keyboard_backspace

Página Inicial

Coronavírus

Exercícios físicos melhoram sintomas de sequelas de Covid-19, aponta estudo preliminar

Participam da pesquisa também a Universidade do Extremo Sul Catarinense(UNESC) e Universidade do Sul Catarinense (UNISUL).

X
Foto: Divulgação/ Fapesc

Mesmo recuperada da covid-19, Janice Daniel Dal Toe, 59 anos, sentia as sequelas da doença: forte falta de ar, cansaço e dor de cabeça. Em novembro do ano passado, ela começou a participar de um programa de reabilitação realizado por meio de exercícios físicos. “Quando iniciaram as atividades, queria até desistir porque não tinha força”’, conta. “Mas a cada dia que fazia os exercícios ia melhorando. Graças a essa reabilitação posso dizer que estou curada, não tenho sequelas”.

Janice e o marido Idoclecio Biff Dal Toe, 62 anos, moradores de Morro Grande, tiveram covid-19 em agosto e, em novembro, ainda sentiam as sequelas da doença. Então se inscreveram para participar de um programa de reabilitação, o “RE2SCUE: REabilitação REspiratória em Sobreviventes da COVID-19”. O projeto de pesquisa conta com financiamento do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com bolsas de estudo da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

O estudo, que completou a fase piloto em fevereiro com a reabilitação de 10 pacientes, é liderado pelo pesquisador Aderbal Silva Aguiar Junior, professor do Departamento de Ciências da Saúde do Centro Araranguá da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). “Observamos uma melhora de 90% nos sintomas de fadiga, dispneia, nas dores e na ansiedade dos pacientes, principais sequelas da doença. Também aumentou a capacidade funcional deles, importante para o dia a dia e retorno ao trabalho”, explica Aguiar Júnior.

O projeto usa exercícios físicos como forma de tratamento. Devido aos possíveis riscos, pois se desconhecia o impacto do exercício nestes pacientes, o projeto foi realizado em ambiente hospitalar, no Hospital Regional de Araranguá (HRA), gerenciado pelo Instituto Maria Schmitt (IMAS). Caso necessário, o local conta todo o background para tratar uma emergência. “É importante destacar que não houve nenhuma intercorrência, ou seja, nenhum paciente precisou de suporte de emergência, de suporte de oxigênio. Isso mostrou que o programa é muito seguro”, destaca Aguiar Junior.

Primeiro, os pacientes selecionados passaram por uma análise. Entre suas sequelas estavam fadiga física e mental, falta de ar (dispneia), falta de memória, dor muscular, dor articular, sintomas de ansiedade e depressão, limitação da funcionalidade, diminuição na força muscular periférica e limitação da capacidade de exercício. Em seguida, iniciaram oito semanas fazendo os exercícios.

Antes de participar do programa, Janice sentia-se cansada apenas em subir alguns degraus da escada ou mesmo fazer uma curta caminhada. A cada dia que participava via progresso. “Sempre fui uma pessoa muito sedentária e percebi o quanto é necessário movimentar o corpo e exercitar para voltar a ter força. E foi o que aconteceu. Minha dor de cabeça passou, a pressão normalizou e o cansaço não tem mais nada. A força voltou todinha. Sou muito agradecida a este grupo”.

Participam da pesquisa também a Universidade do Extremo Sul Catarinense(UNESC) e Universidade do Sul Catarinense (UNISUL).

Pesquisa pode se tornar projeto público

De acordo com Maria Cristine Campos, estudante de doutorado no programa de Neurociências da UFSC e uma das responsáveis pela avaliação dos pacientes, os exercícios são prescritos individualmente. “A caminhada na esteira é prescrita de maneira individual com base na frequência cardíaca e na tolerância do paciente. Depois, eles vão para o exercício de força, com fortalecimento muscular, que trabalha tronco, membros superiores e inferiores, com caneleiras e halteres. Em seguida fazem alongamento. Se for necessário, é feito exercício respiratório. Até agora não foi necessário. Mas está incluído no protocolo”.

