keyboard_backspace

Página Inicial

Geral

FIESC analisa situação de 878 km de rodovias estaduais nas regiões Oeste e Extremo-Oeste

Levantamento, apresentado em reunião, nesta quarta-feira, dia 6, mostra como estão as condições de 22 rodovias. Entre os trechos mais críticos estão segmentos das SCs 283, 155, 480, 482, 305, 161, 492, 496, 163 e 350

Divulgação

A Federação das Indústrias (FIESC) analisou a situação de 22 rodovias estaduais que cortam as regiões Oeste e Extremo-Oeste de Santa Catarina e totalizam 878 quilômetros. Entre os trechos considerados mais críticos estão as SCs: 283 (Mondaí-Palmitos, Arvoredo-Seara e Seara-Arabutã); 155 (Xanxerê-Xavantina, Bom Jesus-Abelardo Luz), 480 (Xanxerê-Bom Jesus); 482 (Galvão-Coronel Martins); 305 (São Lourenço do Oeste-Campo Erê); 161 (Anchieta SC-305 a Serra do Sul, na divisa com a BR-280, no Paraná); 492 (Maravilha-Santa Terezinha do Progresso); 496 (Tunápolis-Beato Roque/trecho em processo de implantação); 163 (Iporã do Oeste-Itapiranga) e 350 (Abelardo Luz-Passos Maia/implantação prevista, mas ainda não iniciada).

🛣️ Acesse a análise na íntegra. 
Clique aqui para ouvir áudio do presidente da FIESC sobre o tema

Clique aqui para ouvir áudio do consultor Ricardo Saporiti, autor do estudo

A análise foi apresentada pelo engenheiro Ricardo Saporiti, consultor da FIESC, nesta quarta-feira, dia 6, em reunião da Câmara de Transporte e Logística da entidade. Nos trechos mais críticos, o levantamento mostra trincamentos e desagregação do pavimento, buracos e afundamentos e trilhas de roda. O levantamento foi realizado pelo engenheiro Ricardo Saporiti, que percorreu as rodovias de 1° a 8 de maio.

“Apesar dos esforços do governo do estado, que elevou significativamente os investimentos na malha rodoviária, o estudo apresentado traduz a falta de uma política de estado, um programa de manutenção e conservação rotineira e preventiva do patrimônio rodoviário estadual, que a FIESC tem defendido ao longo dos anos”, diz o presidente da Federação, Mario Cezar de Aguiar. “No entanto, constatamos que a situação vem piorando ao longo do tempo, durante várias gestões do governo do estado, resultando na necessidade de restauração para mais de 60% da malha. Restaurar custa quatro vezes mais do que manter. O pavimento possui vida útil e sofre com a ação do tempo, excesso de carga e pelo uso contínuo”, acrescenta.

Conforme dados oficiais, nos últimos 40 meses, o governo de SC investiu R$ 307,2 milhões em manutenção e restauração de rodovias, ou seja, uma média de R$ 92,2 milhões por ano. Esse valor corresponde a 0,44% do patrimônio rodoviário catarinense. No entanto, tecnicamente, o percentual recomendável é de, no mínimo, 1% ao ano. Isso equivale a R$ 210 milhões por ano, considerando que a malha rodoviária estadual tem 8.345 quilômetros, com valor patrimonial estimado em R$ 21 bilhões. (Confira os gráficos abaixo).

Aguiar lembra que as condições das rodovias provocam acidentes, com perda de vidas, além de afetarem o custo de logística da indústria catarinense, que é superior à media nacional e ao de países como os Estados Unidos. 

Durante a reunião, o secretário adjunto da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Alexandre Martins, apresentou as ações do governo para a recuperação das rodovias estaduais, incluindo duplicação, restauração, travessias urbanas, tratamento de pontos críticos, levantamento visual contínuo, contratação de conserva, intervenção funcional, sinalizações, obras especiais e contenções. Além disso, Martins informou que a secretaria tem 23 obras em andamento ou em licitação para pavimentação de 400 quilômetros de rodovias estaduais não asfaltados.

Rodovias Estaduais com Manutenções Críticas – Oeste de SC

SC- 283Mondaí/ Riqueza/ Caibí/ Palmitos
Arvoredo/ Seara
Seara/ Arabutã  
SC- 155Xanxerê/ Linha das Palmeiras/ Xavantina
Bom Jesus/ Abelardo Luz   
SC- 480Xanxerê/ Bom Jesus  
SC- 482Galvão/ Coronel Martins 
SC- 305São Lourenço do Oeste/ Presid. Juscelino/ Campo Erê
SC- 161SC-305 ( Anchieta)/ Palma Sola/ Serra do Sul (BR-280/PR) 
SC- 492Maravilha/ Tigrinhos/ Sta. Terezinha do Progresso  
SC- 496Tunápolis/ Beato Roque ( Implantação/ Pavimentação)  
SC- 163Iporã do Oeste/ Itapiranga      
SC- 350Abelardo Luz/ Passos Maia ( Implantação/ Pavimentação) 

Fonte: FIESC

Conservação Rodoviária

AnoInvestimento
2019R$ 25.769.606,70
2020R$ 74.802.783,29
2021R$ 88.221.103,62
2022*R$ 118.427.847,02
TotalR$ 307.221.340,63
Média Investida por anoR$ 92.166.402,19
% anual sobre o patrimônio0,44%

Fonte: Governo do Estado Santa Catarina
* Diversas obras inclusas nos contratos – médio e/ou longo prazos

Fonte: Visor Notícias

Experimente um jeito prático de se informar: tenha o aplicativo do Visor Notícias no seu celular. Com ele, você vai ter acesso rápido a todos os nossos conteúdos sempre que quiser. É simples, intuitivo e gratuito!

Geral

Empresas da construção civil de Itapema e Porto Belo foram alertadas sobre o ciclone pelo Sinduscon

Comunicado foi feito ainda na segunda-feira, a partir de um encontro com representantes da Defesa Civil de Itapema.

Geral

Ciclone deixa desabrigados e cenário de destruição no Litoral de SC

Com ventos de mais de 110 km/h, ciclone provocou diversos estragos no Litoral

Geral

Bombeiros são acionados para possível desabamento de casa em Porto Belo

Informação foi divulgada em relatório do Corpo de Bombeiros na tarde desta quarta

Geral

Ciclone deixa rastro de destruição em Itapema, Bombinhas e Porto Belo

Milhares de residências estão sem energia elétrica e centenas de outras, juntamente com casas de comércio, edifícios e empresas sofreram danos.

Geral

Vídeo: Ciclone arranca placa de supermercado e carro é quase atingido em Porto Belo

Vídeo mostra em que a placa de um supermercado não aguenta a força dos ventos e caí na rua

Mais notícias

Tempo

Ciclone causou estragos em 32 cidades, deixou mais de 200 residências sem luz e bloqueou estradas em SC

O governador Carlos Moisés se reuniu com técnicos da Defesa Civil estadual, no início da tarde desta quarta, onde acompanhou a situação das regiões

Geral

Empresas da construção civil de Itapema e Porto Belo foram alertadas sobre o ciclone pelo Sinduscon

Comunicado foi feito ainda na segunda-feira, a partir de um encontro com representantes da Defesa Civil de Itapema.