keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Falsos videntes são condenados em Santa Catarina

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em matéria sob a relatoria da desembargadora Cinthia Beatriz da Silva Bittencourt Schaefer, manteve as condenações de um casal de falsos videntes, com […]

X
Pixabay/Imagem Ilustrativa

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em matéria sob a relatoria da desembargadora Cinthia Beatriz da Silva Bittencourt Schaefer, manteve as condenações de um casal de falsos videntes, com atuação no Extremo Oeste, pelo crime de estelionato. O homem, que usava o nome falso de Roberto Cover, recebeu a pena de três anos, sete meses e seis dias de reclusão em regime semiaberto.

A mulher, que usava o codinome de Estela Maris, foi condenada a dois anos e seis meses de prisão. Ela teve a pena privativa de liberdade substituída por duas restritivas de direito. A mulher terá de prestar serviço à comunidade pelo tempo da condenação e pagar prestação pecuniária no valor de 10 salários mínimos. O casal de falso videntes também terá de ressarcir um casal de vítimas em R$ 600 e uma segunda vítima em R$ 1 mil.

Durante o ano de 2017, segundo a denúncia do Ministério Público, um casal escutou um anúncio em uma rádio de um vidente que curava insônia e depressão. Com os mesmos sintomas, um idoso resolveu procurar a cura para os seus problemas com o pagamento de consulta no valor de R$ 600. Na oportunidade, o falso vidente e a sua companheira deram frascos com substâncias semelhantes a perfume como a medicação para a cura pelo valor de mais R$ 800. O idoso e a sua esposa pagaram apenas R$ 600, porque não tinham mais dinheiro no momento.

Meses mais tarde, uma outra vítima procurou o casal de estelionatários. A vítima queria que a filha voltasse a ter um bom relacionamento com o pai. Assim, o falso vidente cobrou R$ 1 mil para que a filha deixasse o marido e voltasse para a casa dos pais entre três e 21 dias. Como a promessa não se confirmou, a vítima pediu o dinheiro de volta, mas o falso vidente alegou que o trabalho estava feito.

Descontentes com a condenação em 1º Grau, o casal de falsos videntes recorreu ao TJSC. Pleiteou a absolvição, com a alegação de que a condenação foi prolatada baseada somente na palavra das vítimas e que não teriam agido com dolo. O homem disse que cobrava apenas um quilo de alimento não perecível e a mulher afirmou que não participava das consultas. Subsidiariamente, pediram a desclassificação para o crime de curandeirismo.

A sessão foi presidida pelo desembargador Luiz César Schweitzer e dela também participou o desembargador Luiz Neri Oliveira de Souza. A decisão foi unânime 

Fonte: Visor Notícias

Segurança

Morre no hospital mulher que foi espancada pelo marido em Campos Novos

Vítima teve morte cerebral causada pelo traumatismo craniano

Segurança

Jovem sofre choque elétrico enquanto sacava dinheiro em caixa eletrônico de SC

Jovem chegou a desmaiar no local após o choque e foi levado pelos bombeiros ao hospital

Segurança

Menino de 12 anos atinge o pai com facão ao ver ele agredindo a mãe

Homem chegou em casa bêbado e começou a bater na esposa

Segurança

Criança de três anos é resgatada com parada cardíaca após prender a cabeça em grade de Itajaí

O caso foi registrado após trabalhadores de uma obra notar o menino pendurado no local

Mais notícias

Geral

Alterações de trânsito na Marginal Oeste em Itapema são adiadas para próxima segunda-feira

Além disso, a rua 414 será sentido bairro Morretes e a rua 416 sentido Marginal Oeste

Turismo

Mirante do Encanto completa nove anos nesta terça-feira

Mirante do Encanto tem 26 metros de altura e sua base está 130 metros acima do nível do mar