keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Homem condenado por assassinar ex-companheiro com bombom envenenado

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em sessão nesta semana (19/7), negou habeas corpus impetrado em favor de um homem recém-condenado pelo assassinato – por envenenamento – de um ex-companheiro, […]

Imagem Ilustrativa

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em sessão nesta semana (19/7), negou habeas corpus impetrado em favor de um homem recém-condenado pelo assassinato – por envenenamento – de um ex-companheiro, que havia rechaçado suas tentativas de reaproximação.

No último dia 4 de julho, o conselho de sentença do Tribunal do Júri da comarca da Capital considerou o réu culpado pelo crime, com pena fixada pelo juiz Luiz Felipe Canever em 30 anos de reclusão, em regime fechado. O magistrado, naquela oportunidade, determinou a expedição de mandado de prisão contra o homem e negou-lhe o direito de recorrer em liberdade.

A defesa do réu se insurgiu quanto à segregação desde já e impetrou o habeas no TJ. Argumentou, em síntese, que a preventiva não foi precedida de requerimento do Ministério Público e que não está configurado, com base em fatos contemporâneos ou em argumentos válidos, o perigo que a liberdade do cidadão representaria neste momento.

O desembargador Sérgio Rizelo, relator do HC, rejeitou o pleito da defesa. Esclareceu que o pedido de preventiva, embora não tenha partido do MP, encontra previsão legal no artigo 387, § 1º, do Código de Processo Penal, ao admitir oportunidade para avaliação sobre a custódia do preso mesmo que tal não tenha sido especificamente postulada.

Para além disso, o magistrado apontou que as circunstâncias do delito – envenenar a vítima por não aceitar o término do relacionamento – revelam, indubitavelmente, um desajuste social que reclama, por si, a custódia preventiva.

“Note-se […] que a passagem do tempo, por si só, não faz evanescer o risco de afetação da ordem pública. Quando a custódia é fulcrada na periculosidade social do agente, o critério é impérvio ao transcorrer dos dias (pois um comportamento que revela inadequação social continua a demonstrá-la mesmo tempos depois)”, finalizou o desembargador, seguido de forma unânime pelos demais integrantes do colegiado.

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Segurança

Homem é condenado a 28 anos de prisão por latrocínio de taxista idosa em Laguna

Homem estava no veículo da vítima quando, na estrada geral da praia do Gi, atacou a taxista com golpes de canivete

Segurança

Construção irregular é demolida em Porto Belo

Município vem atuando nos últimos meses para evitar as construções irregulares nas áreas consideradas de risco e de preservação

Segurança

Caminhão com 96 porcos cai em ribanceira da BR-282 em Chapecó

Veículo transportava 96 porcos e acabou caindo em uma ribanceira, às margens da rodovia

Segurança

Homem persegue e atira em crianças que tocaram campainha de sua casa por brincadeira

O caso foi registrado como disparo de arma de fogo e posse ilegal de arma de fogo

Mais notícias