keyboard_backspace

Página Inicial

Segurança

Crianças mortas em creche catarinense teriam menos de dois anos

Ao todo, três crianças e outros dois adultos morreram

X
Reprodução/Redes Sociais

O delegado Jerônimo Marçal Ferreira, responsável pela investigação do atentado feito em uma creche, no município de Saudades, no Oeste de Santa Catarina, contou em uma entrevista coletiva que as crianças mortas na chacina teriam menos de dois anos cada. Ao todo, três crianças e outros dois adultos morreram.

Jerônimo afirmou, ainda, que foram encontrados “objetos estranhos” na casa do autor do atentado. Ferreira não adiantou quais seriam os objetos.

O delegado ainda explicou que não existem indícios de que jogos ou desafios online tenham sido a motivação do crime e, acredita também, que tenha sido um caso isolado. A creche onde o atentado aconteceu está lacrada e aguardando a chegada dos peritos.

A arma utilizada e até as vítimas seguem no local do crime. O delegado explicou que é necessário manter a cena do crime intacta para ajudar nas investigações. A arma utilizada pelo criminoso teria sido uma adaga.

O autor do crime teria chegado de bicicleta na Escola Infantil Pró-Infância Aquarela no horário do lanche das crianças. A professora morreu ao tentar proteger os bebês que estavam no momento do atentado.

O criminoso, que está em estado grave no hospital, tentou suicídio logo após o ataque. Ele desferiu golpes em vários pontos do próprio corpo.

Fonte: Visor Notícias

Segurança

Homem é denunciado por adotar e matar gatos; Polícia investiga caso

Homem foi ouvido na delegacia de Joia e confessou ter matado três gatos por estrangulamento

Segurança

Menino de 5 anos teria colocado fogo no colchão com isqueiro; Dois bebês morreram carbonizados

Duas crianças, de 1 e 2 anos, foram encontradas mortas perto de sofá

Segurança

Moto cai e mata criança de dois anos; guidão atingiu a cabeça do menino

O manete do guidão atingiu a criança na têmpora, causando o ferimento fatal

Mais notícias

Brasil

Escola de cães-guia pede ajuda a empresários para se manter durante a pandemia

Desde o início da pandemia a Escola de Cães-guia Helen Keller tempassado por sérias crises financeiras, mas esse ano, a situação seagravou muito. “Vivemos somente de doações e com a COVID, muitasempresas que contribuíam para manter a escola pararam de doar, e issotem agravado cada dia mais nossa situação, precisamos urgentemente deapoiadores e empresas que patrocinem a HKeller”, fala Renato de Paula,que recentemente tomou posse como novo diretor de marketing da HKeller. De acordo com a administração a HKeller tem um custo mensal fixo deaproximadamente R$ 45.000,00, sendo ele a folha de pagamento dosfuncionários, despesas com veterinários, remédios e exames, e demaiscustos como água, luz, combustível etc. Para sanar os problemas financeiros a escola pede o apoio de empresas epessoas físicas que queiram colaborar mensalmente. “Vale lembrar queas doações das empresas de lucro real, podem ser deduzidas do impostode renda. Mas o importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, aautonomia e a inclusão?”, ressalta Renato. A Escola de Cães Guias Helen Keller é a única da América Latinamembro da Federação Internacional de Cães Guias, garantindo que oscães HKELLER sejam graduados por meio de técnicas, que observam acomunhão do bem-estar dos cães, com os da equipe e clientes. A HKeller e o Cão Guia no Brasil A Escola de Cães Guias Helen Keller possui um programa genético quejá está na sua quarta geração de cães, com assertividade de 90%.Este resultado elegeu a instituição para desenvolver tecnicamente oProjeto Cão Guia, do Governo Federal, entregando ao longo de 03 anosde seu trabalho, dentro deste projeto, 16 duplas (pessoa cega/cãoguia). O investimento para um cão HKELLER O investimento na formação de um cão HKELLER atinge cifras que giramem torno de 80 mil reais, durante o período de 2 anos, desde areprodução até a formação da dupla cão/cliente. Mas não se tratade custo e sim de qualidade de vida, autoconfiança e autonomia dapessoa cega, afinal, é impossível medir o valor da visão para o serhumano e os depoimentos deles asseguram que tiveram suas vidasimpactadas positivamente, com a companhia dos cães guias que receberamda escola. Atualmente são mais de 2 mil inscritos para receberem um cão-guiagratuitamente.  Para manter seu funcionamento e ampliar a formação deinstrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Kellerdepende do apoio da população. A Escola de Cães Guias Helen Keller conta apenas com o apoio dasociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursosnecessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamentode seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento,tanto dos cegos como de nossos voluntários socializadores; e tãoimportante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. O planejamento da escola é formar 24 cães HKeller por ano, procurandoassim, atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixavisão de forma gratuita. E ainda elaborar e implementar o planopedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores decães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; ea construção do Centro Veterinário HKeller com ampliação daestrutura física e sustentabilidade financeira. Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia Mesmo com a pandemia que está assolando a todos, e com a redução dosapoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no últimoano, aumentou a entrega de cães, a equipe técnica e pretende expandirainda mais sua atuação. “A HKeller cresceu, esse ano iremos entregar12 cães-guias, antigamente eram 4. Aumentamos nosso número deprofissionais, hoje temos 3 treinadores e mais 5 no suporte técnico eadministrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregandocada vez mais autonomia a pessoa cega ou com baixa visão. A pandemianos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elascaíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda asociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de formagratuita”, esclarece o diretor de marketing. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com cegos oubaixa visão Segundo o IBGE, em 2010, existem 14.727 pessoas cegas totais e 174.550pessoas com baixa visão, no estado de Santa Catarina. A Microrregião da Foz do Rio Itajaí́, que segundo dados daAssociação de Deficientes Visuais de Itajaí́ e Região – ADVIR, emseus registros de 2017, existem 613, pessoas cegas ou com baixa visão.Vale ressaltar que, esses dados referem-se apenas às pessoascadastradas na ADVIR, o que não significa a realidade do número depessoas cegas ou baixa visão, uma vez que nem todas as pessoas com estasituação estão inscritas nesta Associação. Saiba mais pelo Instagram da escola @caoguia.org.br e pelo sitewww.caoguia.org.br. Para quem quiser doar para a escola, atualmente são 4 canaisdisponíveis: QR Code, E-mail: ajude@caoguia.org.br e celular 47 997120986, que é o pix da escola.

Segurança

Homem é denunciado por adotar e matar gatos; Polícia investiga caso

Homem foi ouvido na delegacia de Joia e confessou ter matado três gatos por estrangulamento