keyboard_backspace

Página Inicial

Coronavírus

Covid-19: “Pulmão Artificial” usando no ator Paulo Gustavo custa R$ 30 mil por dia e não é mais ofertado pelo SUS

Ecmo é uma máquina que fica ligada ao paciente e que substitui a função do pulmão e do coração

X
Foto: Divulgação

Internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com Covid-19, desde o dia 13 de março, o ator Paulo Gustavo, recebeu no último final de semana, após uma piora no quadro, o tratamento por oxigenação de membrana extracorpórea (Ecmo), uma espécie de “pulmão artificial”. Esse equipamento custa, em média, R$ 30 mil por dia e foi barrado de ser disponibilizado na rede pública, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Neste sábado (3/4), o marido do ator, o dermatologista Thales Bretas, fez uma longa declaração ao amado, pediu para as pessoas não acreditarem em fake news e se disse confiante na melhora de Paulo Gustavo.  Ao Fantástico, Thales Bretas agradeceu o apoio que tem recebido de todos. Nas redes sociais têm se formado uma grande corrente de oração pela melhora do ator. “Queria encher o coração de vocês de esperança, agradecer todas as orações e dizer que, em breve, nosso amado Paulo vai estar de volta na minha família, na telinha de vocês e no coração e na alegria de todo mundo que está torcendo para ele”, disse.

No Brasil, o SUS oferece o tratamento com Ecmo, principalmente, em cirurgias cardíacas, como ponte de safena ou troca de válvula, em unidades especializadas, como o Instituto do Coração e o Instituto do Câncer. Porém, a máquina também é utilizada para o tratamento de pneumonias graves. No entanto, ele foi barrado em 2015 pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) para esta finalidade.

O Conitec levou em conta que as pesquisas existentes sobre o tratamento mostram a eficácia dele, porém, para seu uso, são necessários centros especializados e um gasto bastante elevado. Por isso, a comissão solicitou a elaboração de um protocolo de pesquisa. “Não é um tratamento habitual, porque é preciso dominar a técnica e ter experiência. Existe muito risco de trombose e de sangramento. Então acaba por sendo segunda e terceira linha de tratamento. O custo acaba sendo alto e muitos planos de saúde não fazem a cobertura. O SUS não fornece por não ter estrutura para isso. Precisa de uma equipe, alguém que monitore o equipamento 24 horas”, explica o infectologista e chefe da Comissão de Controle de Infecção do Hospital Santa Lúcia, Werciley Júnior.

Segundo ele, a taxa de sobrevivência para quem usa o tratamento é de 60% nos melhores serviços do mundo, ou seja, onde a terapia já é usada rotineiramente. Em centros não especializados, a taxa cai para 20% a 30% de chance de sobrevivência. Além disso, o médico destaca que o Brasil enfrenta outro problema para usar o tratamento: a falta de materiais. “Está faltando material de base, que são os descartáveis, como tubos. Tem semana que tem e tem que semana que não”, explica.

No Brasil, o uso do Ecmo ainda é muito restrito. Por aqui, só existem 21 centros registrados na sociedade internacional Extracorporeal Life Support Organization (Elso), que reúne os locais que fazem uso da terapia. É um tratamento também novo, que só existe há 10 anos. Só em 2018, o Conselho Federal de Medicina (CFM) passou a reconhecê-lo. Segundo a médica cardiologista Ludhmila Hajjar, o preço para usar a terapia gira em torno de R$ 30 mil por dia e muitos planos de saúde não liberam sua utilização. “Muita gente não tem a chance de ser tratado numa ótima estrutura, como Paulo Gustavo, nem tem chance de ter a ECMO, dispositivo relativamente caro. Não se consegue fazer Ecmo em alta escala no SUS”, disse à CNN.

Entenda a tecnologia

A técnica é muito mais complexa do que um respirador. O Ecmo é uma máquina que fica ligada ao paciente e que substitui a função do pulmão e do coração. Ele é utilizado em pacientes graves que poderiam morrer sem o equipamento. No procedimento, o sangue é tirado do corpo do paciente, levado à máquina que tira o gás caebônico do sangue, coloca oxigênio e e devolve para a veia. Paulo Gustavo, que tem 42 anos, é bom candidato para o tratamento, já que, segundo recomendações da Elso, a terapia é mais indicada para pacientes jovens e sem comorbidades. “Não é todo mundo que tem ser colocado em Ecma. Só aquele que tem condições de recuperar. Por exemplo, idade acima de 70 anos é contraindicado porque o risco de causar dano é tão grande que não recomenda”, afirma Werciley.

Fonte: Correio Braziliense

Coronavírus

Havan ajuda na compra de dois respiradores

Um deles foi doado para o Samu de Joinville e o outro para Barra Velha. Ambos vão atender os pacientes do município quando precisam ser transportados com urgência para hospitais da região

Coronavírus

Brasil recebe 2,3 milhões de kits de intubação vindos da China

Segundo o grupo de empresas, a ação foi motivada pelo recrudescimento da pandemia de covid-19 no Brasil e pela escassez de insumos para o atendimento a pacientes em unidades de terapia intensiva (UTIs).

Coronavírus

Mais 220 mil doses de vacina chegam em SC nesta sexta-feira

A carga seguiu escoltada por policiais até o depósito de frios da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, em São José, de onde será distribuída para as regionais de saúde do estado ainda na manhã desta sexta.

Coronavírus

SC confirma 848.672 casos e 12.409 mortes por coronavírus

Esses números representam um acréscimo de 96 óbitos em comparação com o último boletim. Registrou-se uma alta de 3.305 na quantidade de confirmados.

Coronavírus

Covid-19: “Tenho medo de pegar isso e morrer”, disse Paulo Gustavo há um ano

Boletim médico divulgado nesta quinta-feira diz que o ator segue em estado grave

Mais notícias

Segurança

Polícia encontra mais de R$4 milhões na casa de homem morto depois de perseguição em Porto Belo

O motorista, que foi baleado na tarde desta sexta-feira (16), após uma perseguição pela cidade de Porto Belo, não resistiu aos ferimentos e morreu antes de dar entrada no hospital

Turismo

Itapema 59 anos: Visor Notícias produz série de reportagens sobre o município

Seja você morador ou turista, tem cantinhos especiais e históricos que você vai amar descobrir