keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Florianópolis terá a maior tela de LED da América Latina; Inauguração é em outubro

Megatela de 350m2 de LED ficará no rooftop de um prédio na avenida Beira-Mar Continental a 50m de altura

X

Mais audacioso projeto de mídia DOOH (Digital Out Of Home) da América Latina, o Floripa Square já tem previsão de inauguração. Será em outubro, após a montagem da estrutura que vai suportar a megatela de 350m2 de LED, instalada em área privativa, no rooftop de um prédio na avenida Beira-Mar Continental, a 50m de altura.

A montagem iniciou dia 6 e deve seguir até a última semana de setembro. O painel, com tecnologia de última geração, capaz de reproduzir conteúdo em 4K e imagens 3D, será autossustentável. A energia consumida pelo equipamento é produzida por uma Central Hidrelétrica (CGH) que pertence aos empreendedores e também por placas fotovoltaicas instaladas no alto do empreendimento.

O complexo Floripa Square possui o selo “Carbon Free”, conferido a empresas e empreendimentos que contribuem com a melhoria do ambiente das cidades, neutralizando o carbono emitido.

As operações do consumo de energia serão de fontes renováveis, compatíveis com os princípios de ESG (Environmental, Social and Governance). Além disso, atende a cinco dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. “O Floripa Square será um marco para a Capital. É um projeto em linha com os predicados que já destacam Florianópolis, e que há de reforçar nossa economia de forma sustentável e projetar a nossa cidade e Santa Catarina para o Brasil e o mundo”, diz Valton Carlos Werner Júnior, idealizador do Floripa Square.

Equipamento já está no Brasil
Após a etapa da montagem das estruturas metálicas, será executada a laje de cobertura da estrutura que abrigará o painel. Na sequência, ocorre a instalação dos painéis de LED, que já desembarcaram no Brasil. As estruturas metálicas e o painel pesam 43 toneladas e suportam ventos de até 200 km/h.

O Floripa Square terá vista para a Ilha de Santa Catarina e deve impactar cerca de 20 milhões de pessoas todos os meses. Além da tela, uma área exclusiva na cobertura – o Top Of The Square – será espaço para eventos que vão unir entretenimento e tecnologia. O empreendimento também foi pensado para ser utilizado como uma galeria de arte virtual, holográfica, com a veiculação de conteúdos conceituais e inovadores, dando vez e voz para a nova geração de artistas de base digital.

Fonte: Visor Notícias

Cidades

Porto Belo inaugura nova praça de frente para o mar

Porto Belo agora conta com um novo espaço para integração da comunidade e visitação dos turistas. O Governo Municipal através da Fundação de Turismo realizou nesta sexta-feira (22) a entrega da nova Praça da Santa […]

Cidades

Abelhas furiosas matam agricultor e impedem bombeiros de sair de ambulância no interior de Santa Catarina

Senhor de 84 anos cuidava das abelhas no terreno de um vizinho. Os Bombeiros não foram informados sobre as abelhas e tiveram que se proteger na ambulância antes de partirem para o resgate

Cidades

ACITA inaugura nova sede no Espaço Cultural de Itapema

Nesta quarta feira (20/10) a Associação Empresarial de Itapema e Porto Belo – ACITA esteve reunida com seus Diretores, Coordenadores e Vice Coordenadores para a inauguração da nova sede, localizada no Espaço Cultural (antigo Mercado […]

Cidades

Pesquisa avalia hipótese de que sombra de prédios em BC traz mais conforto do que desconforto

O objetivo é apurar o modo como as pessoas reagem às condições microclimáticas

Cidades

Estudantes participam de simulado do Sistema de Avaliação da Educação Básica em Itapema

Avaliação acontece a cada dois anos e é responsável por determinar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica na Rede de Ensino em todo o país

