto, 16 duplas (pessoa cega/cãoguia). O investimento para um cão HKELLER O investimento na formação de um cão HKELLER atinge cifras que giramem torno de 80 mil reais, durante o período de 2 anos, desde areprodução até a formação da dupla cão/cliente. Mas não se tratade custo e sim de qualidade de vida, autoconfiança e autonomia dapessoa cega, afinal, é impossível medir o valor da visão para o serhumano e os depoimentos deles asseguram que tiveram suas vidasimpactadas positivamente, com a companhia dos cães guias que receberamda escola. Atualmente são mais de 2 mil inscritos para receberem um cão-guiagratuitamente.  Para manter seu funcionamento e ampliar a formação deinstrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Kellerdepende do apoio da população. A Escola de Cães Guias Helen Keller conta apenas com o apoio dasociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursosnecessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamentode seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento,tanto dos cegos como de nossos voluntários socializadores; e tãoimportante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. O planejamento da escola é formar 24 cães HKeller por ano, procurandoassim, atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixavisão de forma gratuita. E ainda elaborar e implementar o planopedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores decães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; ea construção do Centro Veterinário HKeller com ampliação daestrutura física e sustentabilidade financeira. Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia Mesmo com a pandemia que está assolando a todos, e com a redução dosapoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no últimoano, aumentou a entrega de cães, a equipe técnica e pretende expandirainda mais sua atuação. “A HKeller cresceu, esse ano iremos entregar12 cães-guias, antigamente eram 4. Aumentamos nosso número deprofissionais, hoje temos 3 treinadores e mais 5 no suporte técnico eadministrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregandocada vez mais autonomia a pessoa cega ou com baixa visão. A pandemianos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elascaíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda asociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de formagratuita”, esclarece o diretor de marketing. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com cegos oubaixa visão Segundo o IBGE, em 2010, existem 14.727 pessoas cegas totais e 174.550pessoas com baixa visão, no estado de Santa Catarina. A Microrregião da Foz do Rio Itajaí́, que segundo dados daAssociação de Deficientes Visuais de Itajaí́ e Região – ADVIR, emseus registros de 2017, existem 613, pessoas cegas ou com baixa visão.Vale ressaltar que, esses dados referem-se apenas às pessoascadastradas na ADVIR, o que não significa a realidade do número depessoas cegas ou baixa visão, uma vez que nem todas as pessoas com estasituação estão inscritas nesta Associação. Saiba mais pelo Instagram da escola @caoguia.org.br e pelo sitewww.caoguia.org.br. Para quem quiser doar para a escola, atualmente são 4 canaisdisponíveis: QR Code, E-mail: ajude@caoguia.org.br e celular 47 997120986, que é o pix da escola.