O protocolo poderá ser utilizado após o fim da pesquisa – até o fim do ano a ideia é que outros 80 pacientes participem do estudo “Nossas conclusões do piloto são de que é um programa seguro e eficaz, com uma infraestrutura que provavelmente o SUS já possui, sem grande probabilidade de intercorrência”, diz Aguiar Júnior. “São dados preliminares e precisamos seguir com a pesquisa. Foi algo que pensamos um ano atrás e agora estamos vendo esta sequela pós-COVID-19. Podem ser tratadas por um sistema de reabilitação que o próprio SUS já possui.”

O anteprojeto nº 032/2021 apresentado pelo vereador Luiz José de Souza, conhecido como Luiz da Farmácia, e aprovado pela Câmara de Vereadores de Araranguá, no dia 16 de junho, é um passo neste sentido. O executivo sinalizou uma resposta positiva à proposta. A nova norma autoriza a prefeitura a implementar o RE2SCUE no município, que contará com assessoria do Laboratório de Biologia do Exercício (LABIOEX) da UFSC. A previsão é de que mais 240 atendimentos sejam realizados por mês – podendo aumentar conforme a contratação de mais profissionais.

Na justificativa do projeto, o vereador Luiz José de Souza apontou que o objetivo é prestar um atendimento de referência e humanizado. “A metodologia inovadora pretende combinar prática clínica na avaliação e tratamento dos pacientes com BIG DATA para melhor entendimento das sequelas da COVID-19. Assim, o serviço aprenderá e evoluirá com a própria experiência, melhorando e otimizando a assistência e o decision-making na clínica e na gestão em saúde. Toda informação gerada nas avaliações e tratamentos serão registrados e armazenada em banco de dados para futura análise BIG DATA no LABIOEX/UFSC para ajustes nas matrizes de avaliação e tratamento através da identificação de biomarcadores.”

De acordo com o presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, a fundação está cumprindo seu papel. “Apoiar pesquisas que atuam diretamente nos problemas das pessoas e da sociedade faz parte dos objetivos da Fapesc. Assim, quando vemos a interação dos pesquisadores dentro dos desafios propostos e os resultados das pesquisas aparecendo, ficamos satisfeitos por estarmos cumprindo nosso papel. Trabalhamos para ampliar os recursos e programas de pesquisa e Inovação para Santa Catarina”.

Fonte: Visor Notícias

Coronavírus

Matriz de Avaliação de Risco Covid-19 aponta 13 regiões no nível moderado

Houve melhora nos indicadores das regiões Alto Vale do Itajaí, Nordeste e Oeste

Coronavírus

Festa de Réveillon no Rio de Janeiro é cancelada

Prefeito Eduardo Paes anunciou, na manhã deste sábado o cancelamento da festa na Praia de Copacabana

Coronavírus

Primeiro caso da variante Ômicron é confirmado no Rio Grande do Sul

Mulher está devidamente imunizada contra a covid-19 e, ainda assim, apresentou febre. Ela cumpre isolamento domiciliar

Coronavírus

Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

Santa Catarina tem mais de 5 milhões de pessoas completamente imunizadas com a segunda dose ou dose única da vacina contra a Covid-19. De acordo com a última atualização do vacinômetro, agora já são 5.011.080 […]

Coronavírus

SP usará vacina da Pfizer como segunda dose em quem recebeu a Janssen

Prefeitura diz que não há registro da Ômicron na capital

Mais notícias

Coronavírus

Matriz de Avaliação de Risco Covid-19 aponta 13 regiões no nível moderado

Houve melhora nos indicadores das regiões Alto Vale do Itajaí, Nordeste e Oeste

Segurança

Mãe que abandonou bebê em geladeira é presa pela Polícia Militar

Suposta mãe da criança entregou um embrulho para vizinha, há um ano atrás, dizendo que era um pedaço de carne

Atendente Virtual Visor

Estou disponível, posso ajudar?

openPopup