Mais notícias

Brasil

Escola de cães-guia pede ajuda a empresários para se manter durante a pandemia

Desde o início da pandemia a Escola de Cães-guia Helen Keller tempassado por sérias crises financeiras, mas esse ano, a situação seagravou muito. “Vivemos somente de doações e com a COVID, muitasempresas que contribuíam para manter a escola pararam de doar, e issotem agravado cada dia mais nossa situação, precisamos urgentemente deapoiadores e empresas que patrocinem a HKeller”, fala Renato de Paula,que recentemente tomou posse como novo diretor de marketing da HKeller. De acordo com a administração a HKeller tem um custo mensal fixo deaproximadamente R$ 45.000,00, sendo ele a folha de pagamento dosfuncionários, despesas com veterinários, remédios e exames, e demaiscustos como água, luz, combustível etc. Para sanar os problemas financeiros a escola pede o apoio de empresas epessoas físicas que queiram colaborar mensalmente. “Vale lembrar queas doações das empresas de lucro real, podem ser deduzidas do impostode renda. Mas o importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, aautonomia e a inclusão?”, ressalta Renato. A Escola de Cães Guias Helen Keller é a única da América Latinamembro da Federação Internacional de Cães Guias, garantindo que oscães HKELLER sejam graduados por meio de técnicas, que observam acomunhão do bem-estar dos cães, com os da equipe e clientes. A HKeller e o Cão Guia no Brasil A Escola de Cães Guias Helen Keller possui um programa genético quejá está na sua quarta geração de cães, com assertividade de 90%.Este resultado elegeu a instituição para desenvolver tecnicamente oProjeto Cão Guia, do Governo Federal, entregando ao longo de 03 anosde seu trabalho, dentro deste projeto, 16 duplas (pessoa cega/cãoguia). O investimento para um cão HKELLER O investimento na formação de um cão HKELLER atinge cifras que giramem torno de 80 mil reais, durante o período de 2 anos, desde areprodução até a formação da dupla cão/cliente. Mas não se tratade custo e sim de qualidade de vida, autoconfiança e autonomia dapessoa cega, afinal, é impossível medir o valor da visão para o serhumano e os depoimentos deles asseguram que tiveram suas vidasimpactadas positivamente, com a companhia dos cães guias que receberamda escola. Atualmente são mais de 2 mil inscritos para receberem um cão-guiagratuitamente.  Para manter seu funcionamento e ampliar a formação deinstrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Kellerdepende do apoio da população. A Escola de Cães Guias Helen Keller conta apenas com o apoio dasociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursosnecessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamentode seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento,tanto dos cegos como de nossos voluntários socializadores; e tãoimportante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. O planejamento da escola é formar 24 cães HKeller por ano, procurandoassim, atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixavisão de forma gratuita. E ainda elaborar e implementar o planopedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores decães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; ea construção do Centro Veterinário HKeller com ampliação daestrutura física e sustentabilidade financeira. Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia Mesmo com a pandemia que está assolando a todos, e com a redução dosapoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no últimoano, aumentou a entrega de cães, a equipe técnica e pretende expandirainda mais sua atuação. “A HKeller cresceu, esse ano iremos entregar12 cães-guias, antigamente eram 4. Aumentamos nosso número deprofissionais, hoje temos 3 treinadores e mais 5 no suporte técnico eadministrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregandocada vez mais autonomia a pessoa cega ou com baixa visão. A pandemianos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elascaíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda asociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de formagratuita”, esclarece o diretor de marketing. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com cegos oubaixa visão Segundo o IBGE, em 2010, existem 14.727 pessoas cegas totais e 174.550pessoas com baixa visão, no estado de Santa Catarina. A Microrregião da Foz do Rio Itajaí́, que segundo dados daAssociação de Deficientes Visuais de Itajaí́ e Região – ADVIR, emseus registros de 2017, existem 613, pessoas cegas ou com baixa visão.Vale ressaltar que, esses dados referem-se apenas às pessoascadastradas na ADVIR, o que não significa a realidade do número depessoas cegas ou baixa visão, uma vez que nem todas as pessoas com estasituação estão inscritas nesta Associação. Saiba mais pelo Instagram da escola @caoguia.org.br e pelo sitewww.caoguia.org.br. Para quem quiser doar para a escola, atualmente são 4 canaisdisponíveis: QR Code, E-mail: ajude@caoguia.org.br e celular 47 997120986, que é o pix da escola.

Segurança

Homem é denunciado por adotar e matar gatos; Polícia investiga caso

Homem foi ouvido na delegacia de Joia e confessou ter matado três gatos por estrangulamento