keyboard_backspace

Página Inicial

Economia

Fabricante das marcas Brastemp e Cônsul defende foco em inovação para superar impactos da pandemia

Durante os meses mais difíceis do contágio pelo coronavírus a Whirlpool acelerou a implementação de projetos que trouxeram vantagens competitivas, disse a presidente da empresa, Andrea Salgueiro

X
Linha de montagem de máquinas de lavar da Whirlpool, unidade de eletrodométicos.

As empresas que investem em inovação em momentos de crise superam a concorrência na fase de recuperação, afirmou a presidente da Whirlpool Brasil, Andrea Salgueiro, na abertura do Fórum Radar, evento promovido pela Federação das Indústrias (FIESC), nesta terça e quarta-feira, dias 9 e 10 de novembro, em Florianópolis. ”As companhias têm que ter a inovação como drive de crescimento e mover a empresa para o próximo patamar”, declarou, lembrando que durante a pandemia, a Whirlpool acelerou a implementação de projetos que trouxeram vantagens competitivas. “A crise serve como adrenalina dentro de uma companhia para acelerar a transformação. Se você perde o passo da mudança, você fica para trás”, resumiu. 

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, observou que a pandemia acelerou drasticamente transformações que já estavam em curso. “Mudanças no comportamento do consumidor e outras, provocadas por novas tecnologias, são irreversíveis. A velocidade disso tudo é que amplifica o tamanho do desafio. Empresas que lidam com produtos de alta tecnologia sabem melhor do que ninguém como pode ser curta a distância entre a liderança de mercado num momento e o desaparecimento de um produto ou marca, pouco tempo depois. O que a pandemia nos mostrou é que a necessidade e a oportunidade são catalizadores para a transformação”, disse.

Apresidente da Whirlpool Brasil, Andrea Salgueiro, no telão durante evento na Fiesc

Andréa exemplificou como a pandemia mudou de forma significativa os hábitos dos consumidores, que redescobriram suas casas. E isso gerou mudanças nas empresas, especialmente para companhias como a Whirlpool, que fabrica bens de consumo como geladeiras e outros eletrodomésticos. Ela também chamou a atenção para práticas ambientais, sociais e de governança do negócio (ESG, na sigla em inglês). 

O presidente da Tupy, Fernando de Rizzo, apresentou uma linha do tempo em que relatou os principais momentos em que a empresa, fundada em 1938, precisou se reinventar. A companhia, de Joinville, produz componentes usados em segmentos como o automotivo e de bens de capital. “Inovação, transformação e reinvenção são inerentes à indústria e tudo isso só é possível pelas pessoas”, disse. Ele observou as mudanças em curso e os desafios, principalmente em relação à disponibilidade de energia, fator relevante para o crescimento mundial, além da questão do clima, que está em debate na COP 26.  

Rizzo também apresentou projetos que estão em fase de pesquisa pela Tupy e que podem ter impactos disruptivos no longo prazo, como a jornada da descarbonização, que envolve a reciclagem de baterias de lítio, em parceria com a USP, para desenvolver o processo adequado de recuperação de materiais. Também há um projeto na Áustria para desenvolver um motor de alta performance que usa hidrogênio. Para 2022, ele antecipou que será lançado o compromisso público de sustentabilidade da companhia. “A taxa de reinvenção da companhia precisa acelerar. É isso que estamos tentando mostrar aqui. As iniciativas são conectadas e funcionam em rede”, declarou. 

A importância das práticas ESG também foram destacadas pelo diretor da NOVA School of Business and Economics, Daniel Traça. Na opinião dele, a maior parte das empresas percebem a urgência do tema, mas o desafio é saber como transformar a organização em uma organização voltada para isso. “O mundo está sob uma pressão intensa. E essa mudança vai chegar depressa. As empresas precisam ser disruptivas e estar à frente do tempo. O conforto de hoje é o desconforto de amanhã”, declarou, lembrando que a sustentabilidade é uma exigência da sociedade, dos consumidores, dos investidores e dos acionistas também. 

O diretor de inovação da FIESC, José Eduardo Fiates, que moderou um painel com os demais palestrantes, lembrou a importância desse momento de mudança para repensar e identificar oportunidades. “Os cases de referência da Tupy e da Whirlpool são exemplos que representam o processo de reinvenção”, disse. 

Fonte: Visor Notícias

Economia

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz ministro

Para ele, política econômica segue caminho correto

Economia

Vendas da Black Friday tiveram crescimento discreto em SC

Diferente de 2020, as lojas físicas tiveram uma representatividade maior que as lojas online, na proporção de 60% e 40%, respectivamente

Economia

Itajaí entrega pedido para manutenção da Autoridade Portuária ao Ministro da Infraestrutura

Visita em Brasília também reforçou pleito do Município pela renovação do convênio de delegação com o Porto

Economia

Porto de São Francisco revitaliza estrutura ferroviária interna à espera da safra recorde de soja

A próxima safra de soja no Brasil, que começa no início de 2022, promete ser a maior da história. O Porto de São Francisco do Sul já se antecipou e concluiu as obras de melhoramentos […]

Economia

Poderá faltar combustível em dezembro; Petrobras diz que não atenderá toda demanda

Segundo a companhia, pedidos de diesel encaminhados pelas distribuidoras para o mês de dezembro foram atípicos e superiores

Mais notícias

Atendente Virtual Visor

Estou disponível, posso ajudar?

openPopup