keyboard_backspace

Página Inicial

Cidades

Corpo de idosa é trocado em hospital e enterrado em cova coletiva por engano

O corpo de uma idosa foi enterrado por engano no lugar de outro morto na segunda-feira (11), em Belo Horizonte, Minas Gerais. O caso foi descoberto na terça-feira (12), quando sua família aguardava a liberação […]

X

O corpo de uma idosa foi enterrado por engano no lugar de outro morto na segunda-feira (11), em Belo Horizonte, Minas Gerais. O caso foi descoberto na terça-feira (12), quando sua família aguardava a liberação do corpo para seu sepultamento. As informações são do jornal O Tempo.

Leonora de Jesus Celestina, de 91 anos, foi enterrada em uma cova destinada ao corpo de Fernando Jesus Reis, de 68. Os dois morreram vítimas da Covid-19 no Hospital São Francisco ode Assis, na capital mineira. Fernando faleceu na noite de domingo (10), e Leonora na manhã de segunda.

“Foi uma atrocidade o que cometeram. Fizeram da minha mãe um saco de pedras e a jogaram em um buraco”, disse Antônio de Jesus Celestino, de 66 anos, filho de Leonora.

A família aguardava para fazer o sepultamento dela no Cemitério da Saudade, região leste de BH, mas após um atraso descobriram que o enterro havia acontecido um dia antes, no Cemitério da Consolação, em Venda Nova.

Segundo o filho de Fernando, Flaviano Rodrigues Reis, de 41 anos, foi um susto descobrir que o corpo do pai ainda estava no hospital.

“Na terça-feira à noite, a funerária me ligou e falou que meu pai não havia sido enterrado e ainda estava no hospital. Enterramos uma pessoa que não era o meu pai. Fomos no hospital e vimos que era o meu pai mesmo”, diz Flaviano.

De acordo com o filho do idoso, sua mãe teve dificuldades de acreditar na troca dos corpos e chegou a acreditar que Fernando pudesse estar vivo.

“Quando falei, ela nem acreditou. Ela perguntou se meu pai estava vivo. Aí expliquei que, na verdade, eles trocaram os corpos. Meu sentimento é de tristeza e revolta”, diz Flaviano.

Já a família de Leonora teve outra dificuldade. O corpo da idosa foi sepultado em uma cova coletiva, junto com outros dois corpos. Para realizar o procedimento, a família precisou pedir a exumação do corpo, mas também teve que contar com a autorização das famílias dos outros dois enterrados na mesma cova.

“É muito triste você ver duas famílias que não têm nada a ver (com isso) ter seus entes queridos desenterrados para tirar uma pessoa que não deveria estar ali”, disse Raquel de Almeida Celestino, neta de Leonora, após a exumação.

Culpados pela troca

A reportagem do jornal O Tempo tentou contato com a funerária supostamente responsável pela troca dos corpos, mas nenhuma das ligações feitas tanto para o telefone fixo da empresa quanto para o celular da proprietária foram atendidas.

O Hospital São Francisco de Assis informou em nota que a funerária cometeu um erro no momento de retirar o corpo no centro de saúde.

De acordo com o hospital, quando há um óbito, uma identificação é colocada no corpo. O hospital alega que a funerária não realizou a conferência dessa identificação. “Todas as etapas são registradas e conferidas por meio de protocolos”, diz o texto.

Fonte: Visor Notícias com informação Isto é

Cidades

Defesa Civil reforça alerta de chuva forte e persistente com risco de alagamentos e deslizamentos em SC

Alerta vale desta terça-feira (19) até quinta-feira (21) para o Litoral e Vale do Itajaí

Cidades

Águas de Bombinhas comemora investimentos e o melhor abastecimento no fim de ano

A empresa investiu em melhorias, reforços de rede, simulações e limpezas ao longo do ano

Cidades

FAACI vai realizar oficinas do Plano de Manejo do Refúgio da Vida Silvestre

Inscrições devem ser feitas por telefone com Matheus Morganti Baldim (048) 99123-3132

Cidades

Funcionário que recusar vacina contra o coronavírus pode ser demitido por justa causa, diz especialista

Num cenário em que o Poder Público imponha medidas restritivas para incentivar a vacinação contra a Covid-19, caso uma empresa adquira doses para proteger a equipe e um funcionário recuse a imunização, a situação pode […]

Cidades

Leão-marinho faz visita à praia da Tainha, em Bombinhas

Um leão-marinho fez uma visita à praia da Tainha, em Bombinhas, neste final de semana. O animal descansava nas pedras no costão.  O projeto de Monitoramento das Praias da Univali explicou que o animal é […]

Mais notícias